Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, etc

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: Pata-Hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por VirtuaGod » 2/9/2013 2:44

Atomez Escreveu:
VirtuaGod Escreveu: No que diz respeito à autonomia e concordando contigo que a autonomia dos carros eléctricos dos grandes construtores são ridículas, quase como só para dizer que fizeram algo "verde" sem nunca realmente apostar na tecnologia

É muito simples, mas parece que muito boa gente não entende ou não quer entender. Sabe-se lá porquê...

Para ter maior autonomia um automóvel elétrico é muito mais caro.

Se custa 20.000 dá para 100 km, para dar para 500 km custa 100.000.

Não é tecnicamente possível, com a atual tecnologia de baterias, terem um carro com autonomia de 500 km por 20.000.

Isto é uma barreira tecnológica, não tem nada que ver com construtores nem com marcas ou modelos, a boa ou má vontade deste ou daquele.


Não discordei...Não é boa ou má vontade! Cada um faz aquilo que acha que dá lucro. É exactamente o facto de mais autonomia ser muito caro que torna estes carros ainda muito caros para ser uma aposta viável por parte das grandes construtoras. Não é um modelo propriamente viável para elas.

O que eu disse é "que a autonomia dos carros eléctricos dos grandes construtores são ridículas" que para mim é tanto facto como "Para ter maior autonomia um automóvel elétrico é muito mais caro."

As razões que acho que não apostam em modelos mais caros é como disse acima uma questão de negócio, mais nada. Não sou apologista da teoria que eles não querem que a tecnologia avance mas tb não fazem nada para que avance (uma vez que não têm incentivos para tal).
Artigos e estudos: Página repositório dos meus estudos e análises que vou fazendo. Regularmente actualizada. É costume pelo menos mais um estudo por semana. Inclui a análise e acompanhamento das carteiras 4 e 8Fundos.
Portfolio Analyser: Ferramenta para backtests de Fundos e ETFs Europeus

"We don’t need a crystal ball to be successful investors. However, investing as if you have one is almost guaranteed to lead to sub-par results." The Irrelevant Investor
 
Mensagens: 5677
Registado: 20/11/2002 21:56
Localização: Porto

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 2/9/2013 22:59

Atomez Escreveu:Não é tecnicamente possível, com a atual tecnologia de baterias, terem um carro com autonomia de 500 km por 20.000.

Para ter maior autonomia um automóvel elétrico é muito mais caro.

Isto é uma barreira tecnológica, não tem nada que ver com construtores nem com marcas ou modelos, a boa ou má vontade deste ou daquele.


Caro Atomez, não se percebe o seu comentário. Que eu saiba ninguém disse ser possível, hoje, ter muita autonomia com preço baixo. O que constatamos é que há mercado para os automóveis com autonomia razoável (+ 300 Kms) e claro, preço alto mas não há oferta dos grandes construtores. Se houvesse essas oferta os preços desceriam gradualmente podendo pensar-se que a longo prazo poderíamos ter razoáveis autonomias com preço muito mais baixo que o actual.

Já nos pontos em que refere ser "muito mais caro" e ser uma "barreira tecnológica" ainda se percebe menos; que é caro mas fazivél todos concordamos mas então não se justifica dizer que existe uma barreira tecnológica. Só aqui no tópico há mais de uma dezena de descobertas sobre avanços na tecnologia das baterias o que demonstra que tecnologia não falta. O que falta é tornar esses avanços em produtos comerciais para este tipo de mercado, o que seria muito mais facilitado se os grandes construtores quisessem a emergência do carro eléctrico. Vejam por exemplo a experiência feita em 2010 em que um Audi A2 tinha uma autonomia de 600 Kms. Porque é que essa tecnologia não singrou ?
http://www.autoportal.iol.pt/noticias/geral/audi-a2-bate-recorde-mundial-de-autonomia-para-carros-electricos
A Tesla além de demonstrar que não existe a tal barreira tecnológica, provou que existe mercado para esses automóveis eléctricos com razoável autonomia mas caros. Haja quem os queira produzir para a tecnologia "amadurecer", haver mais concorrência, baixar de preço e melhorar as suas performances.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 3/9/2013 0:57

Entretanto os automóveis eléctricos ganham cota de mercado.

