Outros sites Cofina
Caldeirão da Bolsa

Biden - Progressismo na América

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: Pata-Hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 23/10/2021 10:03

La carrera por los misiles hipersónicos agita el equilibrio estratégico global

China y Rusia avanzan en una tecnología inquietante que altera los esquemas defensivos y evidencia la decadente arquitectura de tratados de control de armas


“Observa con cuidado, esconde nuestra capacidad, espera nuestro tiempo”, rezaba la síntesis de la doctrina estratégica de Deng Xiaoping. Tres décadas después de su salida del poder, China ya no espera. Ya no esconde. Se hace observar. Las informaciones afloradas acerca del posible lanzamiento de un misil hipersónico con capacidad nuclear y apto para dar la vuelta a la tierra antes de golpear su objetivo han desatado una ola global de inquietud e interés por comprender el alcance real de las capacidades chinas, y más en general el estado de la competición entre potencias en este desestabilizante sector armamentístico.

El diario Financial Times informó el fin de semana pasado del presunto lanzamiento, que se habría producido en el verano, de un tipo de arma que rompe los esquemas canónicos gracias a una combinación de velocidad, maniobrabilidad y trayectoria que complica enormemente la detección e intercepción. El nivel hipersónico alcanza una velocidad de al menos cinco veces la del sonido, más de 6.000 kilómetros por hora. Pekín lo desmiente, afirmando que se trató de una prueba espacial ordinaria. Washington no se pronuncia de forma explícita, pero ha manifestado inquietud. El propio presidente Biden respondió afirmativamente a la pregunta de si estaba preocupado por la cuestión. Posteriormente, el FT amplió su información señalando que se produjeron dos pruebas de este tipo de armamento a lo largo del verano.

Se trata del último desarrollo de una serie de llamativos movimientos en el campo de las armas hipersónicas. En julio, Rusia afirmó haber lanzado exitosamente desde un buque de guerra el misil Zircon, también hipersónico, aunque de mucho menor alcance. En septiembre, el Pentágono anunció haber testado otro, elaborado por las empresas Raytheon Technologies y Northrop Grumman. Un par de días después, hasta Corea del Norte sostuvo haber lanzado uno. A principios de octubre, Moscú hizo dos ensayos con el Zircon, pero lanzado desde submarinos. ¿Cuál es la lógica de estos desarrollos? ¿En qué estado se halla la competición de potencias? En ambos casos resulta aventurado ofrecer respuestas tajantes, pero sí es posible apuntar perspectivas.

Dos expertos consultados por este diario coinciden en que la acción de Pekín tiene un fuerte significado como mensaje militar y político a Washington. La lógica militar de fondo es que el control de esta tecnología puede difuminar la gran ventaja competitiva que Estados Unidos tiene sobre su adversarios en materia de defensa antimisiles. La cuestión no es tanto el status quo, sino la dinámica.

“Chinos y rusos no están preocupados por las capacidades de defensa antimisiles actuales de Estados Unidos, sino por las próximas fases”, comenta Justin Bronk, investigador del Royal United Services Institute británico. “Con esta tecnología intentan enviar un mensaje de alguna manera disuasorio a EE UU. Intentan decirles: ‘es inútil que sigáis por esa senda, que desarrolléis una nueva generación de defensa antimisiles balísticos, porque nosotros hemos abierto otro camino’”, prosigue. En la actualidad, Washington dispone de una clara ventaja defensiva, pero no suficiente para neutralizar un eventual ataque múltiple contemporáneo. Sin embargo, la mirada de perspectiva resulta inquietante para Moscú y Pekín, que tienen por tanto interés en alterar esa dinámica.

“No sabemos exactamente qué ha ocurrido, no hay fuentes abiertas fiables para juzgar. Pero lo que podemos decir es que China está intentando mostrar. Es una señal política hacia EE UU”, señala Petr Topychkanov, investigador del programa sobre Desarme, Control de Armas y No Proliferación del Instituto Internacional de Investigaciones para la Paz de Estocolmo. “El tiempo en que China podía ser considerada militarmente como una pequeña Rusia se ha acabado: Pekín quiere ser considerado como un actor estratégico a la par”.

