Outros sites Cofina
Caldeirão da Bolsa

BPI fecha fundo de 90 milhões para evitar crise

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: Pata-Hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

BPI fecha fundo de 90 milhões para evitar crise

por toninho » 26/9/2007 1:00

Diário Económico Escreveu:Obrigações de baixo risco 2007-09-26 00:05
BPI fecha fundo de 90 milhões para evitar crise
Banco garante devolução do dinheiro num prazo de cinco dias e assegura que os problemas foram eliminados.

Sílvia de Oliveira e Paula Alexandra Cordeiro

O BPI decidiu, em plena crise financeira do ‘subprime’, proceder à liquidação de um fundo de investimento mobiliário, com activos sob gestão no montante de 88 milhões de euros. Segundo um comunicado divulgado ontem pelo banco liderado por Fernando Ulrich, “a decisão de extinção do Fundo [BPI Renda Trimestral] tem subjacente o interesse dos participantes e também uma perspectiva de simplificação da oferta de fundos de investimento”. A carteira do fundo é composta, sobretudo, por obrigações, integrando, porém, alguns créditos hipotecários. Fonte oficial do BPI disse ao Diário Económico que, “face às actuais condições dos mercados financeiros, a perspectiva de distribuição de rendimento, no futuro próximo, é incerta e, nessas condições, foi decidido, no interesse dos participantes, liquidar o fundo, pagando o rendimento correspondente ao trimestre que agora finda e devolvendo aos participantes a totalidade do capital investido, sem qualquer prejuízo”. O mesmo responsável sublinhou ainda que este fundo de investimento é constituído por obrigações de baixo risco, com elevada liquidez que, como o nome indica, tem como objectivo distribuir trimestralmente um rendimento, nas condições previstas no prospecto.

O sector financeiro português não está imune aos riscos de contágio e, sobretudo, depois do caso do Northern Rock, surgiram alguns rumores de que também os bancos em Portugal começavam a acusar as primeiras dificuldades, sobretudo na área dos fundos de investimento. Uma crise financeira, mas também de confiança. Um indicador dessa eventualidade foi o saldo líquido da indústria dos fundos de investimento mobiliário, em Agosto, ter sido, pela primeira vez, desde 2002, negativo. O Diário Económico confrontou os principais grupos financeiros nacionais com esta possibilidade, bem como o presidente da associação dos fundos, Vasconcelos Guimarães, mas todos garantiram desconhecer a existência de qualquer problema. De facto, no caso deste fundo do BPI, cujo processo de liquidação deverá ficar concluído no dia 2 de Outubro, não existe, neste momento, qualquer problema de liquidez. Ou seja, os participantes irão reaver o capital investimento, bem como uma remuneração positiva. O que o banco faz é apresentar uma solução para resolver um problema futuro, ou seja, poupar os subscritores das unidades de participação deste fundo de perdas futuras.

Ao que o Diário Económico apurou, existirão outras situações delicadas nas sociedades gestoras de fundos dos principais bancos portugueses, mas os banqueiros têm optado, porque se tratam de fundos com outro tipo de características, por tentar gerir o problema em silêncio. O receio de que os investidores entrem em pânico aconselha alguma prudência. Hoje mesmo, o presidente do regulador do mercado de capitais, Carlos Tavares, emitirá, em conferência de imprensa, a sua opinião sobre a crise do ‘subprime’ e os riscos para Portugal. O Diário Económico tentou obter ontem uma reacção da CMVM à decisão de liquidação do fundo do BPI, mas fonte oficial da autoridade de supervisão limitou-se a dizer que “está a seguir a situação com todo o cuidado para evitar que os investidores e participantes sejam prejudicados”. O mesmo responsável remeteu mais esclarecimentos para a conferência de hoje, mas ao que o Diário Económico apurou, o regulador considera existirem, neste momento, alguns motivos para preocupação. É que o BPI liquida um fundo, mas não resulta daí qualquer prejuízo para os seus clientes e não é possível garantir que não se verifiquem casos preocupantes.


