Outros sites Cofina
Caldeirão da Bolsa

Políticas para Portugal

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: Pata-Hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 8/10/2019 10:42

Quais serão agora as prioridades para o novo mandato do PS durante o primeiro ano?

As medidas mais difíceis deverão ser tomadas no primeiro ano, pelo que:
- poderão apostar na redução da dívida pública (o que duvído),
- poderão tentar controlar as despesas galopantes na saúde (acho dificil, pois já está a arrebentar pelas costuras)
- poderão apostar num aumento de impostos (o que será possível para fazer face aos problemas que se avizinham com o Brexit, Turismo e redução de impostos com o aumento de eléctricos e menor consumo de combustíveis fósseis)


Qual a vossa visão?
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

Re: Políticas para Portugal

por Seculo XX » 8/10/2019 14:50

O PS vai mexer-se o mínimo possível, enquanto a crise económica não aparecer, não tem hipóteses de se proteger contra a crise porque precisa dos votos da esquerda e por isso vai navegar à vista.
 
Mensagens: 10
Registado: 1/10/2019 11:33

Re: Políticas para Portugal

por Ativo » 10/10/2019 15:48

«Banco de Portugal diz que o país não converge há 25 anos.

Ao ritmo a que a convergência na UE a 15 tem acontecido, são precisos mais de 70 anos para a aproximação entre os países mais pobres, como Portugal, e os mais ricos, ficar completa.

"O processo de convergência real da economia portuguesa não prosseguiu nos últimos 25 anos", conclui um estudo do Banco de Portugal, que consta do Boletim Económico de outubro, publicado …
».

https://www.jornaldenegocios.pt/economi ... Principais (Vale a pena visionar o vídeo do Banco de Portugal, com uma duração de 2 minutos e 29 segundos.)

A economia portuguesa, desde 1995, não tem convergido com a economia da União Europeia considerando apenas os 15 países iniciais da União Europeia.

António Guterres tomou posse como primeiro-ministro em outubro de 1995, passando então a chefiar o XIII Governo Constitucional. Em outubro de 1999 foi ainda empossado como primeiro-ministro do XIV Governo Constitucional.

Desde 1995, o Partido Socialista foi quem governou mais tempo ...
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3672
Registado: 24/1/2014 17:24

Re: Políticas para Portugal

por Flav » 10/10/2019 16:13

Diz o estudo que posta o Ativo que considerando os 15 países iniciais da UE ( e agora dou eu como exemplo, a Alemanha, a França, a Itália, a Grécia ...) Portugal não consegue aproximar-se do crescimento desses países, nos últimos 25 anos. Bom " a Cesar o que é de César", o que tenho lido e julgo que não são fake news foi precisamente que Portugal cresceu mais (pelo menos nos últimos três anos, com o Centeno Ronaldo, lol) que esses principais países da UE e julgo que é a crescer mais que se aproxima do desenvolvimento (em sentido lato) desses países, penso eu de que.
 
Mensagens: 218
Registado: 13/1/2017 13:00

Re: Políticas para Portugal

por MarcoAntonio » 10/10/2019 16:23

Depende do período!

Aqui fica o boletim integral de onde a informação está a ser derivada:

https://www.bportugal.pt/sites/default/ ... 2019_p.pdf


Pessoalmente, não me parece particularmente útil fixar duas datas (exemplo 1995-2019) em particular. As conclusões vão divergir (ou não) conforme o par de datas escolhido, que terá sempre o seu quê de arbitrário. É verdade que, em termos muito gerais, desde os inícios da década de 90 (não é preciso começar a contagem em 95!) até agora temos tido um período de estagnação senão mesmo algum retrocesso.