Nos últimos meses já representam 3% das vendas no mercado Norueguês. Claro que este resultado só é possível devido à política de incentivos do governo mas, que por sua vez só é possível, por ter o apoio de uma sociedade evoluída e ambientalmente consciente.

Note-se que a "riqueza" da Noruega se deve às jazidas de petróleo que possui mas, que certamente já se aperceberam que não vão duram muito, e a qualidade do ar que respiram é um bem mais importante.

Ver mais em :
http://www.cars21.com/news/view/5566
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 4/9/2013 23:21

E já que estavamos a falar de notícias, mais uma importante:

Portugueses desenvolveram um sistema eólico de produção de energia eléctrica - O Omniflow - que até pode ser instalado em zonas urbanas e, é mais uma opção já disponível para recarregar os carros eléctricos. Vejam mais em:
http://omniflow.pt/pt/aplications/
e para os adeptos do facebook:
https://www.facebook.com/omniflow.pt
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por sem2006 » 5/9/2013 11:51

É muito giro, mas a legislação Portuguesa (e a Espanhola) não permitem produção de energia para consumo próprio (porque será :roll: :roll: ?) :twisted:
 
Mensagens: 348
Registado: 29/4/2009 13:31
Localização: 13

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Tridion » 5/9/2013 11:58

sem2006 Escreveu:É muito giro, mas a legislação Portuguesa (e a Espanhola) não permitem produção de energia para consumo próprio (porque será :roll: :roll: ?) :twisted:


A sério!? :shock: :shock:
_______________________________
Bons Negócios
Tridion.twitter.com
http://theknownothinginvestor.com/
 
Mensagens: 1352
Registado: 13/5/2010 17:53
Localização: Lx

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por ruicarlov » 5/9/2013 11:59

sem2006 Escreveu:É muito giro, mas a legislação Portuguesa (e a Espanhola) não permitem produção de energia para consumo próprio (porque será :roll: :roll: ?) :twisted:


Não permitem? Tem a certeza?
É que conheço pessoas que produzem energia para elas próprias. Têm uma quantidade de baterias onde acumulam eletricidade produzida por painéis fotovoltaicos e turbinas eólicas. Estando elas a trabalhar no ramo da microprodução duvido que desconheçam a legislação.
 
Mensagens: 661
Registado: 18/7/2011 11:04
Localização: Lisboa

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por sem2006 » 5/9/2013 12:42

Existe basicamente uma lacuna (creio que nas questões de certificação), deixada de 'propósito' :twisted:

Não conheço a fundo a legislação, mas a questão gerou uma pequena discussão aqui, onde os pormenores estão mais esclarecidos:

http://prius-pt.com/cafe/forums/t/4823.aspx
 
Mensagens: 348
Registado: 29/4/2009 13:31
Localização: 13

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 5/9/2013 13:06

sem2006 Escreveu:É muito giro, mas a legislação Portuguesa (e a Espanhola) não permitem produção de energia para consumo próprio (porque será :roll: :roll: ?) :twisted:

Pelo que sei isso não é verdade.
sem2006 publica aí ( se é que existe) qual a legislação que proibe a produção de energia para consumo próprio.

Segundo sei de um instalador de sistemas de energia renovável, conhece centenas de instalações que produzem para consumo próprio (empresas, particulares, lares de idosos, etc.) e, o que está tardar é a publicação da legislação que já vários países europeus adoptaram, cujo o principio é o seguinte: mandas instalar um sistema de produção de energia eléctrica (foltovoltaico, eólico, etc.) que injecta na rede. Existe um contador bidirecional que mede a energia que vem da rede e a que injectas na rede e ao fim do mês pagas o diferencial (ou recebes). A instalação tem de ser inspeccionada, como já são as actuais de microgeração.

Pelas minhas contas o sistema da Omniflow ( produz 4500 KW/ano ) pode produzir o suficiente para carregar completamente a bateria de um Tesla S (85 KW) aproximadamente todas as semanas (4500 KW / 85 = 52 vezes ). Ou seja fazer mais de 22 000 Kms por ano só com energia de produção própria! Ver mais em:
http://www.teslamotors.com/models
http://omniflow.pt/
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por MarcoAntonio » 5/9/2013 14:02

Sem grande tempo para debates e prolongados esclarecimentos pois estou de férias, esses valores são completamente irrealistas. Os números anunciados (até xis) não são os obtidos na prática nem pouco mais ou menos mas valores teóricos em condições idealizadas. Poderá eventualmente verificar-se pontualmente se as condições forem muitíssimo favoráveis mas não representa o cenário médio, podendo os valores ficarem muito aquém daqueles.

