Outros sites Cofina
Caldeirão da Bolsa

Políticas para Portugal

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: Pata-Hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 25/7/2016 17:39

O topo da distribuição dos rendimentos em Portugal: uma análise descritiva - Frederico Cantante
https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/9841

Conclusão
Portugal é um país de grandes desigualdades económicas. A ação redistributiva do Estado tem permitido mitigar este fenómeno, mas não só a eficácia deste processo se situa abaixo do verificado na maioria dos países da UE-27 (Alves, 2012; Rodrigues, Figueiras e Junqueira, 2012) como um conjunto de dinâmicas a montante dessa ação redistributiva tem concorrido para o aprofundamento das desigualdades de recursos monetários. O mercado de trabalho é o epicentro desse processo, e nele se entrecruzam, de forma mais ou menos articulada, fatores de ordem legal, institucional, qualificacional e económica que poderão estar a contribuir para o acentuar das desigualdades económicas em Portugal. Tal como foi demonstrado, essa desigualdade é particularmente evidente quando se promove um zoom sobre os grupos da parte superior da distribuição dos ganhos salariais. Apesar de haver uma diferença considerável entre a parte inferior do decil do topo da distribuição e o nível salarial mediano ou o que é auferido pelos grupos que formam a base dessa estrutura distributiva, é no interior do grupo dos 1% mais bem remunerados que se define o perímetro dos top incomes em Portugal e se estrutura o grande fosso económico entre uma minoria dos trabalhadores e a sua esmagadora maioria. Portugal é um país de baixos salários, em que centenas de milhares de trabalhadores auferem o salário mínimo nacional ou um valor próximo desse limite administrativo. Isto significa que potencialmente uma parcela muito significativa da população trabalhadora vive na área limítrofe ao limiar de pobreza ou experiencia mesmo a condição de working poor. Mesmo a classe média em Portugal caracteriza-se pela sua “magreza económica” (Cantante, 2013). Veja-se que o ganho salarial mediano bruto era, em 2009, de 741 euros e que grande parte dos grupos que ocupam as posição intermédias na distribuição dos ganhos salariais auferia salários brutos abaixo dos mil euros.
Analisar o fenómeno das desigualdades económicas a partir do enfoque nos rendimentos do topo da distribuição significa eleger como referente empírico a minoria da população cujos recursos económicos têm potenciado o aumento das desigualdades e da concentração do rendimento de mercado (market income). Perante as evidências empíricas expostas ao longo do texto importa compreender e analisar criticamente as desigualdades económicas em Portugal. Para tal será necessário enquadrar este fenómeno ao nível das condições institucionais, legais e económicas que o favoreceram. Estes são eixos a desenvolver no futuro. Para já fica uma análise descritiva do topo da distribuição dos rendimentos em Portugal.
Anexos
1.png
1.png (118.81 KiB) Visualizado 5414 vezes
2.png
2.png (132.53 KiB) Visualizado 5414 vezes
3.png
4.png
4.png (91.57 KiB) Visualizado 5408 vezes
 
Mensagens: 1262
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 26/7/2016 23:27