O gráfico anexo foi retirado do estudo e dá uma perspectiva mais detalhada.
Anexos
pib-em-termos-reais.PNG
pib-em-termos-reais.PNG (25.18 KiB) Visualizado 4044 vezes
Bons Negócios,
Marco Antonio
Caldeirão de Bolsa

FLOP - Fundamental Laws Of Profit


1. Mais vale perder um ganho que ganhar uma perda, a menos que se cumpra a Segunda Lei.
2. A expectativa de ganho deve superar a expectativa de perda, onde a expectativa mede a
....amplitude média do ganho/perda contra a respectiva probabilidade.
3. A Primeira Lei não é mesmo necessária mas com Três Leis isto fica definitivamente mais giro.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 33972
Registado: 4/11/2002 22:16
Localização: Vilar do Paraíso

Re: Políticas para Portugal

por Ativo » 12/10/2019 14:30

O Bloco de Esquerda declarou que a "Geringonça" morreu. O Partido Socialista afirma que a "Geringonça" não está morta. E esta, hein? Para certas coisas não há como o Partido Socialista. :lol:

Para já, não se conseguem entender relativamente a algo que deveria ser inequívoco ...
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3672
Registado: 24/1/2014 17:24

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 15/10/2019 7:16

ativo Escreveu:O Partido Socialista afirma que a "Geringonça" não está morta. E esta, hein? Para certas coisas não há como o Partido Socialista. :lol:


Para desinformar estão cá eles. Isto deve ter impacto no défice. 500 milhões na CP, 150 milhões na TAP é a família socialista... O partido de centro dizem, centro de corrupção e falência é o que é.

Estado injeta mais de 500 milhões na CP
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3818
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 17/10/2019 11:44

...Entre as medidas elencadas pelo ex-ministro estão a criação de uma agência nacional contra a corrupção e de um tribunal especializado nesta área, a regulamentação do enriquecimento ilícito, a introdução da proteção de delatores, a "limitação do número de recursos dos acusados de corrupção sem penas de prisão efetiva" ou o reforço dos mecanismos de transparência das compras do Estado....


https://www.jornaldenegocios.pt/economi ... ltimasSite

Infelizmente este não é do interesse nem dos partidos, nem dos governantes... assim, entre corrupção e corrupção, quem paga somos sempre nós...

É inadmissível por exemplo ter havido pessoas enganadas no caso do BES e ficaram sem dinheiro e mesmo com provas ainda ninguém foi condenado!!! Não é rpecisso processar todos os processos, basta um de cada vez e vão condenando!!!
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 18/10/2019 13:59

Porque é que existe um ministério do Mar e não existe um da Terra?!?
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 25/10/2019 9:42

Impressionante! Hoje de manhã estava a ouvir a TSF quando puseram a deputada gaga do Chega!!!

Tive de mudar de emissora por não aguentar mais!!


A inclusão tudo bem... mas temos de ser realistas e ver o que fazemos!!
Certamente dos aceitamos que qualquer pessoa com deficiencia, esteja num cargo com respeito pelo que faz, mas certamente não esperamos ter um mudo a fazer ditados, ou um perneta numa corrida dos 100 metros obstáculos!!!

Acho rídicula esta deputada, com todo o respeito pela sua gaguez, mas não me parece correcto ela falar para ningúem conseguir perceber!!!
Isto não é o Chega!!! É o Basta!!!
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

Re: Políticas para Portugal

por m-m » 25/10/2019 10:32

Uma correção, a deputada em causa é do Livre.

O deputado do Chega chama-se André Ventura.
 
Mensagens: 85
Registado: 25/2/2008 17:56
Localização: 14

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 25/10/2019 11:11

m-m Escreveu:Uma correção, a deputada em causa é do Livre.

O deputado do Chega chama-se André Ventura.


Por acaso na TSF creio que falaram no Chega, mas sim, é do Livre.
Obrigado.
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 25/10/2019 11:28

Não sei o que tentam mostrar com inclusão!
Portugal está cheio de exemplos de inclusão... Passos Coelho nasceu em Angola, o An´tónio Costa é descendente de Goences e Franceses...

Não precisamos de por pessoas em lugares para promoverem um palco de comédia no parlamento...

