Outros sites Cofina
Caldeirão da Bolsa

Mota Engil - Tópico Geral

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: Pata-Hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por maturidade » 30/9/2019 15:47

Boas.
Anda super controlada.
BCP, CTT, PHAROL, já subiram vêm nestes 3 últimos dias de negociação.
esta ainda não recuperou nada de nada desde a ida aos 2.15.
Mantêm-se nos 1.80€.
até quando???
enfim coisas da bolsa.....

abraços
 
Mensagens: 1910
Registado: 2/3/2016 20:30

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por fjcbolsa » 30/9/2019 16:13

:lol:
Se subisses quando desejamos, não era MAU. Também estou com algumas :wink:
 
Mensagens: 819
Registado: 24/11/2010 10:03
Localização: 20

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por xxx...talha bestas...xxx » 2/10/2019 9:46

para quem entrou nos últimos dias, quais os pressupostos que se basearam para tal?

a ME perto do suporte de € 1,80, em caso de descer abaixo da cotação presente, invariavelmente irá visitar valores abaixo dos mínimos das últimas 52 semanas.
Anexos
Screenshot 2019-10-02 at 09.46.02.png
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 359
Registado: 19/6/2018 17:15

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por BearManBull » 2/10/2019 10:51

Quem entrou acreditava na reacção ao suporte nos 1,8. Mas ontem confirmou que o suporte foi à vida portanto estou em crer em novos mínimos.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3691
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por BearManBull » 9/10/2019 12:57

:arrow:
Anexos
mota.png
mota.png (65.1 KiB) Visualizado 3178 vezes
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3691
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por maceirafernandesjose » 9/10/2019 13:09

A mota desceu abaixo de 1,80 e precisa agora voltar para cima para que os touros mantenham o controlo,mas aqui combustivel não falta. :)
 
Mensagens: 1414
Registado: 17/12/2013 1:15

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por novo2000 » 9/10/2019 16:54

A Mota-Engil anunciou esta quarta-feira que ganhou três novos contratos, no valor de 327 milhões de euros, em três mercados onde tem presença significativa: Angola, Moçambique e Portugal.

JN, 16h36.
 
Mensagens: 20
Registado: 29/12/2018 17:35

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Punitor » 10/10/2019 18:29

Normalmente os contratos que ganha são logo acompanhados de seguida pela emissão de mais obrigações...
E, será que o mercado incorpora ainda os milhões desses contratos que depois pouco se refletem nos resultados?
Aliás, não dá para compreender a maneira como são calculados os resultados nesta empresa, por muito pequena que seja a margem de lucro...
Deve mais de 2x a sua capitalização e com os lucros declarados, talvez na próxima década tenha o triplo da dívida, ou aconteça coisa pior ainda...
 
Mensagens: 1108
Registado: 1/11/2015 12:47

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por cali010201 » 12/10/2019 12:46

Angola já pagou 182 milhões de euros a construtoras. Mas contas não batem certo

https://expresso.pt/economia/2019-10-11 ... atem+certo


Angola já pagou €182 milhões. Mas há cortes e desacertos nos cálculos

ABÍLIO FERREIRA

Um ano depois da ofensiva diplomática em Luanda do primeiro-ministro, António Costa, ter dado o pontapé de saída, o movimento de regularização das dívidas de Angola às construtoras portuguesas regista avanços favoráveis, mas as contas nem sempre batem certo e uma boa parte dos intervenientes está insatisfeita com os resultados.

O tema é uma moeda de duas faces. Há o lado benigno que resulta de negociações fechadas, pagamentos realizados e dinheiro a circular. Segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros, os acordos firmados “diretamente entre as empresas e as autoridades angolanas” já drenaram 75 mil milhões de kwanzas (€182 milhões) e “representam três quartos da dívida certificada até à data”.

No caso das construtoras, o lado inquietante mistura dívidas não reconhecidas, revisão dos valores, imposição de títulos de dívida pública como pagamento e severas perdas cambiais nas empreitadas registadas em moeda local. Um bom sinal é que as associações empresariais deixaram de lidar com pedidos de ajuda de construtoras desesperadas com as dívidas de Angola. “Pelo que sabemos, o programa decorre sem sobressaltos, segundo os princípios definidos. Muitas empresas já receberam, mas desconhecemos o grau de execução. As únicas queixas decorrem das perdas que resultam da desvalorização cambial”, diz ao Expresso Ricardo Pedrosa Gomes, presidente da Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços (AECOPS).