A distribuição da riqueza em Portugal: um estudo de caso - Paulo Notário Pinto
http://www.repository.utl.pt//handle/10400.5/8240
(…)
Verificamos que 40% dos agregados com menores recursos detêm menos de 20% do rendimento bruto e não chega a 1% da riqueza (bruta ou líquida per capita). Mas também podemos concluir que a distribuição dos recursos entre as famílias que compõem este extremo da população não apresenta um afastamento muito significativo.
Por simplificação, imaginemos que existe no conjunto da sociedade um euro de recursos. A parte que cabe a este extremo mais baixo da distribuição é de cerca de seis cêntimos da riqueza e de 1,5 cêntimos de rendimento bruto.
(…)
O extremo que representa as famílias com maior rendimento bruto e riqueza per capita revela dados particularmente interessantes. Primeiro, há um aumento considerável do nível de desigualdade. O afastamento das curvas de Lorenz para todas as variáveis consideradas é significativo.
Em segundo lugar, verificamos uma ligeira inflexão no final das curvas de Lorenz em todas as variáveis, apontando para uma desigualdade consideravelmente mais elevada na extremidade da distribuição, que analisamos de seguida.
As curvas de Lorenz permitem-nos efectuar este exercício ainda mais fino, isolando a parte da população com níveis de riqueza líquida extremamente elevados. Por exemplo, os 1% com maior riqueza líquida detêm 21% da riqueza líquida total. Já no caso do rendimento bruto verificamos que os 1% com rendimento bruto mais elevado detêm apenas 8% do rendimento bruto total.
Mais uma vez podemos fazer o exercício de simplificação utilizando uma unidade monetária. Imaginemos que o total da riqueza líquida correspondia a um euro. Os 1% mais ricos detinham 21 cêntimos, com o restantes 79 cêntimos a serem distribuídos pelo resto da população, ou seja os restantes 99%.
Em síntese, a distribuição da riqueza (bruta e líquida) é, como proposto pela literatura, muito mais desigual do que o rendimento. Essa desigualdade é mais acentuada nos percentis superiores da distribuição que se manifesta pelo afastamento das curvas de Lorenz.
(…)
Anexos
Rendimento e Riqueza.png
Rendimento e Riqueza.png (113.51 KiB) Visualizado 5351 vezes
 
Mensagens: 1262
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 31/7/2016 0:09

How an Economy Grows and Why it Crashes - Peter D Schiff
http://www.libertarianismo.org/livros/pshaegawic.pdf
 
Mensagens: 1262
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 16/8/2016 0:58

 
Mensagens: 1262
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 18/8/2016 20:04

Filhos da crise
Diferença evidente entre o grupo etário 0-9 (filhos da crise) e 10-19.
Anexos
5.png
5.png (30.27 KiB) Visualizado 5127 vezes
1.png
1.png (80.51 KiB) Visualizado 5127 vezes
2.png
2.png (79.07 KiB) Visualizado 5127 vezes
3.png
3.png (77.47 KiB) Visualizado 5127 vezes
4.png
4.png (79.41 KiB) Visualizado 5127 vezes
 
Mensagens: 1262
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 19/8/2016 15:24

Ocioso Escreveu:O topo da distribuição dos rendimentos em Portugal: uma análise descritiva - Frederico Cantante
https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/9841



Exactamente, para mim nao faz qualquer sentido atacar os ricos para justificar os pobres.

https://www.imf.org/external/pubs/ft/sd ... dn1513.pdf


Sou contra Rendimentos Minimos Garantidos nos quais em Portugal em 2015 havia 295.664 pessoas com direito a esta subvençao.
Ora nao sou contra ajudar quem tem necessidade, mas nunca em dinheiro, que fosse em senhas alimentares/roupa e/ou em habitaçao social. O objectivo nao deve ser dar uma vida digna ao beneficiàrios mas sim facultar-lhe condiçoes para lutarem por uma vida digna.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4157
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 19/8/2016 15:30

lfhm83 Escreveu:
Ocioso Escreveu:O topo da distribuição dos rendimentos em Portugal: uma análise descritiva - Frederico Cantante
https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/9841



Exactamente, para mim nao faz qualquer sentido atacar os ricos para justificar os pobres.

https://www.imf.org/external/pubs/ft/sd ... dn1513.pdf


Sou contra Rendimentos Minimos Garantidos nos quais em Portugal em 2015 havia 295.664 pessoas com direito a esta subvençao.
Ora nao sou contra ajudar quem tem necessidade, mas nunca em dinheiro, que fosse em senhas alimentares/roupa e/ou em habitaçao social. O objectivo nao deve ser dar uma vida digna ao beneficiàrios mas sim facultar-lhe condiçoes para lutarem por uma vida digna.