APFIPP desvalorizou impacto da crise nos fundos
Menos de uma semana depois de Manuel Vasconcelos Guimarães ter afirmado ao Diário Económico que não havia motivos para alarme nos fundos nacionais, em relação a um contágio pela crise de ‘subprime’, o BPI anunciou o fecho de um fundo de investimento. “Estamos tranquilos com a indústria de fundos”, afirmou, em entrevista, ao Diário Económico, na passada semana, o presidente da Associação de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP). O Diário Económico contactou Manuel Vasconcelos Guimarães para obter uma reacção ao fecho do fundo de investimento do BPI, mas até ao fecho da edição não foi possível obter qualquer resposta.

Na semana passada, o presidente da Associação garantia não ter recebido “nenhuma informação de problemas no sistema [com fundos de investimento]”, apesar dos resgates no mês de Agosto terem atingido valores recorde.

Segundo o responsável, “os dados de Agosto reflectem o período de incerteza que afectou os mercados financeiros. É nestas alturas que determinados investidores vêem boas oportunidades que acabarão por constituir-se como motores de novas subscrições”.

O presidente referiu, na altura, ainda não ter informação sobre os níveis de resgate que os fundos possam estar a receber em Setembro, embora a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter confirmado um aumento da venda de posições dos investidores que têm parte da sua poupança alocada neste tipo de produtos de investimento.


O caso que abriu as portas da Europa à crise
Pode dizer-se que foi no dia 9 de Agosto que a crise do ‘subprime’ chegou à Europa. O mesmo dia em que o BNP Paribas suspendeu os levantamentos em três dos seus fundos – Parvest Dynamic ABS’, ‘BNP Paribas ABS Euribor’ e ‘BNP Paribas ABS Eonia’ –, justificando o acto com a impossibilidade de avaliar o valor dos activos, depois das perdas registadas no mercado de crédito à habitação de risco nos EUA começarem a espalhar-se pelos mercados mundiais. O fundos de investimento do maior banco francês geriam cerca de dois mil milhões de euros em activos, incluindo 700 milhões de euros em hipotecas no crédito à habitação de risco nos EUA com notações de ‘AA’ ou superiores. Com esta medida, o BNP Paribas seguia os seus congéneres Union Investment Management GmbH e Frankfurt Trust na suspensão dos pagamentos deste tipo de fundos. O pânico instalou-se, então, nos mercados financeiros europeus. Depois de os três fundos do maior banco francês foram congelados por um problema de falta de liquidez e perante a incerteza de quem enfrentaria dificuldades, as instituições bancárias, um pouco por toda a Europa, deixaram de fazer empréstimos entre si – apesar das sucessivas injecções do Banco Central Europeu no sistema financeiro.

A 30 de Agosto, o BNP Paribas procedeu ao descongelamento dos fundos, permitindo aos investidores voltar a transaccionar unidades, depois de ter “desenvolvido um mecanismo de avaliação” para calcular cotação, subscrições e resgates.


Acções no valor mais baixo do último ano
Os títulos do BPI desvalorizaram 6,4% em apenas dois dias e fecharam ontem no nível mais baixo desde Julho do ano passado. Depois de ter “resistido” ao tombo das bolsas em Agosto, provocado pela crise imobiliária dos Estados Unidos, o banco regrediu cerca de 10% em Setembro: a maior queda mensal desde Junho de 2001. Na sessão de ontem, as acções terminaram nos 5,80 euros (-3,65%), valor próximo dos 5,70 euros inicialmente oferecidos na OPA do BCP. Com as recentes quedas, o BPI segue agora com perdas anuais de 1,86%, o quarto pior desempenho no índice PSI-20. De acordo com Pedro Pintassilgo, director de ‘research’ do BiG, o banco negociava, desde a oferta do BCP, com um prémio “muito excessivo” em relação aos seus pares europeus pelo que, na sua opinião, parte desta ‘performance’ é um movimento normal de correcção. As casas de investimento ainda não reagiram às quedas do BPI neste mês, atribuindo um preço-alvo médio de 6,62 euros às acções do banco.


http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/ ... 39819.html

Este é o género de notícia que dá que pensar. Conheço alguém que tinha subescrito o Renda Mensal da CGD (semelhante a este Renda Trimestral do BPI) e acabou de retirar de lá tudo o que tinha pois estava a ter um comportamento decepcionante. Isto apesar de na agência, em meados de Agosto, dizerem para não se preocupar que ía já começar a recuperar. Haviam ordens superiores para tentar acalmar os clientes.