Reconhecer, certificar e acertar o modo de pagamento, sendo que a aceitação de títulos de dívida pública, convertíveis na banca com algum desconto, agiliza a operação. Dito assim, parece simples. Mas há sempre pedras no caminho para remover. Este é um processo “tudo menos linear, em que cada contrato tem de ser escrutinado, podendo surgir divergências e litígios”, reconhece Ricardo Gomes.

PERÍMETRO ESTATAL

Vamos a casos práticos. A Cogedir, uma empresa de projetos, reclama 1,7 milhões de dólares por serviços prestados ao governo da província de Cuando-Cubango, na altura dirigida pelo general Higino Carneiro, entretanto caído em desgraça. Mas as duas partes estão longe de um entendimento. O empresário Moutinho Cardoso fica satisfeito se no rescaldo da operação receber 400 mil dólares. As autoridades “cortaram nos valores do contrato e não reconheceram uma parte dos custos e trabalhos”. Depois, “propuseram o pagamento em Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos”, que a Cogedir recusou. Em resumo, “as contas continuam por acertar”.

A experiência da Lena Engenharia, do Grupo Nov, é semelhante. No rescaldo do ciclo depressivo 2012/15, a dívida somava 8 mil milhões de kwanzas. A cotação oficial à época ditava que um dólar valia 100 kwanzas — a relação atual é de 1 para 378. “70% da dívida já está certificada, mas como decorrem ainda negociações não se avançou para a fase de pagamento”, diz o presidente da Lena, Joaquim Paulo Conceição. O gestor não arrisca um número final.

Nos contratos em moeda local, o valor desfalece por causa da severa desvalorização cambial

A Lena está disponível para receber em títulos de dívida pública, seguindo uma prática generalizada que levou construtoras como a Mota-Engil ou a Teixeira Duarte a acumularem, respetivamente, €152 milhões e €24,5 milhões de títulos de dívida pública. No caso das empresas angolanas, 60% das dívidas (211 mil milhões de kwanzas no total) foram pagas em OT. O conglomerado Elevo, que absorvera construtoras como Edifer, MonteAdriano ou Hagen e esbraceja para sobreviver, já manifestara a deceção por só ter conseguido certificar uma pequena parte dos €160 milhões reclamados. Contactado esta semana, o presidente do grupo, Gilberto Rodrigues, respondeu “não ter disponibilidade para falar ao Expresso”.

Este é “um tema delicado”, dizem os industriais, que não querem ferir suscetibilidades em Luanda, invocando a singularidade africana em que “as faturas são do sexo feminino mas nem sempre dão à luz ao fim de nove meses”.

Uma parte das divergências no acerto de contas, segundo fontes do sector, residirá na definição do perímetro estatal. As construtoras podem estar a incluir na lista das dívidas trabalhos para empresas ligadas a dirigentes do MPLA ou do aparelho de Estado que a Administração Central não reconhece. “É natural que o Governo seja criterioso e descarte dívidas de empresas que, de facto, não são da esfera pública”, reconhece o presidente da AECOPS.

Quando o tema são as dívidas, António Mota, o patrão da Mota-Engil, repete o lema de que “Angola paga tarde, mas paga sempre”. Ricardo Pedrosa Gomes subscreve e reconhece que “o histórico do relacionamento confirma tal visão”. Mas nem sempre o dinheiro chega a tempo. Quando, no fim de 2018, declarou falência, a MSF Engenharia apontou a dívida angolana (€46 milhões) como uma das causas do colapso.

Produção no exterior ganha fôlego. México bate Angola

A indústria da construção opera em 35 mercados. No biénio 2017-18, a produção subiu €900 milhões

A produção das construtoras portuguesas no exterior ganhou um novo fôlego e está em modo de recuperação depois de um mínimo relativo em 2016 (€4,4 mil milhões). No biénio 2017-18, a brigada nacional que opera em 35 países faturou mais €900 milhões, mas está ainda longe do máximo da década (€5,6 mil milhões). A evolução dos novos contratos segue a mesma tendência. A carteira de obras no fim de 2018 estava nos €5,3 mil milhões. Esta década a produção regista uma subida acumulada de €1,6 mil milhões (40%).