Epa isso das senhas só me lembra aquele tipo de regime que vigorou ali pelo leste :shock:

Só fazendo um leve raciocínio, qual seria a vantagem disso? Digamos que seria para evitar que houvesse gente a ficar com dinheiro sem precisar por já ter casa, comida e roupa, comprados com dinheiro que supostamente não têm certo? Ao facultar-lhes casa, roupa e comida, o dinheiro que eles não gastaram nisso e que supostamente não têm, vai ficar para eles também na forma de dinheiro. No final, acaba por ser a mesma coisa no que toca a esse aspecto, não?
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4513
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por JoaquimDias » 19/8/2016 15:38

seria a garantia (óbvia) de que o "dinheiro" seria efectivamente gasto em alimentos e não a encher os bolsos de dependentes do estado.
http://www.heritage.org/index/ranking
(ranking de países mais capitalistas neo liberais VS países socialistas/comunistas/colectivistas)

Dinamarca: 12º
Portugal: 64º (e a descer...)
 
Mensagens: 323
Registado: 10/2/2009 16:30
Localização: 4

Re: Políticas para Portugal

por goodmoney » 19/8/2016 22:47

JoaquimDias Escreveu:seria a garantia (óbvia) de que o "dinheiro" seria efectivamente gasto em alimentos e não a encher os bolsos de dependentes do estado.


A distribuição na Venezuela faz-se nesses termos. :mrgreen:
 
Mensagens: 580
Registado: 9/11/2012 16:27

Re: Políticas para Portugal

por ATLAS_ » 20/8/2016 10:58

JohnyRobaz Escreveu:
Epa isso das senhas só me lembra aquele tipo de regime que vigorou ali pelo leste :shock:

Só fazendo um leve raciocínio, qual seria a vantagem disso? Digamos que seria para evitar que houvesse gente a ficar com dinheiro sem precisar por já ter casa, comida e roupa, comprados com dinheiro que supostamente não têm certo? Ao facultar-lhes casa, roupa e comida, o dinheiro que eles não gastaram nisso e que supostamente não têm, vai ficar para eles também na forma de dinheiro. No final, acaba por ser a mesma coisa no que toca a esse aspecto, não?


Ao menos moralizava.

O dinheiro já não seria gasto na Worten a comprar plasmas ou a tomar o pequeno almoço todos os dias no café.

E o almoço seria em casa. Não se iria ver as matronas em dia de semana nos cafés, com 3 ou 4 miúdos, vestidas de fato de treino, com banhas descaídas, a almoçarem tostas mistas...
 
Mensagens: 240
Registado: 8/6/2014 11:59

Re: Políticas para Portugal

por JoaquimDias » 20/8/2016 11:17

goodmoney Escreveu:
JoaquimDias Escreveu:seria a garantia (óbvia) de que o "dinheiro" seria efectivamente gasto em alimentos e não a encher os bolsos de dependentes do estado.


A distribuição na Venezuela faz-se nesses termos. :mrgreen:


Errado. Na venezuela existe fome e miséria típica de regimes de esquerda. Socialista e COmunistas.

Em países capitalistas e neo liberais realmente se preocupam com pessoas que passam fome, dá-se senhas para as pessoas se alimentarem. Isto sim é preocupação social.
http://www.heritage.org/index/ranking
(ranking de países mais capitalistas neo liberais VS países socialistas/comunistas/colectivistas)

Dinamarca: 12º
Portugal: 64º (e a descer...)
 
Mensagens: 323
Registado: 10/2/2009 16:30
Localização: 4

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 21/8/2016 12:29

JohnyRobaz Escreveu:Só fazendo um leve raciocínio, qual seria a vantagem disso? Digamos que seria para evitar que houvesse gente a ficar com dinheiro sem precisar por já ter casa, comida e roupa, comprados com dinheiro que supostamente não têm certo?



Não ias dar senhas para comerem no Sommelier, provavelmente seriam senhas para fazer compras em supermercados com targets em classe mais baixas como Lidl ou Mini Preço em produtos seleccionados. A grande vantagem é que terias a garantia que pelo menos esse dinheiro era gasto em alimentação/roupa.