Únete ahora a EL PAÍS para seguir toda la actualidad y leer sin límites
SUSCRÍBETE AQUÍ
Este es el contenido político, en un momento marcado por fuertes tensiones entre el gigante asiático y la superpotencia americana, con Taiwán como punto de fricción central. En un giro sumamente llamativo, el presidente Biden rompió el jueves la tradicional política de ambigüedad de EE UU con respecto a Taiwán –por la que no dice explícitamente si la defendería en caso de conflicto con China- y afirmó que se activaría en defensa de la isla en caso de ataque de Pekín. La Casa Blanca posteriormente precisó que las palabras del líder no suponían un cambio de la posición de fondo de EE UU, aunque la frase fue cristalina.

Los expertos debaten hasta qué punto la tecnología hipersónica puede convertirse en un desequilibrio. Misiles de estas características se han perseguido desde hace tiempo. Y los balísticos tradicionales también son hipersónicos en su fase de regreso. Pero su trayectoria previsible y escasa maniobrabilidad –las nuevas generaciones cuentan con una capacidad para ello en su fase final, pero muy reducida- los convierte en más fácilmente detectables e interceptables. La nueva generación de misiles representa un cambio en este sentido. Pero Topychkanov, como muchos otros expertos, tiene dudas de que sea un factor profundamente desestabilizador. “No está claro a estas alturas que esta tecnología sea un elemento de revolución del tablero. Es difícil competir con la eficacia y los precios de los misiles balísticos”, dice.

La radiografía del equilibrio entre potencias en este apartado, por su parte, resulta complicada por la escasa transparencia. China ya no se esconde, pero esto no es sinónimo de transparencia. Bronk señala que la nueva capacidad china “aportaría el plus de poder proceder desde el hemisferio sur”, cuando las defensas estadounidenses están todas preparadas para el norte. Rusia, que desde hace años es muy explícita –empezando por el propio presidente Putin- en su determinación de perseguir esta clase de armamento trabaja en las dos alternativas centrales: misiles hipersónicos de propulsión y planeo (que reciben el impulso inicial de un misil balístico, del que posteriormente se desgaja un vehículo planeador armado) y de crucero (que no utilizan un impulso balístico inicial). Ambas potencias trabajan en la línea de poder armarlos con cabeza nuclear. China, según las últimas noticias, maneja una capacidad de alcance mayor, aunque según el FT el misil cayó a más de 20 millas náuticas de su objetivo. Tanto Bronk como Topychkanov estiman que se trata de una tecnología todavía inmadura.

Estados Unidos, por su parte, está incrementando la inversión en el sector. “Hasta ahora, no parecen haber estado enormemente inquietos por esta cuestión”, dice Bronk. Habrá que ver hasta qué punto los hechos del verano cambian esta actitud. A diferencia de Moscú y Pekín, Washington no ha experimentado en la dirección de misiles armados con cabezas nucleares, sino convencionales. El pulso viene marcado por las coordenadas tradicionales: Rusia tiene experiencia; China tiene recursos; Estados Unidos, ambos. Puede que en este caso Washington no tenga una posición de ventaja como ocurre en prácticamente todos los ámbitos; pero tiene condiciones para acelerar el paso.

Otros actores persiguen la misma senda. Francia y el Reino Unido impulsan desde hace años un misil de esta clase —el FC/ASW— que desarrolla la empresa MBDA y que, según Londres, podría estar operativo en 2028. En el caso de Corea del Norte, tras el ensayo de septiembre las Fuerzas Armadas de Corea del Sur apuntaron que, a su juicio, se trataba de un arma en estado de desarrollo muy primario, lejana de una real capacidad operativa.

En un entorno de escasa transparencia, algunas cosas quedan en evidencia. Por un lado, la importancia de los marcos de control de armas. Los pactos bilaterales entre EEUU y Rusia han tenido un papel muy importante desde la Guerra Fría. Pero se han ido debilitando a lo largo de lo que va de siglo y, sobre todo, dejan manos libres a China. Por otra parte, queda clara la creciente determinación de Pekín, una actitud asertiva que ya no esconde. El desfile militar por el 70º aniversario del poder comunista, en 2019, fue emblemático de ese cambio, con una gran exhibición de armamento, incluido un modelo hipersónico de propulsión y planeo, los DF-17. Xi Jinping debe pensar que ha llegado el tiempo del que hablaba Deng Xiaoping.
Anexos
booom.JPG
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 24/11/2021 10:12

Los expertos critican la estrategia de Biden en petróleo: “Es peligroso”

Investing.com - Los expertos comentan el drástico giro al alza que ha dado el crudo desde ayer, tras anunciar EE.UU. que había llegado a un acuerdo con algunos países consumidores de crudo, entre ellos China, India, Corea del Sur y Japón, para liberar parte de sus reservas estratégicas de petróleo (SPR en sus siglas en inglés).