A geografia do negócio está em mudança. A novidade de 2018 é que o México ascendeu ao pódio externo (€1,2 mil milhões) puxado pelo desempenho da Mota-Engil, rompendo com a histórica hegemonia de Angola (€1,1 mil milhões). Mas esta glória é efémera. Olhando para os novos contratos é inevitável que Angola regresse à liderança folgada. O continente africano beneficia de uma pedalada mais vigorosa e Angola volta a ser a locomotiva de um pelotão que congrega agentes como Moçambique, Argélia, Malawi e um novo mercado em ascensão — África do Sul (€131 milhões). Com a carteira no México em declínio, o continente americano perde sedução. Mas, Brasil, Peru e Colômbia permanecem como mercados fundamentais. Nas duas geografias, a indústria portuguesa está no top 3 da produção europeia.


Ricardo Pedrosa Gomes, presidente da AECOPS-Associação de Empresas de Construção, Obras Públicas e Serviços, acentua o “mérito da indústria portuguesa” em projetos de grande envergadura e defende “o reforço da cooperação entre Estado e empresas, através da cobertura do risco de crédito e na gestão da dívida para impedir que atrasos no pagamento inviabilizem a afirmação no exterior”. O industrial receia que as posições conquistadas na região subsariana de África estejam “sob a ameaça da cobiça de multinacionais”, depois da União Europeia incluir a região na lista dos financiamentos prioritários. As construtoras portuguesas “precisam de mecanismos de apoio idênticos aos dos seus adversários”, avisa Ricardo Pedrosa Gomes.

Na Europa, o mercado polaco é o único que revela vitalidade (€291 milhões), respondendo por 46% da produção em todo o continente. As construtoras lusas revelam dificuldades em singrar em mercados maduros. A produção no exterior equivale a 6% da balança exportadora de bens e serviços. A.F.
 
Mensagens: 226
Registado: 29/11/2007 1:33
Localização: Póvoa Stª Iria

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Sr_SNiper » 13/10/2019 21:49

Camaradas, é impressão minha ou no prospecto da emissão das obrigações diz que podem aumentar a oferta, mas não dizem em lado nenhum qual o montante máximo que podem aumentar a oferta?
Isto para o tiro no rateio é chato...
Lose your opinion, not your money
 
Mensagens: 8910
Registado: 27/6/2009 22:08
Localização: Sniper World

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por jopsilveira » 13/10/2019 22:52

Alguém vai aqui entrar e feio nas obrigações da Mota-Engil?
 
Mensagens: 242
Registado: 5/8/2014 20:53

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Manuel_13 » 13/10/2019 23:56

Eu.
 
Mensagens: 443
Registado: 21/10/2010 13:08
Localização: 13

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Goya777 » 14/10/2019 7:14

Para tentar ganhar algo em poucos meses ou ficar com elas até às maturidade? Isto tem mais risco que um Benfica... Negócio difícil em países super manhosos e endividada forte e feio.
 
Mensagens: 946
Registado: 17/7/2014 22:33

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Sacanitajose » 14/10/2019 8:41

Manuel_13 Escreveu:Eu.

:!: :wink: :?: Eu, vou arriscar ! Dado que, prevejo a crise economica, futura e Obrigações a um Juro, bom :oh: apesar de possivel, risco Diga-se, " vou no escuro ! " Bons negócios, avizinha-se uma quinzena, quiçá, boa ! :idea: 8-)
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 353
Registado: 3/5/2014 21:03
Localização: Lisboa

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por jopsilveira » 14/10/2019 9:35

Desde quando é que o risco da Mota-Engil é equivalente a um Benfica?
 
