Políticas para Portugal

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: pata-hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Políticas para Portugal

por Ocioso » 21/11/2015 18:32

Políticas para melhorar este país. A minha participação será pouca, mas gostaria de vos ler. Deixo um caso de estudo.

Singapura:
https://en.wikipedia.org/wiki/Singapore
Anexos
Singapura2.png
Singapura2.png (152.03 KiB) Visualizado 10699 vezes
Singapura.png
Singapura.png (23 KiB) Visualizado 10699 vezes
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por grambill » 21/11/2015 19:57

Bom exemplo. Ficava feliz se fizessem a reforma do sistema eleitoral e reduzissem o numero de deputados.
 
Mensagens: 168
Registado: 26/10/2015 10:11

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 22/11/2015 2:10

Pirroelis Escreveu:Bom exemplo. Ficava feliz se fizessem a reforma do sistema eleitoral e reduzissem o numero de deputados.

Parece-me que a maioria dos portugueses também o pretende. O que poderemos fazer para forçar os políticos a avançarem nessa direcção?
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 22/11/2015 2:17

8 Reasons Why Rome Fell
http://www.history.com/news/history-lis ... -rome-fell

Não directamente relacionado com Portugal, mas, talvez, com o mundo chamado de ocidental. A História, por vezes, repete-se.
Anexos
Fall.jpg
Fall.jpg (36.91 KiB) Visualizado 10641 vezes
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 22/11/2015 2:33

Estados Unidos e Zona Euro vs Ásia
Anexos
US.png
US.png (19.94 KiB) Visualizado 10629 vezes
Zona Euro.png
Zona Euro.png (20.08 KiB) Visualizado 10629 vezes
China.png
China.png (22.43 KiB) Visualizado 10629 vezes
Japan.png
Japan.png (20.06 KiB) Visualizado 10629 vezes
Russia.png
Russia.png (21.55 KiB) Visualizado 10629 vezes
India.png
India.png (19.3 KiB) Visualizado 10629 vezes
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 22/11/2015 2:44

Estados Unidos e Zona Euro vs Ásia
Anexos
US.png
US.png (20.51 KiB) Visualizado 10626 vezes
ZE.png
ZE.png (20.7 KiB) Visualizado 10626 vezes
China.png
China.png (19.72 KiB) Visualizado 10626 vezes
Japan.png
Japan.png (21.79 KiB) Visualizado 10626 vezes
Russia.png
Russia.png (21.58 KiB) Visualizado 10626 vezes
India.png
India.png (21.5 KiB) Visualizado 10626 vezes
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 22/11/2015 3:01

O nosso passado imperial:
http://www.oxfordreference.com/view/10. ... eline.0001

Portuguese Empire

1415
A Portuguese prince, Henry the Navigator, becomes fascinated by exploration down the coast of Africa and commissions successive voyages

c. 1420
The Portuguese, discovering the lush and uninhabited island of Madeira, send colonists to settle it

1446
Portugal claims ownership of the region of Guinea, subsequently the centre of their slave trade on the west African coast

c. 1450
The caravel, a sailing ship developed in the Mediterranean and used down the west coast of Africa, is adapted by the Portuguese for Atlantic use

1466
The Portuguese settlers on the Cape Verde islands are granted a monopoly on the new slave trade

1483
The Portuguese establish a further presence on the west coast of Africa, at the mouth of the Congo river

1488
Bartolomeu Dias, sailing for the king of Portugal, becomes the first European navigator to round the Cape of Good Hope

1493
Pope Alexander VI draws a line through the Atlantic, dividing new discoveries between Spain (west) and Portugal (east)

1494
In negotiations about the New World at Tordesillas, the king of Portugal insists on a new demarcation line which later brings him Brazil

1498
Vasco da Gama reaches the southern coast of India, at Calicut, after sailing across the Indian Ocean from east Africa

1500
Portuguese explorer Pedro Cabral, with a fleet of thirteen ships, makes landfall in Brazil

The Portuguese establish trading posts in east Africa, on the coast of Mozambique

1502
Vasco da Gama wins a trading treaty for Portuguese merchants after bombarding the Indian port of Calicut into submission