Estou curioso para ver as imagens dos outros deputados quando aquela deputada falar...
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

Re: Políticas para Portugal

por PXYC » 25/10/2019 20:04

https://www.jornaldenegocios.pt/economi ... _Destaques

boas noticias?
confesso que não entendo estes números, quando a própria notícia reconhece que um excedente de 2.5 mil M€ em contabilidade pública não são 2.5 mil M€ em contabilidade nacional.. mas suponho que sejam boas notícias.

espero que algum deste excedente sirva para pagar dívida, para deixarmos de ser o 3o país com maior dívida relativa, ou a alternativa tem de ser baixar alguns impostos, principalmente os impostos sobre o trabalho.

não faz sentido os estimados forenses do PSD/CDS/Iniciativa Liberal começarem a falar mal dos socialista e dizer que vão já gastar tudo, porque o compromisso com a UE é ter cada vez mais excedente, e partindo destas evidencias, o que acham que se vai fazer com o excedente? pergunta honesta porque não entendo o que se faz com excedentes numa perspectiva de economia nacional.
Editado pela última vez por PXYC em 30/10/2019 13:11, num total de 1 vez.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 185
Registado: 13/10/2014 16:44

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 29/10/2019 17:08

Pagava um salário mínimo de 750 euros? Fomos perguntar a nove empresários

A acontecer será um aumento de 50% no SMN em 8 anos.

Parece-me exagerado e potencialmente penalizador para as PMEs, principalmente para o pequeno comércio fora das grandes urbes.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3818
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por Green_Hawk » 4/11/2019 13:28

O problema destes aumentos de salário minimo, não são acompanhados por aumentos salariais no geral. O que faz com que na prática o custo de vida aumente, pois os preços dos produtos aumenta para compensar o aumento do salário minimo. No curto prazo ganham-se meia duzia de votos, no longo prazo destrói-se cada vez mais a classe média.

O meu pai p.e. em 2009 ganhava 620€ e em 2019 quando se reformou ganhava os mesmo 620€. Em 10 anos viu tudo a aumentar menos o ordenado dele. :x
 
Mensagens: 101
Registado: 30/6/2010 19:47
Localização: 21

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 5/11/2019 16:15

Que pèrola de artigo.

Porque é que aceitamos pagar impostos?

Alm continua a não ser capaz de dar uma resposta única sobre o que nos leva a dar dinheiro ao Estado.


Hello, evasão fiscal é um crime.
Se o pagamento de impostos fosse voluntário ninguém pagava, fosse na Suécia ou onde quer que fosse. Mais ainda que metade nem sequer faz ideia da quantidade de impostos que tributa nem tem a mínima ideia da ineficiência do sistema.

No sistema actual já nem devíamos falar de impostos. É mais extorsão não consentida de rendimentos do trabalho.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3818
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por Ativo » 5/11/2019 17:24

lfhm83 Escreveu:Que pèrola de artigo.

Porque é que aceitamos pagar impostos?

Alm continua a não ser capaz de dar uma resposta única sobre o que nos leva a dar dinheiro ao Estado.


Hello, evasão fiscal é um crime.
Se o pagamento de impostos fosse voluntário ninguém pagava, fosse na Suécia ou onde quer que fosse. Mais ainda que metade nem sequer faz ideia da quantidade de impostos que tributa nem tem a mínima ideia da ineficiência do sistema.

No sistema actual já nem devíamos falar de impostos. É mais extorsão não consentida de rendimentos do trabalho.

Como a palavra "imposto" sugere, "imposto" remete para algo que é imposto.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3672
Registado: 24/1/2014 17:24

Re: Políticas para Portugal

por Ativo » 16/11/2019 19:59

In ECO, hoje:

«Bloco de Esquerda defende englobamento no IRS para criar mais justiça fiscal.

"O que nós queremos é simultaneamente alivio fiscal para quem trabalha e mais justiça fiscal no nosso país, cobrando a quem ganha muito e não tem pago a sua devida parte", afirmou Catarina Martins.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) defendeu este sábado o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.
“O que nós queremos é, simultaneamente, alivio fiscal para quem trabalha e mais justiça fiscal no nosso país, cobrando a quem ganha muito e não tem pago a sua devida parte”, afirmou Catarina Martins.