“Aunque el objetivo era intentar de este modo aumentar la oferta de crudo en el mercado y bajar el precio de esta materia prima, como se suele decir, ‘el tiro les salió por la culata’, i) bien porque la medida ya estaba descontada por los inversores; ii) bien porque se esperaba una actuación más contundente o iii) bien porque el potencial impacto de la medida será temporal: pan para hoy y hambre para mañana”, sentencian en Link Securities.

De la misma opinión es Ben Laidler, estratega de mercados globales de eToro: “Las principales economías en general tienen 1.500 millones de barriles de petróleo, o 15 días de demanda. El riesgo es que la liberación de las reservas de petróleo sea contraproducente y provoque un aumento de los precios. Esto puede verse como una medida a corto plazo y desesperada, con poco seguimiento dado que los SPR relativamente pequeños y su uso es para emergencias reales”.

“Además, existe la posibilidad de que el cártel de la OPEP+ tome represalias y reduzca en la reunión que mantendrán sus socios en diciembre el ritmo al que están incrementando sus producciones -en sólo dos meses sin aumentar las mismas compensarían el impacto de la liberación de las reservas estratégicas de los países mencionados-”, añaden en Link Securities.

Laidler recuerda 3 ventas mundiales de petróleo en periodos anteriores: En 1991 (guerra del Golfo), 2005 (huracán Katrina) y 2011 (interrupción de Libia). “La más grande fue de 60 millones de barriles, muy por debajo de la demanda mundial de un día. Estados Unidos se ha movido solo 12 veces, la mayor fue de 10 millones de barriles de petróleo. China, el mayor importador del mundo, vendió 7 millones de barriles por primera vez en septiembre”, apunta el analista de eToro.

“Vender es peligroso. Los SPR son pequeños, las ventas han sido ineficaces y la OPEP tiene poco espacio para bombear más (y puede que bombee menos para compensar las ventas del SPR). La demanda se está recuperando y la nueva inversión en petróleo supone un pequeño fragmento de los niveles históricos, en parte debido a la transición del carbono”, advierte Laidler.

En opinión de Link Securities, “lo que debería hacer el presidente Biden es fomentar la producción de los frackers estadounidenses en lugar de ponerles trabas, como ha venido haciendo desde que tomó posesión de su cargo. Poner ‘puertas al campo’ es muy complicado, y no parece que, en el caso del crudo, en el que actualmente el control lo han recuperado los productores de la OPEP+, se pueda intervenir en el mercado si no es aumentando las producciones propias”, concluyen.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 15/12/2021 11:28

Biden pior do que Trump. :roll:
Anexos
biden.PNG
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 15/12/2021 11:38

Tinha lido num artigo mas no https://projects.fivethirtyeight.com/bi ... al-rating/ parece que nao.

Mesmo assim os numeros sao avassaladores atendendo que esta perto do pleno emprego e que tem tido todo o apoio do mundo pela FED, media e todas as naçoes do mundo.
Anexos
biden.PNG
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22


Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 30/12/2021 0:05

Guerras por Zoom :mrgreen:

Ukraine tensions: Biden and Putin phone call seeks 'diplomatic path'

Yes I will be very diplomatic. I will invade Ukraine I will finance Russian interests in the region by selling gas to EU. That is the deal Mr. Biden. You will eat it with potatoes.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 9/1/2022 2:20

Russia reacts furiously to Blinken jibe over troops in Kazakhstan

MOSCOW (Reuters) - Russia responded angrily on Saturday to a comment by U.S. Secretary of State Antony Blinken that Kazakhstan might have a hard time getting rid of Russian troops, saying he should reflect instead on U.S. military meddling around the world.

Blinken on Friday challenged Russia's justification for sending forces into Kazakhstan https://www.reuters.com/world/asia-paci ... 2022-01-08 after days of violent unrest in the Central Asian country.

