Fundos à la carte

Espaço dedicado a todo o tipo de troca de impressões sobre os mercados financeiros de uma forma genérica e a todo o tipo de informação útil que possa condicionar o desempenho dos mesmos

Moderadores: pata-hari, Ulisses Pereira, MarcoAntonio

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 14/7/2018 14:58

GAC29 Escreveu:Boa tarde!

O DWS Biotech, tem tido uma recuperação mt boa, após o ter bastante negativo, está quase positivo, é de aproveitar para resgatar?

cpts



As Biotechs têm estado a recuperar, mas de vez em quando o Trump ataca as empresas do sector Saúde (que inclui as Biotechs) por causa dos preços que elas practicam. As Biotechs são das empresas que têm maiores preços pela natureza dos seus produtos e serviços, por serem inovadores e muito específicos em determinadas doenças, o que originam preços elevados, por serem recentes os custos ainda são elevados, elevados custos na I&D, o público-alvo em algumas doenças é de muita reduzida dimensão o que encarece os tratamentos.

As M&A no sector das Biotechs e as aprovações de novos tratamentos são os principais factores de valorização das empresas deste sector. Que é o que tem estado a acontecer.

Este fundo beneficia disso, mas também estado a ser beneficiado pelo Forex, com o USD a se valorizar face ao EUR. Para comparar o efeito Forex, repara no fundo da Pictet sem Hedge cambial (Pictet-Biotech R EUR) e com Hedge cambial (Pictet-Biotech HR EUR):

Biotech 1.png
Biotech 1.png (21.05 KiB) Visualizado 2355 vezes


Biotech 2.png
Biotech 2.png (21.44 KiB) Visualizado 2355 vezes



Agora a resposta a tua questão:

Será que vai continuar a beneficiar pelo Forex,? :arrow: Provavelmente não. Com a retirada do QE do BCE no próximo ano, é provável que o EUR se valorize.

Será que vai continuar a beneficiar pelas M&A e aprovações de novos tratamentos? :arrow: Provavelmente sim. É um sector inovador, pelo que a constante I&D irá continuar.

O maior grau de incerteza neste sector e também nos mercados financeiros em geral é mesmo o Trump, pois ele pode provocar grandes oscilações de curto/médio prazo, tanto no Forex, como nas Biotechs.

Esse fundo é segundo a Morningstar España, o melhor da sua categoria em todos retornos até 5 anos e também o mais volátil a 3 anos.

Biotech 3.png


O que deves te perguntar é o que te levou a investir nesse fundo. Se é para longo prazo ou para fazer mais valias a curto/médio prazo.
O gráfico acima poderá te ajudar a decidir. :wink:



PS: Como no BB , esse fundo não faz parte da oferta online oficial, se mais tarde quiseres comprar novamente terás que pagar comissão de subscrição.
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por GAC29 » 14/7/2018 15:56

Obrigado
Já o tenho desde janeiro 2015 e esteve bastante negativo, agora próximo do positivo, deixa-me a pensar, mas inicialmente foi para M/L Prazo....

cpts
 
Mensagens: 57
Registado: 9/4/2016 0:49

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 16/7/2018 13:44

Bons conselhos para manter a saúde financeira.


Bloomberg/Jornal de Negócios - Como evitar a falência depois de ganhar 650 milhões (14 de Julho de 2018)
http://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/como-evitar-a-falencia-depois-de-ganhar-650-milhoes
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por MNPTLIS » 17/7/2018 10:54

Bom dia

entrei neste

http://www.morningstar.pt/pt/funds/snap ... F00000MBOX

8-)

o link ficou a vermelho não sei porque.. :?:
 
Mensagens: 235
Registado: 7/11/2014 12:30

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 17/7/2018 13:28

MNPTLIS Escreveu:Bom dia

entrei neste

http://www.morningstar.pt/pt/funds/snap ... F00000MBOX

8-)

o link ficou a vermelho não sei porque.. :?:



Os metais estão a levar porrada por causa das guerras comerciais provocadas por Trump.