Acho que começa a fazer sentido o porquê de haverem tantos depósitos a prazo promocionais... é que alguns destes fundos são dos que têm maior volume de capitalização. Deixo só aqui alguns exemplos da CGD que são elucidativos:
Anexos
screen1.jpg
screen1.jpg (0 Bytes) Visualizado 1731 vezes
screen2.jpg
screen2.jpg (0 Bytes) Visualizado 1738 vezes
 
Mensagens: 98
Registado: 30/11/2005 13:27

por Rui Aires » 26/9/2007 7:26

Acham que o deposito do Barclays a 8%!!!tem alguma na manga? Na publicidade frisam que se trata de um dep a prazo com cap garantido e sempre disponivel. Ou será que vão investir noutros produtos mas remuneram 8 garantidos? Obrigado
 
Mensagens: 551
Registado: 31/8/2005 14:07

Fundo português obrigado a pedir empréstimo devido a resgate

por toninho » 26/9/2007 14:02

Diário Económico Escreveu:Crise financeira
Fundo português obrigado a pedir empréstimo devido a resgates dos clientes
Carlos Tavares, presidente da CMVM, revelou hoje que um fundo de investimento português comunicou ao regulador ter tido necessidade de recorrer a um empréstimo bancário devido ao elevado volume de regates das participações dos clientes.

--------------------------------------------------------------------------------

Maria João Gago
mjgago@mediafin.pt


André Veríssimo
averissimo@mediafin.pt


Carlos Tavares, presidente da CMVM, revelou hoje que um fundo de investimento português comunicou ao regulador ter tido necessidade de recorrer a um empréstimo bancário devido ao elevado volume de regates das participações dos clientes.

Esta retirada de dinheiro pelos clientes, que a CMVM não quantificou, está relacionada com o contexto de turbulência nos mercados de capitais provocado pela crise no crédito à habitação nos EUA.

Carlos Tavares, que falava hoje num encontro com jornalistas, não quis também identificar o fundo em causa. De acordo com a legislação, os fundos harmonizados podem pedir até 10% dos activos em empréstimos por um período que não exceda 120 dias.

Carlos Tavares afirmou que o recurso a empréstimos "é possível para prevenir situações de falta de liquidez" e que, no caso em concreto, o recurso ao crédito "foi usado dentro das margens normais".

Este é o segundo fundo português a ter que tomar medidas excepcionais, depois de ontem ter sido conhecido que o BPI vai preceder à liquidação do fundo BPI renda trimestral.

De acordo com Carlos Tavares, "não se regista um volume anormal de resgates de fundos, o que poderia criar um problema que pode não existir".


Isto é que eu não consigo entender bem. Então existem uma série de grandes fundos que estão com um décimo do nº de participantes de há 6 meses atrás e isto não significa um volume anormal de resgates de fundos?

Quanto ao depósito do Barclays não estou bem informado mas julgo que é um depósito a prazo normal e que se for desmobilizado antes do final do prazo garante o capital.
 
Mensagens: 98
Registado: 30/11/2005 13:27

por toninho » 26/9/2007 14:06

OOps, a notícia anterior é do Jornal de Negócios...

http://www.jornaldenegocios.pt/default. ... tId=302935
 
Mensagens: 98
Registado: 30/11/2005 13:27

por marcolopes » 26/9/2007 14:36

Rui Aires Escreveu:Acham que o deposito do Barclays a 8%!!!tem alguma na manga? Na publicidade frisam que se trata de um dep a prazo com cap garantido e sempre disponivel. Ou será que vão investir noutros produtos mas remuneram 8 garantidos? Obrigado


A "MUITO curto prazo". Consulta o site. Sinceramente, não abria conta de propósito para uns meses. Mas quem sabe eles não renovem com uma boa taxa...
Crise? Qual crise?
 
Mensagens: 242
Registado: 20/11/2006 23:11
Localização: Guimarães

por Serrano » 26/9/2007 14:41

Ora aqui temos algo para dar mais uma martelada do PSI.