1503
The Portuguese set up a trading post on the east African island of Zanzibar

1505
The Portuguese establish a presence in Sri Lanka, trading in the island's crop of cinnamon

1510
The Portuguese seize Goa and make it their colonial capital in India

1511
The Portuguese take control of Malacca, in the Malay peninsula, as a base for trade further east

1512
The Portuguese make treaties in the Moluccas (or Spice Islands), to trade in cloves and nutmeg

1514
The Portuguese capture Hormuz and establish a garrison to control the Gulf of Oman

1534
The Portuguese force the local ruler to cede to them the island of Bombay

1549
Brazil becomes a Portuguese royal province, under the control of a governor general

The first Portuguese governor general of Brazil selects Bahia (now Salvador) as his capital

c. 1550
Africans, bought in the Portuguese trading posts of west Africa, are shipped across the Atlantic as slaves

1557
The Portuguese establish a trading post on Macao, a small peninsula off the south coast of China

c. 1625
The Dutch gradually exclude the Portuguese from the immensely lucrative trade in cloves from the Spice Islands (or Moluccas)

1641
The Dutch expel the Portuguese from their trading posts in Malacca

1656
After a six-month siege, the Dutch capture Colombo from the Portuguese in Sri Lanka

1658
The Dutch expel the Portuguese from the last of their trading posts in Sri Lanka

1668
England's East India Company is granted a lease on Bombay by Charles II, who has received it from his Portuguese bride

1698
A fleet from Oman evicts the Portuguese from Mombasa and Zanzibar

1763
The capital of the Portuguese colony of Brazil is moved from Bahia to Rio de Janeiro

1788
Tiradentes (the 'puller of teeth') leads the first rebellion against Portuguese rule in Brazil

1792
The Brazilian rebel Tiradentes is beheaded in public in Rio de Janeiro as a warning to would-be revolutionaries

1815
Brazil is given equal standing with Portugal, forming together the Kingdom of Portugal and Brazil

1821
The 22-year-old Portuguese prince, Dom Pedro, is made regent of Brazil

1822
The Portuguese regent, Dom Pedro, proclaims the independence of Brazil and three months later is crowned emperor, as Pedro I

1836
The Portuguese ban the shipping of slaves from the coast of Angola

1875
Slavery is finally made illegal in the Portuguese empire

1887
The imperial government in China formally acknowledges Portuguese territorial rights in Macao

1956
The MPLA (Popular Movement for the Liberation of Angola) is formed as a guerrilla movement to end Portuguese rule

1962
Frelimo emerges as a Marxist guerrilla group dedicated to winning independence for Mozambique

1966
UNITA, led by Jonas Savimbi, joins the fight for Angolan independence

1974
Portuguese Guinea becomes independent as Guinea-Bissau, with Luís Cabral as president

1975
Portuguese East Africa becomes independent as Mozambique, with Frelimo as the only political party

The Cape Verde islands, off the west coast of Africa, become independent as the republic of Cape Verde

1999
The island of Macau reverts from Portuguese ownership to the People's Republic of China
Editado pela última vez por Ocioso em 22/11/2015 3:27, num total de 1 vez.
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 22/11/2015 3:17

Anexos
Portugal2.png
Portugal2.png (97.88 KiB) Visualizado 10616 vezes
Portugal.png
Portugal.png (150.4 KiB) Visualizado 10616 vezes
Portugal3.png
Portugal3.png (22.05 KiB) Visualizado 10616 vezes
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Re: Políticas para Portugal

por grambill » 22/11/2015 12:38

Ocioso Escreveu:
Pirroelis Escreveu:Bom exemplo. Ficava feliz se fizessem a reforma do sistema eleitoral e reduzissem o numero de deputados.

Parece-me que a maioria dos portugueses também o pretende. O que poderemos fazer para forçar os políticos a avançarem nessa direcção?


Boa pergunta, às petições pelos vistos fazem ouvidos moucos basta olhar para a lista das mais votadas. Acho que seria preciso criar um grupo de pressão e os cidadãos apoiarem esse grupo.
http://peticaopublica.com/
 
Mensagens: 168
Registado: 26/10/2015 10:11

Re: Políticas para Portugal

por Àlvaro » 22/11/2015 13:41

Claramente que a reforma do sistema político é a 1.ª das prioridades. Há muito que a sociedade reclama esta reforma, porém os Partidos entrincheirados na mama da Assembleia têm recusado. Seria importante a aproximação eleitores deputado eleito, a redução do número de deputados, a facilitação da governação com a introdução de mecanismos que atribuam mais deputados a quem vence as eleições, o voto eletrónico com todo a informação sobre os deputados. Nada disto acontece porque de facto há quem continue a explorar o atraso cultural deste desgraçado Povo. E enquanto esse filão der frutos... enquanto o chico espertismo pagar...não está fácil.
 