Qual é a tua estratégia? Ganhos a curto prazo? Médio/Longo Prazo?


(Os links agora ficam a vermelho devido ao novo design do fórum.) :wink:
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

CFA & FinTech

por Rick Lusitano (New) » 17/7/2018 13:42

CFA com novo módulo dedicado às FinTech ("Fintech in Investment Management") nos níveis I e II para 2019 com temas dedicados a:

- Cryptocurrencies;
- Blockchain;
- Artificial intelligence;
- Machine learning;
- Big data;
- Automated trading.


Bloomberg - ‘This Is Not a Passing Fad’: CFA Exam Adds Crypto, Blockchain Topics (July 16, 2018)
https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-07-16/cfa-exam-adds-crypto-blockchain-topics-as-wall-street-dives-in
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 17/7/2018 13:56

Afinal a gestão activa bate índice a 10 anos... :mrgreen:

Fundos de acções bateram o PSI-20 nos últimos dez anos


Jornal de Negócios Escreveu:Nem sempre a gestão activa consegue obter melhores resultados que os índices accionistas. Mas não é o que acontece no mercado nacional na última década. Quem tiver aplicado dinheiro em fundos de acçõ)



Jornal de Negócios - Fundos de acções bateram o PSI-20 nos últimos dez anos (17 de julho de 2018)
http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/detalhe/-fundos-de-accoes-bateram-o-psi-20-nos-ultimos-dez-anos
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por MNPTLIS » 17/7/2018 14:03

Rick

Estou a investir neste momento nos metais por 2 razões:

1º Porque estão a levar porrada o preço baixa ( investir a longo prazo )

2º Porque Acho que o Dollar é apenas uma questão de tempo até que lhe tirem o tapete.
Os USA estão cada vez mais endividados e o Trump faz politica como se não fosse o devedor a China vai derrubar o Dollar é só uma questão do tempo oportuno.
 
Mensagens: 235
Registado: 7/11/2014 12:30

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 17/7/2018 14:50

MNPTLIS Escreveu:Rick

Estou a investir neste momento nos metais por 2 razões:

1º Porque estão a levar porrada o preço baixa ( investir a longo prazo )

2º Porque Acho que o Dollar é apenas uma questão de tempo até que lhe tirem o tapete.
Os USA estão cada vez mais endividados e o Trump faz politica como se não fosse o devedor a China vai derrubar o Dollar é só uma questão do tempo oportuno.



Em política monetária os EUA vai continuar a dar cartas, porque o USD é a principal moeda a nível mundial. O Renminbi (Yuan) ainda é fraquinho a nível mundial.

Se a China quiser ir a jogo com os EUA no aspecto monetário, os EUA irão vencer. É tipo um jogo de póquer, quem tiver mais dinheiro, pode durar mais tempo em jogo. É ver quem fica sem dinheiro, primeiro, no fim ganha quem tiver tiver mais dinheiro.

Os vencedores das guerras são aqueles que têm mais pessoas no final. A URSS perdeu milhões de pessoas na 2GM, muito mais do que a Alemanha, mas como tinha uma população mais numerosa, acabou por vencer, apesar da Alemanha ter superioridade tecnológica. Outros exemplos, EUA vs. Somália ou EUA vs. Vietname, em ambos os casos, os EUA como a maior potência militar perdeu esses conflitos, mesmo tendo mais e melhores recursos militares e tecnológicos.

Se a China vender as suas reservas em USD (principalmente obrigações) iria provocar uma valorização do USD face CNY, acabando por provocar uma valorização do USD face a outras moedas também, mas os EUA adoptariam políticas monetárias acomoditicias que desvalorizariam o USD. As guerras comerciais provocariam guerras cambiais. Seria uma guerra para ver quem conseguia desvalorizar mais a sua moeda, seria um espiral descendente. Ganhariam as guerras cambiais, os países com as moedas mais fortes a nível mundial, o USD e talvez o EUR.