“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4157
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 21/8/2016 23:53

Acho que ninguém percebeu muito bem a questão que eu levantei. :mrgreen:

Temos que supor que certa pessoa recebe 300€ por mes de subsidio, e que os gasta em tabaco e em plasmas na worten. No entanto, ela para isso tem que comer para sobreviver (paga-se), e tem que andar vestida na rua (a roupa paga-se). Digamos que para isso, essa pessoa tem que comprar isso com outro dinheiro que consegue arranjar de outra forma, digamos 400€ por mês. A partir do momento em que se oferecia os 300€ em senhas para roupa e comida, essa pessoa deixaria de gastar dos 400€ que arranja por fora em comida e roupa e usaria as senhas. Pouparia então os 300€ em roupa e comida porque tem as senhas. Esses 300€ que lhe sobram, onde iria gastá-los? Bingo! Em tabaco e plasmas na worten. 8-)

Isto é um exemplo abstracto e obviamente não ocorrem coisas exactamente assim, mas eu sou totalmente a favor da liberdade de utilização dos rendimentos de uma pessoa (ui, quem é de direita e de esquerda agora). Como o goodmoney disse, na Venezuela é que dão senhas as pessoas, e vê-se como estão. As pessoas podem ter os piores vícios, usar o dinheiro que têm da pior maneira. Mas todas têm que comer para sobreviver. Portanto obrigá-las a usar parte do subsidio em comida e roupa é quase redundante. Para além de que a roupa até a podem revender. :mrgreen:

Para terminar, não pensei vir a encontrar pessoas a defender esse tipo de controlo num fórum destes. Muito menos de pessoas de direita..
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4513
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por Green_Hawk » 22/8/2016 10:03

Em Lisboa fazem isso. No resto do país não sei.

Basicamente, todos os dias várias carrinhas de distribuição de comida passam a pente fino Lisboa e dão comida e roupa, oferecida por quem pode, aos mais desfavorecidos. Por isso, acredito que muitos dos desfavorecidos, em Lisboa, poupem os 300€ do subsidio para o gastar em tabáco e alcool. Mas as pessoas que conheci nessas condições, nunca irão passar dali, com ou sem subsidio. Acho que se "perderam" no caminho por falta de educação.
 
Mensagens: 101
Registado: 30/6/2010 19:47
Localização: 21

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 22/8/2016 15:07

“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4513
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 22/8/2016 15:43

JohnyRobaz Escreveu:Isto é um exemplo abstracto e obviamente não ocorrem coisas exactamente assim, mas eu sou totalmente a favor da liberdade de utilização dos rendimentos de uma pessoa (ui, quem é de direita e de esquerda agora).


Oh Johny Rambo, isto do liberarismo não é para quem quer é para quem pode, claro que somos a favor que se utilizem os rendimentos próprios da maneira que bem se entender, desde que não sejam dos outros.

Já te expliquei que se percebeu o que disseste mas receber uma senha para comprar manteiga e batatas é diferente de receber um cheque com dinheiro em vivo, que podes gastar a comprar uma lata de caviar, e ficam os miúdos a passar fominha de rato.

Como disse o Green_Hawk há muitas associações que distribuem alimentos e roupas em paralelo com o estado e muitas vezes esse dinheiro que vem dos rendimentos mínimos acabam nas mãos de traficantes de drogas a estimular ainda mais o crime e economias paralelas.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4157
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 22/8/2016 17:42

lfhm83 Escreveu:
JohnyRobaz Escreveu:Isto é um exemplo abstracto e obviamente não ocorrem coisas exactamente assim, mas eu sou totalmente a favor da liberdade de utilização dos rendimentos de uma pessoa (ui, quem é de direita e de esquerda agora).


Oh Johny Rambo, isto do liberarismo não é para quem quer é para quem pode, claro que somos a favor que se utilizem os rendimentos próprios da maneira que bem se entender, desde que não sejam dos outros.

Já te expliquei que se percebeu o que disseste mas receber uma senha para comprar manteiga e batatas é diferente de receber um cheque com dinheiro em vivo, que podes gastar a comprar uma lata de caviar, e ficam os miúdos a passar fominha de rato.