Mensagens: 2847
Registado: 31/5/2014 23:07

Re: Políticas para Portugal

por grambill » 22/11/2015 16:43

corre Escreveu:Claramente que a reforma do sistema político é a 1.ª das prioridades. Há muito que a sociedade reclama esta reforma, porém os Partidos entrincheirados na mama da Assembleia têm recusado. Seria importante a aproximação eleitores deputado eleito, a redução do número de deputados, a facilitação da governação com a introdução de mecanismos que atribuam mais deputados a quem vence as eleições, o voto eletrónico com todo a informação sobre os deputados. Nada disto acontece porque de facto há quem continue a explorar o atraso cultural deste desgraçado Povo. E enquanto esse filão der frutos... enquanto o chico espertismo pagar...não está fácil.


Não haverá também uma falta de militância e veemência por parte dos interessados em torno desta causa que é à partida mais difícil de levar avante por esses entraves que referes? É que grupos que não tinham nada a favor deles, nem mesmo a simpatia pública, acabaram por conseguir tudo incluindo a simpatia pública e influenciar o poder político graças a uma forte militância.
 
Mensagens: 168
Registado: 26/10/2015 10:11

Re: Políticas para Portugal

por ricardmag » 23/11/2015 2:03

Como já disse noutro tópico eu sou a favor de um limite nas reformas, tipo 2 ou 3 mil euros.
Isso iria resolver muitos problemas da SS.
"Quando a música acaba, apagam-se as luzes." The Door's
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4675
Registado: 3/4/2014 15:17

Re: Políticas para Portugal

por malakas » 23/11/2015 10:56

O que poderia contribuir bastante para a Segurança Social seria:
- Os políticos, e não só, que descontaram "poucochinhos" anos e têm reformas milionárias terem a forma de cálculo revista para a média de todos os anos e descontos, tal como o comum dos portugueses;
- Os reformados que tiveram a antiga forma de cálculo das reformas, os melhores anos dos últimos cinco, passarem a a receber também na média de todos os anos e descontos (claro que teria que haver um período de transição 3/4 anos).
 
Mensagens: 210
Registado: 29/11/2007 10:06
Localização: Lourinhã

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 23/11/2015 11:50

Concordo com o facto de as reformas não serem apenas com base nos últimos 5 anos, mas se tiverem em conta todos os anos de trabalho tinha que se ter em atenção a inflação.

No que toca à segurança social, eu defendo uma reforma a dois tempos. Não consigo concretizar especificamente como, mas acho que a entrada repentina na reforma (passar de trabalho intensivo, 40h semanais ou as vezes mais, para zero) é agressiva para a pessoa. A acho que se fosse a dois tempos, também aliviaria os cofres da SS. E acho que a experiencia de muitas pessoas poderia continuar a ajudar as empresas onde elas estão, mesmo com menos tempo do seu trabalho e menos desgaste. (Digamos passar a regime de trabalho parcial de 20h semanais, e esse trabalho até poderia consistir mais na formação/aconselhamento dos mais jovens, isso depois seria avaliado pelas empresas). Nesse período intermédio receberia apenas metade da reforma, e continuaria a descontar. Obviamente, a idade da reforma definitiva iria subir. No entanto, suponho que isto seria opcional, e num esquema do género: ou é reforma repentina aos 65 anos, ou reforma parcial aos 63 com definitiva aos 68. Acham que seria sustentável?
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4241
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por Dr Tretas » 10/12/2015 1:29

Tá bem Ocioso, vamos lá puxar o tópico para cima. O tópico do Costa já é só uma flame war, não que isso seja desinteressante :mrgreen:

Para mim, era começar por equilibrar a balança externa de forma sustentável. Para isso, o melhor é começar por olhar para ela:

balança.png


Seleccionei duas áreas em que temos muito défice sem que eu perceba bem porquê:

alimentação e bebidas, 700 milhões por trimestre
bens de capital, 500 milhões por trimestre

Ora, será assim tão difícil produzir alimentos neste país?
E os bens de capital? Não temos engenheiros capazes de desenhar maquinaria industrial, nem fábricas para a produzir? Somos um país da UE, ou do 3º mundo?