A nossa bolsa já tem levado forte via retirada de fundos. Esta notícia pode acelerar a corrida aos resgates, embora não exista nada que o justifique. O que aconteceu foi apenas, ao que parece, uma medida prudêncial, bem ao estilo do bpi (e que me leva a ser cliente deste banco).
 
Mensagens: 364
Registado: 4/11/2002 23:35

por Kid_A » 27/9/2007 13:18

Banif Investimento não tem problemas de liquidez nos seus fundos

O Banif Banco de Investimento, detido pelo Banif , tem assegurada uma situação de ampla liquidez nos seus fundos e não antecipa problemas relacionados com a actual instabilidade dos mercados, disse o presidente da comissão executiva do banco, Artur Silva Fernandes, citado pela Reuters.

Acrescentou que a indústria portuguesa de fundos deverá conseguir superar o actual momento sem problemas de maior e apelou a uma postura de tranquilidade dos investidores.

"Temos uma política de muita prudência na gestão dos nossos fundos. Fomos antecipando o que se passou no mercado e criámos uma vertente de liquidez importante nos fundos. Todo o grupo está numa situação confortável", disse Artur Silva Fernandes, à margem de uma conferência sobre investimentos alternativos.

"Temos confiança que o mercado e as outras casas de investimento tenham seguido uma política semelhante e, portanto, não esperamos que haja notícias negativas nesse âmbito", acrescentou, de acordo com a Reuters.

O BPI Gestão de Activos anunciou, na terça-feira, a liquidação do fundo BPI Renda Trimestral, numa medida atribuída às incertezas dos mercados internacionais.

O presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Carlos Tavares, afirmou ontem que a situação do mercado de crédito requer uma análise cuidada dos supervisores e referiu que um fundo português já recorreu a um empréstimo bancário para fazer face a resgates.

"Não recorremos a nenhum empréstimo em excesso, não é certamente um fundo do Banif. Temos os fundos com amplas situações de liquidez. A intenção do regulador, no meu entender, foi sossegar os mercados dizendo qual é a situação concreta", disse Artur Silva Fernandes.
"Don´t take tips before tips take you"
 
Mensagens: 511
Registado: 8/11/2002 2:03

BPI tinha 750 milhões em banco quase falido

por toninho » 2/10/2007 4:51

DN Escreveu:O fundo que o BPI foi forçado a liquidar na semana passada tinha na sua carteira um investimento na ordem dos 748 milhões de euros em obrigações da Countrywide, o maior banco de crédito imobiliário dos EUA e um dos mais gravemente afectados pela crise de hipotecas de alto risco (subprime). A liquidação do BPI Renda Trimestral, iniciada no passado dia 25, termina hoje.

Numa análise ao relatório do primeiro semestre do BPI Renda Trimestral, observa-se que 748,2 milhões de euros da carteira deste fundo estão investidos em títulos de dívida da Countrywide Financial Corporation, com maturidade até 2010. Este era mesmo o maior investimento deste fundo do BPI, numa carteira avaliada num total de 96,1 mil milhões de euros.

O Countrywide foi um dos bancos mais afectados pela crise do subprime, tendo as suas acções caído, em Agosto, cerca de 75% perante os receios de que poderia abrir falência. Este banco norte-americano especializou-se na venda, em pacotes, das dívidas contraídas no mercado hipotecário, utilizando para o fazer a negociação no mercado secundário. Quando aumentaram significativamente os incumprimentos nessas dívidas, o mercado secundário paralisou. O Countrywide fechou as suas linhas de crédito e foi dos que mais beneficiou da liquidez injectada no mercado por parte da Reserva Federal. E os investidores ficaram sem possibilidade de se desfazerem dos pacotes entretanto comprados.

Terá sido esta situação que levou o BPI a optar pela liquidação do seu fundo. Desta forma, antecipou uma eventual falência do fundo, por impossibilidade de pagar os resgates.

A liquidação do BPI Renda Trimestral termina hoje, devendo os seus clientes receber até ao final do dia, nas suas contas à ordem, os respectivos montantes investidos e os juros eventualmente acumulados.