A líder do BE, que falava à margem de uma visita que fez ao Festival dos Míscaros, que decorre no Fundão, explicou que o seu partido colocou em cima da mesa de negociações com o Governo que estão em curso, esta medida dupla sobre o IRS. “É preciso aliviar o IRS de quem trabalha. Quem trabalha em Portugal paga muitos impostos sobre o seu salário e sobre a sua pensão. E nós temos há muito uma discussão com o ministro Mário Centeno sobre a necessidade de criar mais escalões [IRS]”, frisou.
Mercado de arrendamento em alerta com englobamento no IRS

Catarina Martins sublinhou ainda que o Governo acabou por criar, na última legislatura, mais escalões de IRS, mas entende que é possível no próximo Orçamento de Estado, continuar esse caminho de alivio fiscal para quem vive do seu salário ou da sua pensão, criando mais escalões de IRS.
“Ao mesmo tempo, propomos uma medida de justiça fiscal que é o englobamento no IRS para que aquelas pessoas cujo rendimento não vem do trabalho, mas vem por exemplo de ações, paguem de impostos o mesmo que paga quem vive do seu salário ou da sua pensão. Porque, um país em que o salário e a pensão pagam mais impostos do que os rendimentos do capital é um país injusto”, afirmou.
A líder do BE entende que a forma certa de construir alivio fiscal para quem vive do seu trabalho, salário ou pensão e pagarem menos impostos, passa por fazer, ao mesmo tempo, um caminho de englobamento do IRS. “Isso faz que quem ganhe milhões com rendimentos de capital e rendimentos prediais passe a pagar taxas de IRS iguais às pessoas que pagam a taxa sobre o seu salário e a sua pensão”, concluiu.
».

Fala em milhões (mas pensa em milhares) para não assustar ... :lol:
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3672
Registado: 24/1/2014 17:24

Re: Políticas para Portugal

por rg7803 » 17/11/2019 1:10

Este país está a caminho duma "venezuelização" galopante.
Depois fazem-se estudos cómicos de como reter o talento, evitar a emigração de cérebros, captar profissionais especializados etc.
E fazem-se umas campanhas de regresso para os expatriados, oferecendo uns sacos de amendoins e umas ajudas para o transporte da tralha... :wall: .
Isto se não fosse tão deprimente até podia ser cómico.

Edit: eu imagino o que as mentes brilhantes do Ministério das Finanças irão criar com o prometido novo aumento de escalões e progressividade.
“Buy high, sell higher...”.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3365
Registado: 1/5/2008 23:09
Localização: Almada.

Re: Políticas para Portugal

por Pata-Hari » 17/11/2019 23:03

Houve uma discussão interessante acerca do tema na RR.. Infelizmente tem que ser ouvida e não existe transcrição (leva um bocado ainda grande a ouvir).

https://rr.sapo.pt/2019/11/17/conversas ... YAf5WV4Wv4

Fundamentalmente defende-se que isto só faz sentido se os escalões fossem alterados para intervalos maiores e as taxas alteradas para níveis mais elevados de rendimentos e, naturalmente, isto terá um efeito ultra-perverso no mercado de arrendamento.

Cada vez gosto mais de investimentos financeiros. Dinheiro chateado desaparece para melhores locais onde o sistema fiscal é mais justo e menos volátil.
Avatar do Utilizador
Administrador Fórum
 
Mensagens: 20545
Registado: 25/10/2002 17:02
Localização: Lisboa

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 18/11/2019 15:55

pata-hari Escreveu:e, naturalmente, isto terá um efeito ultra-perverso no mercado de arrendamento.


Isso duvido porque o mercado dos alugueres tende sempre a ir ao máximo que a procura pode pagar. Ou seja os alugueres aumentam consoante o há mais rendimento disponível no lado da procura, independentemente dos senhorios no lado da oferta.

Já no longo prazo pode ter um efeito de redução da oferta e assim realmente também aumentaria o preço dos alugueres. Também acredito que poderia retirar valor aos imóveis, com aumento da oferta de imóveis para venda pela redução de margem no aluguer.
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3818
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por Ativo » 18/11/2019 17:18

ativo Escreveu:In ECO, hoje:

«Bloco de Esquerda defende englobamento no IRS para criar mais justiça fiscal.

"O que nós queremos é simultaneamente alivio fiscal para quem trabalha e mais justiça fiscal no nosso país, cobrando a quem ganha muito e não tem pago a sua devida parte", afirmou Catarina Martins.

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) defendeu este sábado o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.
“O que nós queremos é, simultaneamente, alivio fiscal para quem trabalha e mais justiça fiscal no nosso país, cobrando a quem ganha muito e não tem pago a sua devida parte”, afirmou Catarina Martins.