Estas áreas deviam ser desenvolvidas, nem que fosse à força, com criação de empresas do estado e posterior privatização quando começassem a dar lucro. Notem que eu defendo políticas estatistas apenas em último recurso, quando não aparecem empreendedores privados.
No caso da agricultura, o estado até já tem uma companhia, a Companhia das Lezírias. É pô-la a rentabilizar tudo o que sejam terrenos agrícolas do estado.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2814
Registado: 29/10/2013 12:15
Localização: Almada City

Re: Políticas para Portugal

por goodmoney » 10/12/2015 1:39

Dr Tretas Escreveu:Seleccionei duas áreas em que temos muito défice sem que eu perceba bem porquê:

alimentação e bebidas, 700 milhões por trimestre
bens de capital, 500 milhões por trimestre

Ora, será assim tão difícil produzir alimentos neste país?
E os bens de capital? Não temos engenheiros capazes de desenhar maquinaria industrial, nem fábricas para a produzir? Somos um país da UE, ou do 3º mundo?

Estas áreas deviam ser desenvolvidas, nem que fosse à força, com criação de empresas do estado e posterior privatização quando começassem a dar lucro. Notem que eu defendo políticas estatistas apenas em último recurso, quando não aparecem empreendedores privados.
No caso da agricultura, o estado até já tem uma companhia, a Companhia das Lezírias. É pô-la a rentabilizar tudo o que sejam terrenos agrícolas do estado.



Será assim tão difícil produzir alimentos neste país? Sim é, quando na prática ou forneces 3/4 grandes players ou não tens como escoar produção. E esses players propõem um leilão regressivo, em que pagam quase nada, vendem parte com lucro de 100% e devolvem o que sobrar.

Quanto à 2ª questão, definitivamente do 3º mundo. Os engenheiros temos (supondo que se sujeitam a 600 euros), capital de investimento e vontade é que não.
 
Mensagens: 571
Registado: 9/11/2012 16:27

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 10/12/2015 2:19

Dr Tretas, afinal a conversa de que o Estado não deve interferir na economia de um país era... treta. :mrgreen:

Falando sério, a nível da indústria, eu acho que o português empresário típico tem uma mistura de pouca formação académica (saímos do Salazarismo há 40 anos), chico-espertismo e tendência para o desenrascanço. Não tenciono ofender ninguém, é apenas a ideia que tenho. Acho que não é dinheiro mal gasto continuar o investimento na educação, ciência e cultura, por parte do Estado. Mal não faz, de certeza. No entanto, para mim falta uma política de interacção das empresas com as universidades. Há ainda muito o desprezo pelo doutoramento. Porque é que uma empresa não investe num universitário bom aluno, e lhe patrocina um doutoramento sobre uma matéria que pode inovar a sua empresa? E, caso resulte, fica bem fácil a integração do doutorado na empresa em questão. Julgo que isto se faz nalguns países. Será que é porque tem que esperar algum tempo até surtir efeito? Ou não acredita na academia, "é preciso é trabalhar e ganhar experiência, fazer como fazem os mais experientes porque é assim que sempre se fez e resultou"? Caso o problema seja dinheiro, poderia haver uma plataforma para se concorrer a apoios estatais, se é que não há verbas europeias para coisas dessas.

Agricultura, o goodmoney disse tudo. E também não percebo muito da área.

Uma ideia que apreciei na PaF, era o objectivo de que a capitalização das empresas portugueses se virasse mais para a bolsa. A bolsa, para muita gente, ainda é um bicho de sete cabeças apenas acessível a quem tem informações privilegiadas, e os empresários parece que só conhecem os bancos para se financiarem.
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4241
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por Raposo Tavares » 10/12/2015 10:11

Imagem

Portugal: o que é e o que poderia vir a ser.