Entretanto, segundo apurou o DN, existe algum receio no sector de que possam surgir, nos próximos dias, situações semelhantes à do BPI. No entanto, até ao momento, ainda não apareceram quaisquer sinais de que as sociedades gestoras não vão conseguir cumprir as suas obrigações com os clientes.

Em paralelo, a maior preocupação entre os profissionais deste mercado é uma corrida aos resgates por parte dos participantes, assustados com a situação anunciada na semana passada pelo BPI. Para perceber a extensão de uma eventual "fuga" do mercado português de fundos de investimento, será conhecido, ainda esta semana, o balanço entre saídas e entradas nos produtos. Os dados preliminares apontam para a maior saída mensal dos últimos anos.


http://dn.sapo.pt/2007/10/02/economia/b ... alido.html

Obrigações da Countrywide... e ninguém notou logo? :mrgreen:
 
Mensagens: 98
Registado: 30/11/2005 13:27

por Pata-Hari » 2/10/2007 5:48

é engraçado... o fundo total eram cerca de 94 milhões :roll: .. E em 94 milhões, o fundo tinha, segundo o jornalista, 750 milhões de countrywide.

Se ele tivessem aberto a carteira do fundo, veria 675 mil euros de contrywide em 94 milhões que vale o fundo todo. Uma percentagem avassaladora de meio ponto percentual :roll: . Meu deus, o potencial de perda nessa posição deixar-me-ia em panico. Como ele diz

Terá sido esta situação que levou o BPI a optar pela liquidação do seu fundo. Desta forma, antecipou uma eventual falência do fundo, por impossibilidade de pagar os resgates.
.

Sem dúvida! imaginem que a posição valia zero! lá se perdia meio ponto percentual da carteira!

O Pedro Ferreira Esteves até se poderia ter dado ao trabalho de ir olhar para todas as posições e comentar a exposição às financeiras ou o rating de cada uma delas, poderia tentar ir analisar linha a linha fazendo uma análise mais critica ou cuidada. Agora, escrever que uma posição de meio ponto percentual (enganando-se em 3 zeros!) era o cúmulo do risco e uma perda assustadora... tenha lá santa paciência. Isto é o equivalente ao sensionalismo das noticias do Sun na versão de jornalismo financeiro (onde as pessoas ainda têm alguma fé...)


Podem ver a composição do fundo aqui para não dizerem que estou a inventar:

http://www.bpionline.pt/Comum/Filesystem.asp?File=Docs\Prospectos\BPI%20RendaTrimestral_CD.PDF&extensao=pdf
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 20545
Registado: 25/10/2002 17:02
Localização: Lisboa

por Pata-Hari » 3/10/2007 19:23

publicado hoje na versão papel, hehe. No online, não publicaram (ou eu não encontrei) :twisted: .
Anexos
lastscan3.jpg
lastscan3.jpg (0 Bytes) Visualizado 894 vezes
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 20545
Registado: 25/10/2002 17:02
Localização: Lisboa

re

por JAS » 3/10/2007 23:34

Este desmentido no DN é giro.

O título bombástico mantém-se!
"BPI tinha 750 milhões em banco quase falido"

Como a maior parte dos leitores não vai ler a notícia, o boato propaga-se.

Acho que devem exigir mais 2 dias de desmentido corrigindo o título...
Na Bolsa como no Poker há que ter uma boa mão...
 
Mensagens: 6499
Registado: 5/11/2002 0:05
Localização: Lisboa

por JCS » 3/10/2007 23:45

Acho impressionante é a falta de rigor na generalidade dos jornais. Mesmo os económicos (que deveriam ser exemplares neste aspecto) metem muitas vezes os pés pelas mãos quando os valores têm mais de 5 algarismos... enfim...

JCS
---Tudo o que for por mim escrito expressa apenas a minha opinião pessoal e não é uma recomendação de investimento de qualquer tipo---
https://twitter.com/JCSTrendTrading
"We can confidently predict yesterdays price. Everything else is unknown."
"Every trade is a test"
"Price is the aggregation of everyone's expectations"
"I don't define a good trade as a trade that makes money. I define a good trade as a trade where I did the right thing". (Trend Follower Kevin Bruce, $5000 to $100.000.000 in 25 years).
 
Mensagens: 4582
Registado: 15/7/2003 14:59
Localização: Lisboa