Enquanto o USD for a moeda nº 1 nas transacções comerciais e financeiras, os EUA continuarão a ser a economia nº 1 mundialmente. Aliás é precisamente o USD que mantém os EUA como a maior economia mundial. Se a China quiser lutar nesse campo, basta aos EUA adoptar políticas monetárias. A China tem estado a trabalhar para dar maior visibilidade ao Renminbi para no fim conseguir lutar contra a liderança do USD e se tornar na maior economia mundial, já é a 2ª economia mundial, para conseguir o 1º lugar, tem de destronar o USD.

A UE para fazer isso, teve de criar uma moeda única, para ter força contra os EUA e USD. Daí os americanos encarem a UE como o adversário económico nº 1.
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por MNPTLIS » 17/7/2018 18:22

Rick é verdade mas,

Vejamos os USA já foram ultrapassados neste momento a maior potencia Mundial é a China seguida da Russia os USA vivem de panela que já foi quente e estão na fase da queda o dollar é uma moeda que representa apenas papel a muito que deixou o padrão do Ouro algo que o Chineses não fazem por isso já compram petróleo e pagam na sua própria moeda á Rússia e vai começar a acontecer mais vezes e com outros Países os USA com medo que acontecesse isso com o Euro com o Kadafi na Libia e no Iraque com o Sadam foram para a Guerra mas com a China pia-se mais fino.
Acredito que o Dollar de um momento para o outro d`ê o estouro como aconteceu com a Libra aqui á uns anos e deixou de ser a moeda dos negocios.
Ainda para ajudar temos o acordo assinado hoje,
http://expresso.sapo.pt/internacional/2 ... gs.aDjCubQ,
Se a china e outros fizerem o mesmo os USA com as medidas que estão a fazer arriscam-se a ficar isolados e deixar de usar o dollar como moeda principal será algo natural e visto como o passo seguinte a ser dado.
 
Mensagens: 235
Registado: 7/11/2014 12:30

Re: Fundos à la carte

por chico_laranja » 18/7/2018 10:33

Para tal era preciso também alguns líderes terem tomates.

Imaginem o WTI em EUR e vejam se isso tinha cabimento para os EUA. Se a resposta é NÃO porque raio o Brent é negociado em USD e não em EUR ou GBP se é negociado em Londres e é a referência para a Europa?

Pura e simplesmente nunca houve coragem para alterar isso :wall:

Não faz sentido numa praça europeia um país comprar algo em USD se nem a origem nem o destino usam essa moeda.
Ao fim de semana o tempo é para o mercado dos afectos para com a cara metade e com os filhos pelo que raramente passarei no Caldeirão. Se for algo urgente mandem PM que pinga um mail a avisar e eu tentarei vir cá.
Uma vez que a minha actividade no fórum é menor, se precisarem de algo mandem PM que tento passar por cá.
Um abraço e bons investimentos.
 
Mensagens: 1339
Registado: 29/11/2007 2:37
Localização: Avanca

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 19/7/2018 10:07

Artigo sobre as caracteristicas dos ETFs:

Funds People Portugal - ETFs: versatilidade, mas não imunes ao risco (19/07/2018)
https://pt.fundspeople.com/news/etfs-versatilidade-mas-nao-imunes-ao-risco
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 19/7/2018 11:09

A China a retaliar as guerras comerciais com guerras cambiais. Já começou...

Jornal de Negócios Escreveu:Yuan cai para mínimo de Julho de 2017

A queda da moeda chinesa é o principal destaque no mercado cambial esta quinta-feira, com o yuan a tocar em mínimos de 12 meses e a ser penalizado pela inacção do banco central do país, que não mostra preocupações com a desvalorização do yuan, uma vez que é benéfico para as exportadoras do país.