Um povo mal informado, refém de uma classe política mesquinha, corrupta, maçónica e nepótica que não dispensa a mais baixa política, poderá tirar o melhor partido dos recursos que o seu país lhe oferece?
Até ver, tenho muitas dúvidas.
Até ver, desconfio que o Ministério do mar servirá como uma espécie de balcão de venda do mar português. (Recordo que a ministra que o assume foi secretária de estado em governos que usaram o ministério do ambiente para a criação de Pin's.)
Até ver, desconfio que a gente que nos governa não terá coragem de assumir políticamente -e então com Catarinas e Jerónimos na bagagem...- uma política forte de defesa dos nossos interesses.
Até ver, desconfio que esta gente preferirá comprar uma corveta com as 'luvas' adequadas, a uma frota condigna em termos científicos e em termos militares e que se possa compaginar com a nossa História e com as nossas responsabilidades atuais.
Até ver, parece-me que esta gente dará sempre mais importância a assuntos da treta do que que a questões estratégicas.
Até ver, e pela forma como o camarada se fez ao tacho, duvido que o Costa seja o PM que nos faz falta.
Até ver, desconfio que a mesma imprensa cheia de esquerdistas que lhe faz já encómios, nunca lhe fará as críticas que um país que quisesse crescer e tomar juízo lhe faria...

Até ver. é o que há.
"Se um homem tiver realmente muita fé, pode dar-se ao luxo de ser céptico."
in: Citações e Pensamentos, Friedrich Nietzsche
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 3525
Registado: 4/12/2013 19:13

Re: Políticas para Portugal

por NM_2 » 10/12/2015 13:18

JohnyRobaz Escreveu:Dr Tretas, afinal a conversa de que o Estado não deve interferir na economia de um país era... treta. :mrgreen:

Falando sério, a nível da indústria, eu acho que o português empresário típico tem uma mistura de pouca formação académica (saímos do Salazarismo há 40 anos), chico-espertismo e tendência para o desenrascanço. Não tenciono ofender ninguém, é apenas a ideia que tenho. Acho que não é dinheiro mal gasto continuar o investimento na educação, ciência e cultura, por parte do Estado. Mal não faz, de certeza. No entanto, para mim falta uma política de interacção das empresas com as universidades. Há ainda muito o desprezo pelo doutoramento. Porque é que uma empresa não investe num universitário bom aluno, e lhe patrocina um doutoramento sobre uma matéria que pode inovar a sua empresa? E, caso resulte, fica bem fácil a integração do doutorado na empresa em questão. Julgo que isto se faz nalguns países. Será que é porque tem que esperar algum tempo até surtir efeito? Ou não acredita na academia, "é preciso é trabalhar e ganhar experiência, fazer como fazem os mais experientes porque é assim que sempre se fez e resultou"? Caso o problema seja dinheiro, poderia haver uma plataforma para se concorrer a apoios estatais, se é que não há verbas europeias para coisas dessas.

Agricultura, o goodmoney disse tudo. E também não percebo muito da área.

Uma ideia que apreciei na PaF, era o objectivo de que a capitalização das empresas portugueses se virasse mais para a bolsa. A bolsa, para muita gente, ainda é um bicho de sete cabeças apenas acessível a quem tem informações privilegiadas, e os empresários parece que só conhecem os bancos para se financiarem.

Ah e tal resulta. Ignorantes. Claro que as melhores empresas hoje em dia são aquelas que fazem como sempre fizeram. Ironia. Sem inovação não se aumenta o valor criado seja através de aumento de produtividade ou redução de custo ou aumento do valor acrescentado do produto. Uma combinação de luxo que é pelos três lados.
E engenheiros a 600 eur é ridiculo. Mais vale emigrar. O que se passa é que muitos engenheiros preferem trabalhar em empresas de consultoria de gestão onde são desejados. Engenharia em portugal está como está muito por culpa da ordem que até incentiva os engenheiros recentemente formados a irem para o exterior com medo que sejam substituidos e sem se preocuparem com a transmissão de conhecimento senior junior.
PORTUGAL EXPORTA ENGENHEIROS QUASE GRATUITAMENTE.
Bora continuar que quando isto explodir ao nivel da engenharia aí os salarios são multiplicados por 3x,4x,5x,10x,100x
 
Mensagens: 1536
Registado: 2/9/2014 22:13

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 10/12/2015 13:31

NM_2 Escreveu:Bora continuar que quando isto explodir ao nivel da engenharia aí os salarios são multiplicados por 3x,4x,5x,10x,100x[/u][/b]


É um pensamento egoísta e preferia mil vezes que a mentalidade tuga fosse diferente de forma a aproveitar as capacidades que temos formado nos últimos anos, mas de facto é a única coisa boa da quebra na construção civil que levou a um afastamento brusco dos cursos de civil, a longo prazo pode ser bastante bom para os bolsos de engenheiros civis que recebem agora 600€ 8-)
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4241
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por NM_2 » 10/12/2015 13:42