Como disse o Green_Hawk há muitas associações que distribuem alimentos e roupas em paralelo com o estado e muitas vezes esse dinheiro que vem dos rendimentos mínimos acabam nas mãos de traficantes de drogas a estimular ainda mais o crime e economias paralelas.


Lá está, a ideia de que o rendimento social não é "merecido" é logo difícil para mim de aceitar. Não digo que na realidade õ seja para toda a gente, mas se vamos pensar assim acaba-se com o Estado Social.Há muita gente a receber subsídios sociais que já descontaram para a Segurança Social. Para terminar, acho que neste ponto nenhum ou quase nenhum de nós esteve algum dia numa situação tão dramática como essa de depender de subsídios do Estado para sobreviver, portanto o moral para falar fica complicado. O que eu acredito é que a regra está nas pessoas que se sentem mal por depender da caridade e do Estado para sobreviver, e se pudessem não estavam nessa situação. Se vocês acreditam no oposto, não há grande coisa a discutir.

Quanto às senhas, afinal as senhas também limitavam os produtos alimentares que podiam escolher? e as roupas também? Está aí um belo comunismo pá. :mrgreen:

Como é que o facto de criminosos receberem dinheiro do Estado ajuda a promover o crime? :-k
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4513
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por bogos » 22/8/2016 18:30

JohnyRobaz Escreveu:
lfhm83 Escreveu:
JohnyRobaz Escreveu:Isto é um exemplo abstracto e obviamente não ocorrem coisas exactamente assim, mas eu sou totalmente a favor da liberdade de utilização dos rendimentos de uma pessoa (ui, quem é de direita e de esquerda agora).


Oh Johny Rambo, isto do liberarismo não é para quem quer é para quem pode, claro que somos a favor que se utilizem os rendimentos próprios da maneira que bem se entender, desde que não sejam dos outros.

Já te expliquei que se percebeu o que disseste mas receber uma senha para comprar manteiga e batatas é diferente de receber um cheque com dinheiro em vivo, que podes gastar a comprar uma lata de caviar, e ficam os miúdos a passar fominha de rato.

Como disse o Green_Hawk há muitas associações que distribuem alimentos e roupas em paralelo com o estado e muitas vezes esse dinheiro que vem dos rendimentos mínimos acabam nas mãos de traficantes de drogas a estimular ainda mais o crime e economias paralelas.


Lá está, a ideia de que o rendimento social não é "merecido" é logo difícil para mim de aceitar. Não digo que na realidade õ seja para toda a gente, mas se vamos pensar assim acaba-se com o Estado Social.Há muita gente a receber subsídios sociais que já descontaram para a Segurança Social. Para terminar, acho que neste ponto nenhum ou quase nenhum de nós esteve algum dia numa situação tão dramática como essa de depender de subsídios do Estado para sobreviver, portanto o moral para falar fica complicado. O que eu acredito é que a regra está nas pessoas que se sentem mal por depender da caridade e do Estado para sobreviver, e se pudessem não estavam nessa situação. Se vocês acreditam no oposto, não há grande coisa a discutir.

Quanto às senhas, afinal as senhas também limitavam os produtos alimentares que podiam escolher? e as roupas também? Está aí um belo comunismo pá. :mrgreen:

Como é que o facto de criminosos receberem dinheiro do Estado ajuda a promover o crime? :-k


Boa tarde amigo Jonhy...
Sublinhei a preto essa tua frase, porque dá pano para mangas...
A mesma frase serve para a vertente das reformas das pessoas....

Pergunto-me sempre....Se descontei x para esse fundo (qualquer que ele seja) da segurança social, em situação de precisar dele, porque vou acabar no fim por receber mais do que aquilo que lá coloquei???

Esta geração que fez a revolução de Abril (estamos a falar de faixas etárias entre 60 anos para cima), abriu a caixa de pandora para a geração que vem a seguir, ficando muito bem de vida à conta dos devaneios revolucionários de então para cá.
A mesma coisa se passa na panóplia de subsídios que proliferam por aí no sector do estado...

Como posso aceitar receber mais do que aquilo que lá coloquei? (mas mais não é 5%), é o decaplo ou mais do bolo....
Tanto gajo a ir ao pote que os que vem atrás vão comer com o fel....e olha que não vai haver subsídio para nada.