Note-se que o valor apontado por exemplo para a produção de 2Kw diz respeito à velocidades de 14m/s. Isso é uma velocidade muito alta em comparação com a média, que anda no território português, na ordem dos 3 a 6m/s (varia de local para local e varia conforme a época do ano). As turbinas necessitam ainda de dadas velocidades mínimas e de uma velocidade de vento sustentável, parte do tempo nem estão operacionais ou não produzem nada de relevante (a curva de rendimento faz com que a produção não seja linear - directamente proporcional - com a velocidade do vento).

Note-se ainda que para o sistema ser independente e para a potência gerada poder ser utilizada no momento em que é necessária, seria necessário um sistema de armazenamento (baterias). Assim, o sistema estaria durante semanas (eventualmente meses) a carregar baterias para depois, a dado momento, então carregar a bateria do veículo.

Um sistema eólico (sem baterias!) necessita de muitos anos para recuperar o investimento (estamos a falar de 10 anos para cima, é escusado falar de valores concretos porque varia bastante, com a localização da casa e etc). Com baterias jamais era recuperado (o equipamento teria um tempo de vida útil que se esgotava antes de ter produzido energia eléctrica para cobrir a despesa).


Existe naturalmente a alternativa de um sistema não independente (ligado à rede) vendendo energia à rede quando se produz mais do que o necessário e gastando/comprando energia à rede quando necessário. É o que se faz na prática, mas a rentabilização futura de um sistema nestas condições é cada vez mais incerto com as alterações da legislação e dos apoios com dinheiro público - leia-se, o dinheiro dos (outros) contribuintes - que vão sendo progressivamente cortados.
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 32718
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por sem2006 » 5/9/2013 14:19

Al_Trader Escreveu:
sem2006 Escreveu:É muito giro, mas a legislação Portuguesa (e a Espanhola) não permitem produção de energia para consumo próprio (porque será :roll: :roll: ?) :twisted:

Pelo que sei isso não é verdade.


Se é verdade ou não, não sei...estou apenas a fazer de mensageiro. Mas tendo em conta que no link que apontei, nesse fórum o user João Prates é o fundador/dono de uma empresa de instalação de sistemas de energias renováveis para auto-consumo, suponho que ele saiba do que está a falar :wink:
 
Mensagens: 348
Registado: 29/4/2009 13:31
Localização: 13

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por MarcoAntonio » 5/9/2013 14:27

Deverá estar a referir-se à legislação actual não permitir instalações que estejam independentes da rede. Mas como expliquei acima, também não tem (no estágio actual) interesse prático. Infelizmente o vento não sopra às horas e com a intensidade que precisamos, quando precisamos. Um sistema independente necessita de um sistema de armazenamento integrado no sistema (baterias).
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 32718
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 5/9/2013 16:29

Sendo certo que usei os valores de produção mâximos que o site do Omniflow divulga 4500 KW/ano, também é certo que apareceu logo o Marco a considerar
MarcoAntonio Escreveu:esses valores são completamente irrealistas
e apresentando uma serie de razões para desacreditar o Omniflow que diga-se foi desenvolvido na FEUP + INEGI e como tal tinhamos de ser logo nós "tugas" a "deitar abaixo". Eu pelo menos não vou por aí e noto que o Marco faz afirmações muito injustas que desvalorizam o sistema;
MarcoAntonio Escreveu: 14m/s. Isso é uma velocidade muito alta em comparação com a média, que anda no território português, na ordem dos 3 a 6m/s
como se a população estivesse igualmente distribuida pelo território e não houvesse muita gente em zonas ventosas, beira-mar por exemplo onde a densidade habitacional até é maior.
MarcoAntonio Escreveu: As turbinas necessitam ainda de dadas velocidades mínimas e de uma velocidade de vento sustentável
É um referencia genérica aos sistemas eólicos. Exactamente este sistema tem a vantagem de precisar de velocidades de vento baixas (3m/s) e não precisarem de serem estáveis.
MarcoAntonio Escreveu:Assim, o sistema estaria durante semanas (eventualmente meses) a carregar baterias
Assim dito sem referir a dimensão das baterias é mesmo só para dizer mal. Até o sistema pode não usar baterias e a energia ser aproveitada por outros aparelhos de casa - frigorífico por exemplo - o que faz com que se pague menos no final do mês.
MarcoAntonio Escreveu:Um sistema eólico (sem baterias!) necessita de muitos anos para recuperar o investimento (estamos a falar de 10 anos para cima
Mais no mesmo tom. Sem saber o preço da instalação do Omniflow e a evolução do preço por KW/h da energia durante todo o tempo de vida do sistema, acho completamente injusto o que tu afirmas e, nem referes que o tempo de vida do omniflow está estimado em 25 anos.