"One lesson of recent history is that once Russians are in your house, it's sometimes very difficult to get them to leave," Blinken said.

Russia's foreign ministry called Blinken's remark "typically offensive" and accused him of joking about tragic events in Kazakhstan. It said Washington should analyse its own track record of interventions in countries such as Vietnam and Iraq.

"If Antony Blinken loves history lessons so much, then he should take the following into account: when Americans are in your house, it can be difficult to stay alive and not be robbed or raped," the ministry said on its Telegram social media channel.

"We are taught this not only by the recent past but by all 300 years of American statehood."

The ministry said the deployment in Kazakhstan was a legitimate response to Kazakhstan's request for support from the Collective Security Treaty Organisation, an alliance of ex-Soviet states that includes Russia.

The Kazakh intervention comes at a time of high tension in Moscow's relations with Washington as the two countries prepare for talks on the Ukraine crisis starting on Monday.

Moscow has deployed large numbers of troops near its border with Ukraine but denies Western suggestions it plans to invade.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 16/1/2022 0:16

Quem semeia extremismo, colhe disto.

Por fim, pessoas que perderam amigos e familiares por causa da covid-19 chegaram à conclusão de que "a vida é muito curta para ser gasta no trabalho".



Enquanto o número de membros desta comunidade sobe em flecha, há um fenómeno paralelo nos Estados Unidos conhecido como "The Great Resignation" (A grande demissão), que consiste numa onda de demissões voluntárias em massa e na recusa de muitas pessoas voltarem ao mercado de trabalho. O fenómeno provocou uma escassez de mão de obra no país, até em setores mais diferenciados, como auditoras e escritórios de advogados. As estatísticas oficiais apontam para 4,5 milhões de norte-americanos que se demitiram só no mês de novembro de 2021.


Como o movimento antitrabalho “saltou” do Reddit para a rua

Deixo um conselho honesto de amigo a esta comunidade, se querem mesmo deixar de trabalhar vão para a politica.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por Penaforte » 16/1/2022 0:20

BearManBull Escreveu:Quem semeia extremismo, colhe disto.

Por fim, pessoas que perderam amigos e familiares por causa da covid-19 chegaram à conclusão de que "a vida é muito curta para ser gasta no trabalho".



Enquanto o número de membros desta comunidade sobe em flecha, há um fenómeno paralelo nos Estados Unidos conhecido como "The Great Resignation" (A grande demissão), que consiste numa onda de demissões voluntárias em massa e na recusa de muitas pessoas voltarem ao mercado de trabalho. O fenómeno provocou uma escassez de mão de obra no país, até em setores mais diferenciados, como auditoras e escritórios de advogados. As estatísticas oficiais apontam para 4,5 milhões de norte-americanos que se demitiram só no mês de novembro de 2021.


Como o movimento antitrabalho “saltou” do Reddit para a rua


Pois, uma consequência "natural" deste período estranhíssimo de 2 anos.
Era um medo que tinha e que começava também a sentir aqui em Portugal.. espero que se consiga desligar rapidamente deste efeito para que não se torne algo maior e tenhamos problemas sérios de produtividade e sustentabilidade socioeconómica no médio prazo.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 1430
Registado: 20/10/2014 14:55

Re: Biden - Progressismo na América

por rg7803 » 16/1/2022 10:53

Na semana passada, depois de ter lido essa noticia com o resultado Novembro, troquei umas impressões com uns conhecidos americanos, sobre as causas desse "fenómeno". Eles referiram-me outros dois aspectos, para lá do citado movimento:
-boom imobiliário: não em todo o país mas em inúmeros centros urbanos relevantes; muitos americanos, alguns com segunda casa visando arrendamento, viram o seu património imobiliário crescer significativamente nos últimos anos
-stock market: mesmo fenómeno; nos últimos 3 anos o sp500 cresceu a dois dígitos, tendo as tecnológicas sido o seu drive principal; lá, ao contrário de cá, investir nos mercados financeiros é comum; em Portugal apenas uma % incipiente da população coloca as suas poupanças nos mercados capitais, lá é práctica comum.
Ou seja um grupo relevante de pessoas, num grupo etário um pouco distinto do referido no artigo do BMB, num espaço reduzido de tempo, viu-se detentor dum património que só considerava ser alcançável numa fase mais avançada da vida, sentindo-se assim seguro e confortável para antecipar a saída do mercado laboral, algo que só poderia ser possível - em condições normais - quinze ou vinte anos depois.