Já a minha mãe me dizia....põe de lado meu filho...põe de lado...

Eu sou daqueles que aconselha vivamente a meterem o guito fora de qualquer aplicação do Estado. E de preferência......e cada vez mais, num qualquer fundo desses no estrangeiro.
Não me levem a mal o meu patriotismo, mas é bem maior do que aqueles que andam pelo pote.....

Cumprimentos
Um dos efeitos do medo é perturbar os sentidos e fazer que as coisas não pareçam o que são.
Miguel Cervantes
No outro lado de cada medo está a liberdade.
Marilyn Ferguson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2886
Registado: 29/12/2005 16:34
Localização: Porto

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 25/8/2016 18:40

JohnyRobaz Escreveu:
Lá está, a ideia de que o rendimento social não é "merecido" é logo difícil para mim de aceitar. Não digo que na realidade õ seja para toda a gente, mas se vamos pensar assim acaba-se com o Estado Social.Há muita gente a receber subsídios sociais que já descontaram para a Segurança Social. Para terminar, acho que neste ponto nenhum ou quase nenhum de nós esteve algum dia numa situação tão dramática como essa de depender de subsídios do Estado para sobreviver, portanto o moral para falar fica complicado. O que eu acredito é que a regra está nas pessoas que se sentem mal por depender da caridade e do Estado para sobreviver, e se pudessem não estavam nessa situação. Se vocês acreditam no oposto, não há grande coisa a discutir.

Quanto às senhas, afinal as senhas também limitavam os produtos alimentares que podiam escolher? e as roupas também? Está aí um belo comunismo pá. :mrgreen:

k


Comunismo por querer limitar uma ajuda que me sai do bolso fruto do meu trabalho? Comunismo era senhas para todos excepto os do governo claro...

E acreditas assim no estado social, eu ate nem sou contra o meu problema é que devia pagar apenas segurança social para suportar esse esquema, mas depoi pagas IRS, TSU, IVA. É triste saber que tiram poupanças do bolso de mim e da minha familia e daqui a uns anos posso precisar e cospem-me na cara. O SNS esta-se a tornar esse tipo de cancro que consome recursos e nao faz nada por ninguem sinceramente hoje em dia é uma verdadeira. ergonha.

Ainda recentente tive uma pessima experiencia é simplesmente deploravel como tratam contribuintes que descontaram uma vida toda e agora precisam de ficar internados meia duzia de dias e sao simplesmente expulsos. Ainda bem que vou tendo para recorrer ao privado, mas sinceramente este tipo deixame agoniado de tal forma é o monstro.

Espero bem que nao passes pela mesma situaçao, so te digo uma coisa neste sistema quem mais contribui é o primeiro a lixar-se, ninguem vai ver se descontaste 100 ou 1000000 ou 0, recebes o mesmo tratamento e nao é só para ti é para os teus também que é a pior parte...
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4157
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por JoaquimDias » 25/8/2016 18:51

lfhm83 Escreveu:Comunismo por querer limitar uma ajuda que me sai do bolso fruto do meu trabalho? Comunismo era senhas para todos excepto os do governo claro...

E acreditas assim no estado social, eu ate nem sou contra o meu problema é que devia pagar apenas segurança social para suportar esse esquema, mas depoi pagas IRS, TSU, IVA. É triste saber que tiram poupanças do bolso de mim e da minha familia e daqui a uns anos posso precisar e cospem-me na cara. O SNS esta-se a tornar esse tipo de cancro que consome recursos e nao faz nada por ninguem sinceramente hoje em dia é uma verdadeira. ergonha.

Ainda recentente tive uma pessima experiencia é simplesmente deploravel como tratam contribuintes que descontaram uma vida toda e agora precisam de ficar internados meia duzia de dias e sao simplesmente expulsos. Ainda bem que vou tendo para recorrer ao privado, mas sinceramente este tipo deixame agoniado de tal forma é o monstro.