Assim Marco o tom das tuas intervenções neste tópico tem sido sistematicamente:
Renováveis, nem pensem nisso, pois são caras e difíceis de amortizar.
Parece que tens algo contra a emergência das renováveis.

E até parece que cada um de nós não é livre de usar o seu próprio dinheiro para produzir energia, ambientalmente mais amigável apesar de mais cara.

Marco aproveita as férias e deixa de implicar com as renováveis.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por MarcoAntonio » 5/9/2013 20:00

As velocidades de vento médias são genéricas, as habituais nas zonas altamente povoadas, nomeadamente as zonas urbanas do litoral (que estão na sua esmagadora maioria, a baixa altitude). Não é por acaso que os parques eólicos se encontram normalmente nos altos das serras. E há aí um equívoco da tua parte por julgar que as zonas do litoral densamente habitadas - que se situam na sua generalidade a baixa altitude na verdade - são particularmente interessantes.

Podes, se pesquisares, encontrar algumas tabelas para a distribuição das velocidades médias dos ventos pelo território nacional. Eu já o fiz antes por interesse próprio e por interesse de um familiar próximo também, por sinal.



Infelizmente, as renováveis são na generalidade caras e de difícil rentabilização (ajudas estatais à parte, que são situação de circunstância ou conjuntura, não são razões de ordem estrutural... e só isso dava para uma discussão inteira). Não é nenhum facto criado e inventado por mim.

O que faço é considerações práticas perante os factos e evidências disponíveis. Se estiveres interessado em analisar seriamente o tema, encontrarás também com facilidade diversas fontes com os custos da energia por kwh segundo diversas e diferentes fontes e em diferentes pontos do globo.

Progressivamente têm vindo a tornar-se mais interessantes e mais praticáveis e nisso vejo essencialmente algo de bom, uma vez que com elas trazem inúmeras vantagens. O aspecto económico em toda a sua dimensão não pode ser contudo descartado em momento algum, contudo.




PS: Eu não escrevi nenhum post a desacreditar a omniflow ou outra qualquer empresa nem nada que se pareça.
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 32718
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 6/9/2013 11:00

Viva Marco,

As referências que fazes em relação " à qualidade" dos ventos aplicam-se para a tecnologia eólica de eixo horizontal (os aerogeradores que vemos instalados nos cimos das montanhas, também estão lá por questões ambientais). A tecnologia de eixo vertical, em que o Omniflow é também inovadora, é muito mais recente e tem como grande vantagem poder lidar bem com ventos instáveis muito mais frequente a baixas altitudes e como eu dizia abundantes na costa portuguesa densamente habitada - já há vários Omniflows montados em cidades costeira - Gaia e Povoa de Varzim por exemplo, e pode tratar-se de uma boa solução para uso doméstico. Por isso não há qualquer equívoco da minha parte mas sim teu quando usas os teus conhecimentos da tecnologia eólica mais tradicional e os aplicas ao caso concreto do Omniflow. Podes ver mais aqui: http://omniflow.pt/technology/

Em relação aos custos das renováveis, concordamos que são mais caras que as tecnologias convencionais baseadas na queima dos combustíveis fósseis mas, que sabemos serem insustentáveis e, por isso a procura de soluções tecnológicas alternativas é um objectivo com muito mérito, sendo preciso dar-lhes oportunidades de serem lançadas no mercado, de serem conhecidas mundialmente (gerando outras ideias) de serem testadas e desenvolvidas e isso custa dinheiro, como custou às tecnologias actuais.