Em Portugal estamos distantes deste cenário. Há falta de mão-obra em sectores mas por motivos distintos.
Por um lado segundo os dados oficiais estaremos praticamente numa situação de pleno emprego, 5-6% taxa desemprego é praticamente pleno emprego.
Trabalho qualificado envolvendo quadros superiores e intermédios, técnicos superiores e intermédios etc há com efeito falta mas não porque as pessoas tenham abandonado o mercado. Os melhores, os mais competitivos, os mais ambiciosos simplesmente saíram e foram para outras paragens, onde os vencimentos sejam mais recompensadores e a sangria fiscal menor. Os restantes fazem job picking, e bem.
No trabalho menos qualificado a falta de mão obra não é recente, é algo que tem décadas. Todos nós ouvimos amiúde queixas sobre a falta de pessoal para trabalhar na agricultura; daí os cenários que observamos em Odemira, a mão obra marroquina no Algarve etc. Na hotelaria/restauração assumo que o fenómeno seja mais recente, devido ao Covid. Na indústria é igual ao verificado na agricultura, são trabalhos pouco apelativos para as novas gerações. No nosso caso, na empresa onde laboro, temos tido imensas dificuldades no recrutamento de pessoal para fazer o período de verão, mesmo oferecendo condições exatamente iguais ao staff permanente. Mas cá está, não porque as pessoas tenham desistido trabalhar, mas porque entendam ser preferível explorar outras opções.
“Buy high, sell higher...”.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4005
Registado: 1/5/2008 23:09
Localização: Almada.

Re: Biden - Progressismo na América

por PXYC » 16/1/2022 23:21

Os rendimentos do trabalho cada vez são menores quando comparados com os rendimentos de capital. Não me digam que não faz sentido deixar de trabalhar.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 396
Registado: 13/10/2014 16:44

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 19/1/2022 23:51

Biden: 'I don't believe the polls'
McClatchy's White House Correspondent Francesca Chambers asks what Biden will do to win over moderates and independents who voted for him in 2020, but have shown declining support for his agenda in recent polls.

"I don't believe the polls," Mr Biden responds.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 19/1/2022 23:57

Biden asked about his 'cognitive fitness'
"With great respect," James Rosen from the conservative network Newmax asks, why do polls show that nearly a majority of voters say "no" when asked "is Joe Biden mentally fit?"

He goes on to ask why voters have questions about his "cognitive fitness".

"I have no idea," a chuckling Biden responds, moving on to the next question.


No forum do Trump era tudo a bater no homem na imagem de decadencia que dava aos USA.

Este atè provoca vergonha alheia. :oops:
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por Penaforte » 20/1/2022 0:17

Para mim, a maior prova da decadência dos EUA é terem chegado ao ponto de ser entre Trump e Biden..
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 1430
Registado: 20/10/2014 14:55

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 20/1/2022 1:06

Realmente num pais com mais de 300M de habitantes e o poder fica num circulo tao fechado e tao deprimente...
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 24/1/2022 14:13

Biden

:arrow: Um desastre total na retirada do Afeganistao
:arrow: Aumento brutal da carga fiscal
:arrow: Ja acumula mais mortes por Covid num ano do que Trump
:arrow: Prestes a arrastar o mundo para uma guerra sem precedentes
:arrow: Taxa de homicidios mais alta dos USA nos ultimos 20 anos
:arrow: Inflaçao completamente descontrolada


Neste forum (e media no geral) fartavam-se de cantar contra o Trump e este tudo caladinho so porque o gaijo è de esquerda.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por MarcoAntonio » 24/1/2022 14:43

Os números de homicidios já estavam em número record em 2020, nem sei se já existirão números finais para 2021 e seja como for não me recordo de se ter discutido a taxa de homicidios record em 2020 no contexto da presidência do Trump. Se ocorreu, não me recordo. Mas julgo que não. Isto só para citar um exemplo...
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 36837
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Biden - Progressismo na América

por MarcoAntonio » 24/1/2022 14:51

Já agora, outro comentário que me parece despropositado e caracterizado por falta de rigor é a contagem do número de óbitos.