Espero bem que nao passes pela mesma situaçao, so te digo uma coisa neste sistema quem mais contribui é o primeiro a lixar-se, ninguem vai ver se descontaste 100 ou 1000000 ou 0, recebes o mesmo tratamento e nao é só para ti é para os teus também que é a pior parte...


ora nem mais. hoje o "estado social" é para ajudar a dar grandes ordenados a quem lá trabalha. Mais nada.

só quando precisamos de serviços públicos é que nos apercebemos disso.
http://www.heritage.org/index/ranking
(ranking de países mais capitalistas neo liberais VS países socialistas/comunistas/colectivistas)

Dinamarca: 12º
Portugal: 64º (e a descer...)
 
Mensagens: 323
Registado: 10/2/2009 16:30
Localização: 4

Re: Políticas para Portugal

por bogos » 25/8/2016 18:55

lfhm83 Escreveu:
JohnyRobaz Escreveu:
Lá está, a ideia de que o rendimento social não é "merecido" é logo difícil para mim de aceitar. Não digo que na realidade õ seja para toda a gente, mas se vamos pensar assim acaba-se com o Estado Social.Há muita gente a receber subsídios sociais que já descontaram para a Segurança Social. Para terminar, acho que neste ponto nenhum ou quase nenhum de nós esteve algum dia numa situação tão dramática como essa de depender de subsídios do Estado para sobreviver, portanto o moral para falar fica complicado. O que eu acredito é que a regra está nas pessoas que se sentem mal por depender da caridade e do Estado para sobreviver, e se pudessem não estavam nessa situação. Se vocês acreditam no oposto, não há grande coisa a discutir.

Quanto às senhas, afinal as senhas também limitavam os produtos alimentares que podiam escolher? e as roupas também? Está aí um belo comunismo pá. :mrgreen:


Comunismo por querer limitar uma ajuda que me sai do bolso fruto do meu trabalho? Comunismo era senhas para todos excepto os do governo claro...

E acreditas assim no estado social, eu ate nem sou contra o meu problema é que devia pagar apenas segurança social para suportar esse esquema, mas depoi pagas IRS, TSU, IVA. É triste saber que tiram poupanças do bolso de mim e da minha familia e daqui a uns anos posso precisar e cospem-me na cara. O SNS esta-se a tornar esse tipo de cancro que consome recursos e nao faz nada por ninguem sinceramente hoje em dia é uma verdadeira. ergonha.

Ainda recentente tive uma pessima experiencia é simplesmente deploravel como tratam contribuintes que descontaram uma vida toda e agora precisam de ficar internados meia duzia de dias e sao simplesmente expulsos. Ainda bem que vou tendo para recorrer ao privado, mas sinceramente este tipo deixame agoniado de tal forma é o monstro.

Espero bem que nao passes pela mesma situaçao, so te digo uma coisa neste sistema quem mais contribui é o primeiro a lixar-se, ninguem vai ver se descontaste 100 ou 1000000 ou 0, recebes o mesmo tratamento e nao é só para ti é para os teus também que é a pior parte...



Deixa-me pegar no tema...
Ninguem quer discutir, porque muitos andam bem calçados, outros porque não querem saber, outros porque são desinformados.

Sou defensor na questão da TSU da parte pessoal:
Aumento da TSU para 15%, sobre o salário bruto.

Desses 15%
- 5% vão directamente para a Segurança Social (chama-se contributo social solidário)
- 5% vão directamente para um fundo de pensões/seguro a indicar pelo contribuinte (fundo esse de gestão privada ou publica)
- 5% vão para o que me der na real gana

Quando chegar aos 65 anos.
Reforma máxima a receber pelo cidadão por parte do Estado limitada a 300 €
Fundo de pensões resgatado total ou parcialmente a partir dessa idade. (poderão existir as atuais excepções de desemprego, morte do conjuge, etc)
O restante chama-se responsabilidade individual. Um individuo consistente, pega no restante e em mais poupança e faz um pé de meia, o gajo que gosta dos copos e do casino, que se lixe e que aguente com os 300 paus.