Assim a abordagem puramente económica é errada pois, todos os dias vemos muita gente a fazer "corridas de semáforos" para fazer algumas centenas de metros, em que gastaram o triplo da energia do que seria necessário, mas fazem-no pois têm outras motivações para além da puramente económica e, é essa abordagem que não deve ser cerceada na emêrgencia das renováveis pois cada vez mais, há pessoas que não querem estar a viver e a circular e deixar atrás de si um rasto de poluição que são um mercado interessante e que cada vez mais tem expressão economica, como o sucesso do Tesla S está a demonstrar.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 25/9/2013 16:51

China - o maior mercado do mundo - aposta forte nos automóveis eléctricos aumentando o subsídio para 60 000 Yuan ( cerca de $9,800) por cada veículo. Os automóveis híbridos não recebem esse subsídio. http://www.greencarreports.com/news/1087061_china-adds-more-electric-car-subsidies-still-ignores-hybrids

Os chineses já perceberam que os combustíveis fosseis não são futuro para eles e, estão a financiar o desenvolvimento da tecnologia de mobilidade eléctrica. É pena não termos "pernas" para fazer o mesmo caminho, pois esta é uma altura boa para entrar na industria automóvel e quem sabe criar uma marca nova.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Opcard33 » 25/9/2013 20:31

Afinal ,mais um caminho sem saída ? Os carros eléctricos tem mais custos ambientais .

"O curto-circuito dos carros eléctricos
Bjørn Lomborg


As transgressões ambientais do carro eléctrico são ainda piores na China, onde a maioria da electricidade é produzida a partir do carvão. Um carro eléctrico alimentado por essa electricidade emitirá mais 21% de CO2 do que um automóvel movido a gasolina.
Durante décadas, a ideia de um carro eléctrico tem capturado a imaginação dos inovadores – incluindo Henry Ford e Thomas Edison há mais de um século.

Celebridades, especialistas e líderes políticos têm projectado estes veículos como a apoteose de um futuro responsável perante o meio ambiente. A chanceler alemã Angela Merkel proclamou que haverá um milhão de carros eléctricos na Autobahn [auto-estradas alemãs] em 2020. O presidente norte-americano Barack Obama também prometeu um milhão de veículos eléctricos nos EUA – mas cinco anos mais cedo.

Com efeito, um dia o carro eléctrico será um grande produto, mas não agora. Ainda é bastante caro, é desconfortável e os seus benefícios ambientais são negligenciáveis (e, nalguns casos, são mesmo inexistentes).

Muitos países desenvolvidos atribuem subsídios generosos aos veículos eléctricos: esses apoios podem ir até aos 7.500 dólares nos EUA, aos 8.500 dólares no Canadá, aos 9.000 euros (11.700 dólares) na Bélgica e aos 6.000 euros na empobrecida Espanha. A Dinamarca é o país que atribui as subvenções mais generosas, isentando os carros eléctricos do imposto de registo de 180% que é cobrado a todos os outros veículos no país. No caso do carro eléctrico mais popular do mundo, o Nissan Leaf, esta isenção equivale a 63.000 euros.

E, no entanto, tudo isto é claramente insuficiente. Na Dinamarca existem apenas 1.224 carros eléctricos. Na Alemanha, as vendas de automóveis totalizaram 3,2 milhões em 2011, mas apenas 2.154 eram eléctricos.

Estes números obrigaram Obama e Merkel a ajustarem as suas projecções à realidade. O Departamento norte-americano da Energia prevê agora apenas cerca de 250.000 carros eléctricos em 2015, o que corresponde a 0,1% de todos os automóveis que circulam nas estradas dos Estados Unidos. Merkel, por seu lado, admitiu recentemente que a Alemanha não chegará nem perto do milhão de carros eléctricos em 2020.

Não é de surpreender. Segundo um analista do Gabinete do Orçamento do Congresso norte-americano, o custo de manutenção de um típico carro eléctrico ao longo da sua vida é cerca de 12.000 dólares superior ao de um automóvel a gasolina. Investigações recentes indicam que os carros eléctricos só conseguirão competir em preço com os carros híbridos em 2016 e com os carros convencionais em 2032, depois de os governos terem gasto entre 100 e 150 mil milhões de euros em subsídios.