A líder do BE, que falava à margem de uma visita que fez ao Festival dos Míscaros, que decorre no Fundão, explicou que o seu partido colocou em cima da mesa de negociações com o Governo que estão em curso, esta medida dupla sobre o IRS. “É preciso aliviar o IRS de quem trabalha. Quem trabalha em Portugal paga muitos impostos sobre o seu salário e sobre a sua pensão. E nós temos há muito uma discussão com o ministro Mário Centeno sobre a necessidade de criar mais escalões [IRS]”, frisou.
Mercado de arrendamento em alerta com englobamento no IRS

Catarina Martins sublinhou ainda que o Governo acabou por criar, na última legislatura, mais escalões de IRS, mas entende que é possível no próximo Orçamento de Estado, continuar esse caminho de alivio fiscal para quem vive do seu salário ou da sua pensão, criando mais escalões de IRS.
“Ao mesmo tempo, propomos uma medida de justiça fiscal que é o englobamento no IRS para que aquelas pessoas cujo rendimento não vem do trabalho, mas vem por exemplo de ações, paguem de impostos o mesmo que paga quem vive do seu salário ou da sua pensão. Porque, um país em que o salário e a pensão pagam mais impostos do que os rendimentos do capital é um país injusto”, afirmou.
A líder do BE entende que a forma certa de construir alivio fiscal para quem vive do seu trabalho, salário ou pensão e pagarem menos impostos, passa por fazer, ao mesmo tempo, um caminho de englobamento do IRS. “Isso faz que quem ganhe milhões com rendimentos de capital e rendimentos prediais passe a pagar taxas de IRS iguais às pessoas que pagam a taxa sobre o seu salário e a sua pensão”, concluiu.
».

Fala em milhões (mas pensa em milhares) para não assustar ... :lol:

Nos últimos anos, na declaração anual de rendimentos para efeito de I.R.S., tenho declarado apenas rendimentos prediais em virtude de me encontrar em Licença Sem Vencimento de Longa Duração. Ao fazê-lo, tenho optado pelo englobamento dos rendimentos prediais, em vez de optar pela sua tributação autónoma a uma taxa de 28%, por ser mais vantajoso.

Tendo no corrente ano incrementado significativamente o meu rendimento predial através da aquisição de três frações prediais, já arrendadas, há bastante tempo, receava que, futuramente, o englobamento do meu rendimento predial fosse mais penalizador do que a sua tributação autónoma. Efetuei ja simulações, a este respeito, e, para minha agradável surpresa, constatei que o englobamento do meu rendimento predial continuará a ser mais vantajoso, fiscalmente, do que a sua tributação autónoma. \:D/
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3672
Registado: 24/1/2014 17:24

Re: Políticas para Portugal

por BearManBull » 19/11/2019 13:45

Pela primeira vez vejo com bons olhos um projecto da trend das renováveis. O caminho a seguir deve ser este converter as refinarias em geradores de H2. O hidrogeno é a melhor forma de armazenar energia (embora não seja a mais eficiente) e pode ser a solução para o mega problema da produção intermitente das renováveis.

Governo quer instalar “fábrica gigante” de hidrogénio em Sines
“It is not the strongest of the species that survives, nor the most intelligent, but rather the one most adaptable to change.”
― Leon C. Megginson
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3818
Registado: 15/2/2011 11:59
Localização: 22

Re: Políticas para Portugal

por Marco Martins » 21/11/2019 11:46

Expliquem-me uma coisa...
A dívida de Portugal aumentou... no entanto relativamente ao PIB diminiui percentualmente!
O PIB do país aumenta com o aumento da produção de bens.
A produção de bens é feita talvez acima de 90% pelo sector privado.
Quer dizer então que :
- o sector público em nada melhorou a dívida
- o sector público continua pior do que aquilo que estava... apenas tem é mais financiadores do estado...
- havendo nova crise, o impacto será muito maior do que anteriormente foi...

Estarei correcto ou redondamente errado?
 
Mensagens: 4797
Registado: 7/4/2007 17:13
Localização: Algarve

AnteriorPróximo

Quem está ligado:
Utilizadores a ver este Fórum: LISBOA_CASINO, lobus3101, manchini, pattern, Phil2014, rg7803, RogerR, Ruffus86, Silva115 e 91 visitantes