O cidadão responsável é aquele que chega não precisa do Estado para nada, mas que o Estado não lhe venha roubar aquilo que ele andou a trabalhar.

Ai e o coitadinho do fulano tal, que ficou.....
A esquerda toma sempre esta treta como a maioria....lamentável.

Cumprimentos
Um dos efeitos do medo é perturbar os sentidos e fazer que as coisas não pareçam o que são.
Miguel Cervantes
No outro lado de cada medo está a liberdade.
Marilyn Ferguson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2886
Registado: 29/12/2005 16:34
Localização: Porto

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 25/8/2016 19:27

bogos Escreveu:
Sou defensor na questão da TSU da parte pessoal:
Aumento da TSU para 15%, sobre o salário bruto.

Desses 15%
- 5% vão directamente para a Segurança Social (chama-se contributo social solidário)
- 5% vão directamente para um fundo de pensões/seguro a indicar pelo contribuinte (fundo esse de gestão privada ou publica)
- 5% vão para o que me der na real gana



O problema é que não é, nem de perto. São 35% 11+24, os 24 invetaram paga a empresa, mas na realidade o dineiro sai do trabalhafor, se a empresa paga-se 0 no final a margem de liceo ía ser a mesma e os ordenados ajustavam para cima. Mas não vamos entregar o dinheiro ao estado que é fixe e o faz desaparecer.

Em Portugal nos ultimos vinte anos a relaçao de aumento de carga tributativa é directamente proporcional à pior qualidade de vida e a coosa só se manteve como quxilio da dívida, mas diga-se de passagem que o resto da Europa nao anda muito distante, mas sempre é um bocadinho pior.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4157
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por bogos » 25/8/2016 22:47

lfhm83 Escreveu:
bogos Escreveu:
Sou defensor na questão da TSU da parte pessoal:
Aumento da TSU para 15%, sobre o salário bruto.

Desses 15%
- 5% vão directamente para a Segurança Social (chama-se contributo social solidário)
- 5% vão directamente para um fundo de pensões/seguro a indicar pelo contribuinte (fundo esse de gestão privada ou publica)
- 5% vão para o que me der na real gana



O problema é que não é, nem de perto. São 35% 11+24, os 24 invetaram paga a empresa, mas na realidade o dineiro sai do trabalhafor, se a empresa paga-se 0 no final a margem de liceo ía ser a mesma e os ordenados ajustavam para cima. Mas não vamos entregar o dinheiro ao estado que é fixe e o faz desaparecer.

Em Portugal nos ultimos vinte anos a relaçao de aumento de carga tributativa é directamente proporcional à pior qualidade de vida e a coosa só se manteve como quxilio da dívida, mas diga-se de passagem que o resto da Europa nao anda muito distante, mas sempre é um bocadinho pior.


Eu sei bem que não são só os 11%....eu sei bem quanto pagam as empresas...
Desenvolverei com o tempo que me for possível, cada imposto e seu destino ao longo do tópico.

Vou tentar colocar a alocação da percentagem a cada sector no orçamento do Estado....

Cumprimentos
Um dos efeitos do medo é perturbar os sentidos e fazer que as coisas não pareçam o que são.
Miguel Cervantes
No outro lado de cada medo está a liberdade.
Marilyn Ferguson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2886
Registado: 29/12/2005 16:34
Localização: Porto

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 30/8/2016 14:56

“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4513
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 30/8/2016 16:02

JohnyRobaz Escreveu:https://www.theguardian.com/books/2016/apr/15/neoliberalism-ideology-problem-george-monbiot

:idea:


Neoliberalism – the ideology at the root of all our problems

È exactamente o mesmo que eu dizer: Comunism – the ideology at the root of all our problems e tenho a certeza que consigo apresentar argumentos muito melhores de que vivemos numa sociedade comunista do que numa liberal.

Jà agora as consequência da economia mais liberal do mundo sao terriveis, poem toda a gente a trabalhar bandidos:

http://www.investing.com/news/economy-news/fed%E2%80%99s-fischer-says-u.s.-%22very-close%22-to-full-employment-423099
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4157
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

AnteriorPróximo