À parte os custos e subsídios, os carros eléctricos não têm dado mostras de grande conveniência. Um jornalista da BBC conduziu 778 quilómetros, de Londres a Edimburgo, num Mini eléctrico, e teve de parar oito vezes para o recarregar – chegando a esperar seis horas ou mais no processo. No total, gastou 80 horas entre esperas e condução, o que deu uma média de 10 quilómetros por hora – um ritmo nada desejável, mesmo antes do aparecimento da máquina a vapor.

Os carros eléctricos também não são totalmente satisfatórios em termos ambientais. São muitas vezes vendidos como sendo veículos de "emissões zero", mas isso só é verdade quando estão em movimento.

Para começar, o processo de fabrico dos carros eléctricos – especialmente as suas baterias – requer uma enorme quantidade de energia, a maior parte da qual é gerada a partir de combustíveis fósseis. Uma análise ao ciclo de vida mostra que praticamente metade de todas as emissões de CO2 de um carro eléctrico provém do seu fabrico, que corresponde a mais do dobro das emissões durante o fabrico de um automóvel com motor a gasolina.

Além disso, a electricidade necessária para carregar um carro eléctrico é em grande medida produzida a partir de combustíveis fósseis. Sim, é verdade que depois emite cerca de metade do CO2 emitido por um veículo convencional por cada quilómetro conduzido (usando electricidade europeia), mas atendendo às suas elevadas emissões de dióxido de carbono durante o fabrico, é preciso que ande muito na estrada para equilibrar.

Os defensores do carro eléctrico argumentam orgulhosamente que se um carro eléctrico andar cerca de 300.000 quilómetros, terá emitido menos de metade do CO2 emitido por um carro a gasolina. Mas a sua bateria teria de ser substituída muito antes de atingir essa meta, o que implicaria muitas mais toneladas de emissões de dióxido de carbono.

Com efeito, essas distâncias parecem pouco plausíveis, atendendo ao fraco alcance dos carros eléctricos: o Nissan Leaf, por exemplo, só consegue fazer 117 quilómetros com um carregamento. É por isso que a maioria das pessoas compra um carro eléctrico como segundo veículo, para distâncias curtas. Se o carro fizer menos de 50.000 quilómetros com electricidade europeia, no total terá emitido mais CO2 do que um automóvel convencional.

Mesmo que percorra muitos mais quilómetros, digamos 150.000 quilómetros, as emissões de CO2 de um carro eléctrico corresponderão a apenas menos 28% das emissões de um veículo a gasolina. Durante o tempo de vida do carro, isto evitará a emissão de 11 toneladas de emissões de CO2, o que corresponde a cerca de 44 euros de danos para o meio ambiente.

Atendendo à dimensão de subsídios existentes, este é um fraco resultado. A título de exemplo, no caso das subvenções atribuídas pela Dinamarca, o país vai pagar cerca de 6.000 euros para reduzir as emissões de CO2 em apenas uma tonelada. Adquirir um volume idêntico no Sistema Europeu de Comercialização de Emissões custaria cerca de cinco euros. Pelo mesmo dinheiro, a Dinamarca poderia reduzir as emissões de CO2 em mais de mil vezes.

Pior ainda: na realidade, os carros eléctricos comprados na União Europeia aumentarão as emissões globais de CO2. Uma vez que a UE estabeleceu uma meta de emissão para 2020, tentará compensar as emissões onde conseguir (talvez com mais energia eólica), independentemente do tipo de automóvel adquirido: 38,75 toneladas de CO2 num carro a gasolina e 16 toneladas na electricidade gerada para produzir um carro eléctrico. No entanto, ao passo que o nível de emissões da União Europeia ficará igual, a maior parte das baterias eléctricas provêm da Ásia, pelo que não conseguirá compensar as 11,5 toneladas adicionais de emissões.