Mensagens: 242
Registado: 5/8/2014 20:53

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Goya777 » 14/10/2019 10:17

Tens razão. O da Mota é pior
 
Mensagens: 946
Registado: 17/7/2014 22:33

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Sacanitajose » 14/10/2019 13:26

:shame: não é pior ! Possivelmente, mais arriscado :-k
Mas, contar com o Ovo, no dito cujo, da Galinha !?
Prevejo, uma procura, louca, hoje ! Para que possam subir, Valores a !!!
Contudo, vou arriscar, em 20 ui :-$ com a minha ideia, futura na construção e no Imobilário 8-)
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 353
Registado: 3/5/2014 21:03
Localização: Lisboa

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Sacanitajose » 15/10/2019 10:08

Bom dia ! Alguém sabe, o alvo da procura, no primeiro dia, de !?
Obrigado e bons negócios :-k
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 353
Registado: 3/5/2014 21:03
Localização: Lisboa

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por peaners » 17/10/2019 10:27

pouco atractivo?

http://www.jornaldenegocios.pt//mercados/obrigacoes/detalhe/custos-comem-juros-na-emissao-da-mota?ref=CaldeiraoDaBolsa_Destaques

Custos "comem" juros na emissão da Mota

as chamadas comissões bancárias
"Quem desdenha quer comprar"
 
Mensagens: 878
Registado: 14/11/2016 13:00

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Goya777 » 17/10/2019 16:08

Alguem sabe como vai isto? 5 anos é a emissao mais longa da Mota certo? No mercado retail
 
Mensagens: 946
Registado: 17/7/2014 22:33

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Goya777 » 21/10/2019 10:15

Novo montante obrigaçoes EUR 140mn (eram 75mn inicialmente)
 
Mensagens: 946
Registado: 17/7/2014 22:33

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Artista Romeno » 22/10/2019 20:06

Goya777 Escreveu:Novo montante obrigaçoes EUR 140mn (eram 75mn inicialmente)

Eh pah 140m muita bom é mesmo bom papel ate vai subir nos primeiros 3 meses e tudo! Bom pa banca que cada x mais poe as patas fora deste cancro
As opiniões expressas baseiam-se essencialmente em análise fundamental, e na relação entre o valor de mercado dos ativos e as suas perspectivas futuras de negocio, como tal traduzem uma interpretação pessoal da realidade,devendo como tal apenas serem consideradas como uma perspetiva meramente informativa sobre os ativos em questão, não se constituindo como sugestões firmes de investimento
 
Mensagens: 5021
Registado: 4/4/2014 18:06
Localização: Iberia

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Sacanitajose » 22/10/2019 21:09

8-)
olá ! eu vou, nessa, mas sem arriscar muito, requeremos, casal, 20 unidades, cada ! Talvez, um pouco de ingenuidade, mas o juro, é bom e até :P :roll: ver

Artista Romeno Escreveu:
Goya777 Escreveu:Novo montante obrigaçoes EUR 140mn (eram 75mn inicialmente)

Eh pah 140m muita bom é mesmo bom papel ate vai subir nos primeiros 3 meses e tudo! Bom pa banca que cada x mais poe as patas fora deste cancro
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 353
Registado: 3/5/2014 21:03
Localização: Lisboa

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por Goya777 » 23/10/2019 13:49

Artista Romeno Escreveu:
Goya777 Escreveu:Novo montante obrigaçoes EUR 140mn (eram 75mn inicialmente)

Eh pah 140m muita bom é mesmo bom papel ate vai subir nos primeiros 3 meses e tudo! Bom pa banca que cada x mais poe as patas fora deste cancro


Provavlemente até sobe. Para mim claramente nao é investimento para manter os 5 anos.
 
Mensagens: 946
Registado: 17/7/2014 22:33

Re: Mota Engil - Tópico Geral

por fjcbolsa » 24/10/2019 9:31

:-k
Anexos
Mota.png
Mota.png (131.38 KiB) Visualizado 3171 vezes
 
Mensagens: 819
Registado: 24/11/2010 10:03
Localização: 20

AnteriorPróximo

Quem está ligado:
Utilizadores a ver este Fórum: AlfaTrader, Azoressss, bigest, fjcbolsa, Google Adsense [Bot], Google Feedfetcher, leomiguel77, LoneWolf, nook, OCTAMA, Penaforte, peterteam2, Phil2014, Qualnhick, ricardo.noel.rocha, RuiGerente, Silva115, trilhos2006, visit e 99 visitantes