A moeda chinesa desce 0,45% para 6,7760 yuan por dólar, o que representa um mínimo desde Julho de 2017. O banco central chinês fixou o câmbio da moeda abaixo de 6,7 pela primeira vez desde que a moeda começou a perder terreno em Junho e a imprensa do país dá conta que o banco central está a tomar medidas de alívio da política monetária, para contrariar os sinais de abrandamento económico. Segundo a Bloomberg, o yuan caiu mais de 4% no último mês, o que representa a pior prestação entre as 31 principais moedas mundiais, pressionado precisamente pelos sinais de abrandamento da economia.


Jornal de Negócios - Abertura dos mercados: Moeda chinesa cai para mínimo de um ano e bolsas aguardam Trump (19 de julho de 2018 às 09:10)
http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/mercados-num-minuto/detalhe/abertura-dos-mercados-moeda-chinesa-cai-para-minimo-de-um-ano-e-bolsas-aguardam-trump
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 19/7/2018 23:12

E o que diz Trump sobre a desvalorização do Renminbi Yuan: (Vale o que vale, vindo de quem vem. 8-) )

Trump jawbones dollar/yuan
Jul. 19, 2018 1:13 PM ET|By: Stephen Alpher, SA News Editor

The Chinese unit is "dropping like a rock," says the president, speaking to CNBC. "Our currency is going up, and I have to tell you it puts us at a disadvantage."

The PBOC overnight set its daily reference rate for the yuan to weaker than the 6.7 to the dollar level, suggesting Beijing is comfortable with the recent decline.


SeekingAlpha - Trump jawbones dollar/yuan (Jul. 19, 2018 1:13 PM ET)
https://seekingalpha.com/news/3371637-trump-jawbones-dollar-yuan
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 20/7/2018 11:56

Trump disposto a apostar todas as fichas contra a China neste jogo de Póquer.

SeekingAlpha Escreveu:Trump 'ready' to tariff all Chinese goods
Jul. 20, 2018 6:28 AM ET|By: Yoel Minkoff, SA News Editor

President Trump is willing to up the ante in the trade war with Beijing and could slap tariffs on every Chinese good imported to the U.S.

"I'm ready to go to 500," he told CNBC, referencing the $505.5B of American imports from China in 2017, compared to the $129.9B the U.S. exported to the country last year.

Meanwhile, the Chinese yuan slid overnight to its lowest in more than a year, stoking worries Beijing's currency management could be the next flash point in a trade dispute with the U.S.


SeekingAlpha - Trump 'ready' to tariff all Chinese goods (Jul. 20, 2018 6:28 AM ET)
https://seekingalpha.com/news/3371906-trump-ready-tariff-chinese-goods
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por andalm » 24/7/2018 9:30

Rick Lusitano (New) Escreveu:
GAC29 Escreveu:Boa tarde!

O DWS Biotech, tem tido uma recuperação mt boa, após o ter bastante negativo, está quase positivo, é de aproveitar para resgatar?

cpts



As Biotechs têm estado a recuperar, mas de vez em quando o Trump ataca as empresas do sector Saúde (que inclui as Biotechs) por causa dos preços que elas practicam. As Biotechs são das empresas que têm maiores preços pela natureza dos seus produtos e serviços, por serem inovadores e muito específicos em determinadas doenças, o que originam preços elevados, por serem recentes os custos ainda são elevados, elevados custos na I&D, o público-alvo em algumas doenças é de muita reduzida dimensão o que encarece os tratamentos.

As M&A no sector das Biotechs e as aprovações de novos tratamentos são os principais factores de valorização das empresas deste sector. Que é o que tem estado a acontecer.