As transgressões ambientais do carro eléctrico são ainda piores na China, onde a maioria da electricidade é produzida a partir do carvão. Um carro eléctrico alimentado por essa electricidade emitirá mais 21% de CO2 do que um automóvel movido a gasolina. E um estudo recente mostra que, uma vez que as centrais eléctricas a carvão da China são tão "sujas", os carros eléctricos deterioraram a atmosfera local. Em Xangai, a poluição atmosférica de mais um milhão de carros a gasolina mataria nove pessoas por ano. Mas mais um milhão de carros eléctricos mataria 26 pessoas por ano, devido ao aumento da poluição do uso do carvão.

O mantra do carro eléctrico desvia a atenção daquilo que realmente importa: a transição economicamente eficaz dos combustíveis fósseis para uma energia verde mais barata, algo que requer investigação e inovação. Os carros eléctricos podem ser um grande avanço nesse sentido dentro de duas décadas. Mas os generosos subsídios actualmente atribuídos só tornam possível o desenvolvimento de tecnologia onerosa, incómoda e na maioria das vezes ineficaz em termos ambientais.

© Project Syndicate, 2013.

http://www.project-syndicate.org

Tradução: Carla Pedro
 
Mensagens: 731
Registado: 9/9/2013 15:13

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por sem2006 » 25/9/2013 22:51

Mais um artigo da treta, sem nenhum fundamento, que esquece todos os custos ambientais associados à refinação de combustíveis :wall:
 
Mensagens: 348
Registado: 29/4/2009 13:31
Localização: 13

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 25/9/2013 23:24

Esse artigo já está um pouco desactualizado ( é de Abril e cita outros de 2012 e 2011) e na altura ainda não se percebia o sucesso da Tesla a produzir o seu modelo Tesla S (http://www.teslamotors.com/models. O artigo reflecte uma opinião que é contestada por muitas outras e muitos estudos a dizerem o contrário ( por exemplo este http://www.environment.ucla.edu/media_IOE/files/BatteryElectricVehicleLCA2012-rh-ptd.pdf), mas é fácil perceber que há muitos aspectos que são difíceis de ponderar e afectam as conclusões obtidas:
- qual é a energia consumida para produzir um automóvel eléctrico (EV) e um de combustão (CV) ?
- qual a energia consumida ao longo da vida útil de um automóvel EV e CV ?
- é melhor emitir a poluição espalhada por onde passam os CVs ou concentrada nos locais onde estão as centrais eléctricas

Estas perguntas são de muito difícil resposta pois a tecnologia dos EV ainda não está madura o suficiente ( por exemplo os sistemas de produção das baterias variam muito de marca para marca) para ser completamente e correctamente comparada com a dos CVs que têm praticamente 100 anos de desenvolvimento.

Os subsídios que estão a ser atribuidos agora por vários estados, só tentam anular parte da decalagem na diferença de desenvolvimento das duas tecnologias mas, não tenham dúvidas que a tecnologia dos CV já obsorveu muitos mais recursos públicos. Só nos últimos anos as grandes construtoras (GM, Ford, Chrysler) receberam vários milhares de milhões de USD (dinheiros públicos) para se manterem a funcionar. Na europa (na França por ex.) também há empresas nessa situação.

Agora, os estados que estão a subsidiar a emergência dos EVs (no artigo não fala da Noruega e China) não estão a pensar no futuro e se o seu dinheiro vai trazer retorno? Claro que sim sob várias formas e a mais importante na qualidade do ar que respiram.
Talvez não estejam é a pensar no futuro dos CVs e isso incomoda muita gente.

Edit: Esse artigo é de um tal "Bjorn Lomborg" que já tem nome de não ser muito correcto nos seus artigos. Vejam aqui por exemplo:
http://mediamatters.org/blog/2013/03/13/experts-respond-to-distortions-of-electric-cars/193040
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por mjsreis » 27/9/2013 16:35

Já há pelo menos um Model S encomendado em Portugal, e logo o Model S Performance:

http://www.nissanleafpt.com/viewtopic.php?f=53&t=2661&start=50#p17089
 
Mensagens: 34
Registado: 9/11/2011 11:59
Localização: Trofa

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 27/9/2013 20:11

É natural os Portugueses gostam do melhor e o Tesla S Performance é um desses http://www.teslamotors.com/models/features#/safety.