JohnyRobaz Escreveu:
NM_2 Escreveu:Bora continuar que quando isto explodir ao nivel da engenharia aí os salarios são multiplicados por 3x,4x,5x,10x,100x[/u][/b]


É um pensamento egoísta e preferia mil vezes que a mentalidade tuga fosse diferente de forma a aproveitar as capacidades que temos formado nos últimos anos, mas de facto é a única coisa boa da quebra na construção civil que levou a um afastamento brusco dos cursos de civil, a longo prazo pode ser bastante bom para os bolsos de engenheiros civis que recebem agora 600€ 8-)

Eu não me refiro só aos de civil..... mas à engenharia no geral.
Se a engenharia providencia melhores gestores/ consultores de gestão porque não alterar os cursos?
Mais importante que saber fazer é ter a capacidade de aprender e inovar para criar valor. A criatividade é importante.
Mas está-se a exportar essa capacidade e os engenheiros civis não são construtores mas responsáveis por melhorar as infra-estruturas existentes e renovar reconstruindo quando necessário em paises desenvolvidos. Os que têm mais perfil de construção sim têm de ir onde fazem falta e são economicamente e socialmente viáveis essas obras de maior dimensão e urbanizações
A ignorância de 99% das pessoas quanto a isso é gritante e exagerada.
Ah mas é verdade e para concluir 99% dos empreiteiros e o fiscais sempre meteram dinheiro ao bolso extra comportamento que mancha o nome. e muitos dos melhores não vão para engenharia civil por causa disso. Mas a sociedade é como é e este tipo de ensinamento das profissões no geral e quais as mais necessárias devia ser dado a partir da primária ajustado aos tempos actuais. Se não bora emigrar ou para o desemprego.
Ah e só para terminar as artes e as humanidades assim como os artistas são necessários!!!! O povo sempre precisou de se divertir sem ser só com vinho. Mas devia-se apostar na qualidade e na capacidade de se divuldar as criações.
Um exemplo disso é a classificação de portugal em concursos internacionais como por exemplo a eurovisão.
 
Mensagens: 1536
Registado: 2/9/2014 22:13

Re: Políticas para Portugal

por JohnyRobaz » 10/12/2015 13:45

Pá, sempre aqui defendi, um país como Portugal deve centralizar o seu caminho na inovação das mentalidades, investindo forte na educação, ciência e cultura. Só assim se vai lá, na MHO.
“E assim como sonho, raciocino se quero, porque isso é apenas uma outra espécie de sonho.”, Fernando Pessoa
“Nothing good ever comes of love. What comes of love is always something better” , Roberto Bolaño
"A ciência e o poder do homem coincidem, uma vez que, sendo a causa ignorada, frustra-se o efeito. Pois a natureza não se vence, senão quando se lhe obedece." Francis Bacon
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 4241
Registado: 20/8/2014 16:50

Re: Políticas para Portugal

por grambill » 10/12/2015 16:33

Dr Tretas Escreveu:
Ora, será assim tão difícil produzir alimentos neste país?
E os bens de capital? Não temos engenheiros capazes de desenhar maquinaria industrial, nem fábricas para a produzir? Somos um país da UE, ou do 3º mundo?

Estas áreas deviam ser desenvolvidas, nem que fosse à força, com criação de empresas do estado e posterior privatização quando começassem a dar lucro.


Tenho ideia que isso já foi experimentado em outros países mas nunca chegaram à parte em que deu lucro.
 
Mensagens: 168
Registado: 26/10/2015 10:11

Re: Políticas para Portugal

por Ocioso » 10/12/2015 19:45

Raposo Tavares Escreveu:(…)
Um povo mal informado, refém de uma classe política mesquinha, corrupta, maçónica e nepótica que não dispensa a mais baixa política,
(…)
Até ver, parece-me que esta gente dará sempre mais importância a assuntos da treta do que que a questões estratégicas.
(…)

Bravo! :clap:
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Declínio do Ocidente

por Ocioso » 12/12/2015 17:22

“O Ocidente acabou. O declínio é irreversível”
http://expresso.sapo.pt/internacional/2 ... reversivel
 
Mensagens: 1246
Registado: 14/4/2015 1:34

Próximo

Quem está ligado:
Utilizadores a ver este Fórum: Bing [Bot], fgomes, Google [Bot], leão2, PIKAS, Zuckerman, €ampones e 165 visitantes