Ora, primeiro a mudança da administração deu-se durante um pico local da pandemia. Ou seja, já estás a associar ao Biden os óbitos mal ele acaba de entrar, logo num pico, o que não só ignora que qualquer política demora tempo a implementar / a ter efeito, se é isso que queres medir, como inclusivamente, veja-se bem, estás a contar óbitos de individuos que foram infectados ainda nem ele era presidente.

Depois, entretanto o período coberto por cada uma das presidencias é diferente na sua extensão temporal:

Trump - Março/2020 - Janeiro/2021 (cerca de 10 meses)
Biden - Janeiro/2021 - Janeiro/2022 (cerca de 12 meses)

Bate lá no Biden à vontade, mas se vais acusar os outros ou sugerir que são facciosos ou lá o que as letras garrafais do teu post querem dizer, então verifica bem o que estás a postar.
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 36837
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Biden - Progressismo na América

por Àlvaro » 24/1/2022 14:59

Não perceber que Trump é o maior amigo de Biden poderá ser um grave erro de avaliação.
 
Mensagens: 8388
Registado: 31/5/2014 23:07

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 24/1/2022 15:02

Tem de se considerar que o Biden teve ajuda critica das vacinas.

O facto è que antes tanto a imprensa portuguesa como aqui mesmo no forum se criticava a admin trump e agora silencio.

Eu nao acredito que a covid se detenha com politicas, mas o que me deixa incredulo è a falta de critica do sistema aos individuos so porque que pertencem a determinada facçao politica.
Anexos
mortes covid.PNG
mortes covid.PNG (30.25 KiB) Visualizado 6555 vezes
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por BearManBull » 24/1/2022 15:03

A minha opiniao sobre o assunto è simples o Trump era muito menos pèssimo do que este... mas miraculosamente este aos olhos da sociedade è um santo...
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 6570
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Biden - Progressismo na América

por MarcoAntonio » 24/1/2022 15:13

BearManBull Escreveu:A minha opiniao sobre o assunto è simples o Trump era muito menos pèssimo do que este... mas miraculosamente este aos olhos da sociedade è um santo...

Em relação ao Biden, sou mais ou menos neutro e por mais ou menos neutro quero dizer que para mim ele não é grande espingarda, é mais um político como muitos outros. Há piores e há melhores. Nem vou perder grande tempo a falar dele, como não perco tempo a falar da esmagadora maioria dos políticos (volto a isto à frente).

Já o Trump, estava noutra esfera e considero inclusivamente que ele para além de ser um con man de carreira, é um desiquilibrado mental, muito possivelmente um egomaniaco com tendências sociopatas. Recordo, por exemplo, o episódio do capitólio, que ele promoveu, assim como o vídeo que ele publicou ainda durante os acontecimentos. Se não fosse mais nada, só por aqui se concluia o extremo desiquilibrio mental do individuo e a completa inadequação para ocupar cargos como a presidência dos Estados Unidos.

A minha questão com o Trump não tem que ver com ele ser de esquerda ou direita nem eu me identifico com a (dita) esquerda ou a (dita) direita. A minha posição ideológico-política tem um espectro demasiado abrangente e em muita coisa é inclusivamente demasiado indefinida (quero eu dizer que para muita coisa nem eu sei qual é a melhor solução) para eu me identificar com uma coisa ou outra. Isso nunca esteve por detrás dos meus comentários em relação ao Trump. De resto, os meus comentários de teor político são mínimos, virtualmente inexistentes. Seja no forum, seja noutros espaços. Praticamente nunca falo de política nem tenho grande interesse em discuti-la.

Acho que o teu comentário em letras garrafais é despropositado, na medida em que atinge outros participantes do forum que falaram sobre o Trump, tanto mais que com facilidade se pode perceber o quão parcial tu estás a ser...
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 36837
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Biden - Progressismo na América

por rg7803 » 24/1/2022 15:19

BearManBull Escreveu:A minha opiniao sobre o assunto è simples o Trump era muito menos pèssimo do que este... mas miraculosamente este aos olhos da sociedade è um santo...


Opiniões são como ... tu sabes o resto. Cada um tem uma, e devemos respeitar os outros.