O que vem para cá é este:
Imagem
É um dos melhores automóveis que se podem comprar na sua gama de preços e com uma grande vantagem não polui o ar por onde passa.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 3/10/2013 14:00

Esta é uma novidade importante na evolução da industria automóvel:

O modelo Tesla S foi o mais vendido em Setembro na Noruega. Não foi um de combustão interna nem hibrido mas sim um 100% eléctrico.
http://www.greencarreports.com/news/108 ... -september
Isto só prova que não é por ser caro que não se vende - apesar do incentivo dado pelo governo - o Tesla S continua a custar mais de 60 000€.
A ver se as marcas convencionais deixam de nos querer vender os seus carros "fumarentos", e investem como deve ser na tecnologia das baterias como fez a Tesla. Claro que "nós" também temos de fazer as nossas escolhas.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Elias » 3/10/2013 14:51

Al-Trader,

A notícia é sem dúvida interessante, mas assim que li o início do texto fiquei logo a pensar "como será que isto funciona na Noruega em matéria de imposto?"

A resposta está mais adiante, e cito:

Norway has been called the friendliest place for electric vehicles in the world, due to aggressive incentives and tax policies to promote the use of plug-in cars.

Esta frase tem um link para uma outra notícia intitulada How Much Is Norway Paying To Promote Electric Cars? e que desenvolve o tema dos impostos. Destaco isto:

The country's various subsidies for electric vehicles amount to as much as $8,200 per car--every single year.

That's partly down to Norway's heavy taxation, which sees the prices of regular cars pushed significantly higher than they are elsewhere. A basic Volkswagen Golf, that costs the equivalent of $24,600 in the United Kingdom, can cost $42,000 in Norway.

While a Nissan Leaf is still cheaper in the UK than it is in Norway, at $35,500, in comparison to that same VW Golf, the price looks much more attractive--$42,500.

Ou seja, na Noruega um Nissan Leaf custa o mesmo que um VW Golf, ao passo que no UK o mesmo Nissan Leaf custa mais 11 mil dólares que o Golf.
Portanto, aquilo que escreves "não é por ser caro que não se vende" deve ser analisado tendo em conta a realidade fiscal de cada país.
Sem querer generalizar em demasia, a sensação com que fico a partir dos números apresentados nas duas notícias é esta: para o mesmo nível de preço, muitos compradores parecem preferir um carro verde. Mas não estão dispostos a dar mais 11 mil dólares para ter esse carro.
 
Mensagens: 35428
Registado: 5/11/2002 12:21
Localização: Barlavento

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por atomez » 3/10/2013 15:22

Al_Trader Escreveu:A ver se as marcas convencionais deixam de nos querer vender os seus carros "fumarentos", e investem como deve ser na tecnologia das baterias como fez a Tesla. Claro que "nós" também temos de fazer as nossas escolhas.

Tens toda a razão. Concordo inteiramente com isso.

Mas... como não sou norueguês, tens aí 100 mil euros que me "emprestes"? Vou já comprar um Tesla S.
As pessoas são tão ingénuas e tão agarradas aos seus interesses imediatos que um vigarista hábil consegue sempre que um grande número delas se deixe enganar.
Niccolò Machiavelli
http://www.facebook.com/atomez
 
Mensagens: 5852
Registado: 4/11/2002 22:48
Localização: Entre Marte e Vénus

Re: Carros eléctricos - debate sobre tecnologia, economia, e

por Al_Trader » 3/10/2013 19:26

Atomez Escreveu:Mas... como não sou norueguês, tens aí 100 mil euros que me "emprestes"? Vou já comprar um Tesla S.

Não é preciso ser norueguês, já vem para Portugal um em Janeiro 2014.
Infelizmente estou como tu, queria mas não posso, mas sei que antes de eu poder comprar, outros com mais capacidade económica tem de comprar, para a tecnologia se desenvolver e embaratecer e isso a Tesla está a fazer - disponibilizar no mercado um automóvel eléctrico que é um grande carro.

A maioria de nós, por enquanto, temos de ir queimando para conseguir andar de carro.
Devagar se vai ao longe
 
Mensagens: 111
Registado: 9/11/2007 9:42
Localização: 20

AnteriorPróximo

Quem está ligado:
Utilizadores a ver este Fórum: artista_, Bing [Bot], Gaio Azul, LISBOA_CASINO, luisribas, Mr_Trump, MSN [Bot], pattern e 21 visitantes
cron