Pessoalmente concordo contigo quando referes que Joe Biden é um presidente "datado", possivelmente com idade excessiva para o cargo e para a responsabilidade que o mesmo acarreta. Possivelmente foi a escolha possível por parte dos democratas, o "common ground" que permitiu reunir as diferentes facções que existem em grande parte dos países; mesmo cá vemos isso, como recentemente observámos na eleição do PSD, ou no próprio PS em que existem correntes mais extremistas, outras mais liberais e pró-europeias. Esta é uma parte da questão.

A outra parte, e aí discordo de ti, é encontrar virtudes onde elas simplesmente não existem. Trump foi possivelmente o presidente mais incapaz, impreparado, inútil e idiota que a Améria produziu democraticamente. A uma escala distinta fez-me lembrar Santana Lopes, para aqueles que ainda se recordam, e do seu nível de impreparação quando o poder lhe foi entregue. A somar a esta notória incapacidade para o lugar, evidenciada pelo desconhecimento absoluto do que era governar, das regras a cumprir, dos deveres e obrigações, Trump promoveu a aceleração da divisão americana com uma golpada ao negar os resultados do mesmo método que o elegeu, promovendo inclusivamente uma tentativa de insurreição civil.

Trump no poder foi o que seria um Ventura e restante pandilha, por obra da democracia, eleito a primeiro-ministro e governo. Cá com a agravante de as nossas instituições funcionarem pior do que lá ...
“Buy high, sell higher...”.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4005
Registado: 1/5/2008 23:09
Localização: Almada.

Re: Biden - Progressismo na América

por MarcoAntonio » 24/1/2022 15:28

rg7803 Escreveu:Trump foi possivelmente o presidente mais incapaz, impreparado, inútil e idiota que a Améria produziu democraticamente.

O tipo era um imbecil. Ele era capaz de afirmar que os Estados Unidos tinham aviões invisíveis, que podias estar à frente deles e não os veres. Ou de elaborar em direito para todo país sobre injectar desinfectantes na veia ou iluminar os pulmões com luz ultra-violeta.

Há outras partes extremamente acutilantes e acertadas no teu post. O homem estava noutra esfera...
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 36837
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Biden - Progressismo na América

por Penaforte » 24/1/2022 15:29

rg7803 Escreveu:
BearManBull Escreveu:A minha opiniao sobre o assunto è simples o Trump era muito menos pèssimo do que este... mas miraculosamente este aos olhos da sociedade è um santo...


Opiniões são como ... tu sabes o resto. Cada um tem uma, e devemos respeitar os outros.

Pessoalmente concordo contigo quando referes que Joe Biden é um presidente "datado", possivelmente com idade excessiva para o cargo e para a responsabilidade que o mesmo acarreta. Possivelmente foi a escolha possível por parte dos democratas, o "common ground" que permitiu reunir as diferentes facções que existem em grande parte dos países; mesmo cá vemos isso, como recentemente observámos na eleição do PSD, ou no próprio PS em que existem correntes mais extremistas, outras mais liberais e pró-europeias. Esta é uma parte da questão.

A outra parte, e aí discordo de ti, é encontrar virtudes onde elas simplesmente não existem. Trump foi possivelmente o presidente mais incapaz, impreparado, inútil e idiota que a Améria produziu democraticamente. A uma escala distinta fez-me lembrar Santana Lopes, para aqueles que ainda se recordam, e do seu nível de impreparação quando o poder lhe foi entregue. A somar a esta notória incapacidade para o lugar, evidenciada pelo desconhecimento absoluto do que era governar, das regras a cumprir, dos deveres e obrigações, Trump promoveu a aceleração da divisão americana com uma golpada ao negar os resultados do mesmo método que o elegeu, promovendo inclusivamente uma tentativa de insurreição civil.

Trump no poder foi o que seria um Ventura e restante pandilha, por obra da democracia, eleito a primeiro-ministro e governo. Cá com a agravante de as nossas instituições funcionarem pior do que lá ...


Subscrevo as palavras do rg, na íntegra.
E reforço o que disse anteriormente, nunca a "classe política" esteve tão mal, não só nos EUA como a nível mundial.
Não que alguma vez tenha sido brilhante mas acho que nunca estivemos tão mal servidos de liderança e oposição como nos dias de hoje.
O resultado dessa degradação está à vista de todos, um enorme desnorte a todos os níveis - económicos, sociais, identidade, valores etc.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 1430
Registado: 20/10/2014 14:55

AnteriorPróximo