Este fundo beneficia disso, mas também estado a ser beneficiado pelo Forex, com o USD a se valorizar face ao EUR. Para comparar o efeito Forex, repara no fundo da Pictet sem Hedge cambial (Pictet-Biotech R EUR) e com Hedge cambial (Pictet-Biotech HR EUR):

Biotech 1.png


Biotech 2.png



Agora a resposta a tua questão:

Será que vai continuar a beneficiar pelo Forex,? :arrow: Provavelmente não. Com a retirada do QE do BCE no próximo ano, é provável que o EUR se valorize.

Será que vai continuar a beneficiar pelas M&A e aprovações de novos tratamentos? :arrow: Provavelmente sim. É um sector inovador, pelo que a constante I&D irá continuar.

O maior grau de incerteza neste sector e também nos mercados financeiros em geral é mesmo o Trump, pois ele pode provocar grandes oscilações de curto/médio prazo, tanto no Forex, como nas Biotechs.

Esse fundo é segundo a Morningstar España, o melhor da sua categoria em todos retornos até 5 anos e também o mais volátil a 3 anos.

Biotech 3.png


O que deves te perguntar é o que te levou a investir nesse fundo. Se é para longo prazo ou para fazer mais valias a curto/médio prazo.
O gráfico acima poderá te ajudar a decidir. :wink:



PS: Como no BB , esse fundo não faz parte da oferta online oficial, se mais tarde quiseres comprar novamente terás que pagar comissão de subscrição.

Bom Dia!
Eu estou numa situação um pouco idêntica, após bastante negativo, o DWS Biotech está agora com + 1%, inicialmente era para longo prazo, acham que devo manter, pq vai continuar a recuperar?

Obrigada
 
Mensagens: 51
Registado: 5/7/2014 18:30

Re: Fundos à la carte

por Rick Lusitano (New) » 13/8/2018 15:55

Ás vezes, mais vale não inventar. Tudo no S&P 500 e está feito. :wink:


Seeking Alpha Escreveu:
Stocks YTD.JPG
Stocks YTD.JPG (74.5 KiB) Visualizado 1275 vezes


Seeking Alpha - U.S. holds up as global equities struggle (Aug. 13, 2018 9:14 AM ET)
https://seekingalpha.com/news/3381997-u-s-holds-global-equities-struggle
Fundos à la carte - UCITS (SICAV, OEIC, Unit Trusts, FCP) & US mutual funds

Fundos de Investimento, Mercados Financeiros, Gestão de Carteiras, Alternative Finance, FinTech
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 2771
Registado: 10/5/2014 0:59

Re: Fundos à la carte

por bucks » 14/8/2018 18:04

"Do I pay $2.50 for a coffee? Never, never, never do I do that," he says. "That is such a waste of money for something that costs 20 cents. I never buy a frape-latte-blah-blah-blah-woof-woof-woof for $2.50."

https://www.cnbc.com/2018/01/17/shark-t ... -rich.html
Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 1720
Registado: 9/12/2013 13:12

Re: Fundos à la carte

por Ramsousa » 14/8/2018 18:52

Não paga 2.50$ por um café, mas vai cortar o cabelo de 8 em 8 dias...
Deixo para vocês pensarem...
(se encontrar o video posto aqui)



bucks Escreveu:"Do I pay $2.50 for a coffee? Never, never, never do I do that," he says. "That is such a waste of money for something that costs 20 cents. I never buy a frape-latte-blah-blah-blah-woof-woof-woof for $2.50."

https://www.cnbc.com/2018/01/17/shark-t ... -rich.html
 
Mensagens: 69
Registado: 11/4/2016 14:23

Re: Fundos à la carte

por bucks » 14/8/2018 20:12

Illuminati Banker Interview: Ronald Bernard

https://www.youtube.com/watch?v=OpDGxdK0lAI
Não há bem que sempre dure, nem mal que nunca acabe
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 1720
Registado: 9/12/2013 13:12

Re: Fundos à la carte

por Bedrock Plus » 21/9/2018 21:41

Complexidade do mercado acionista.

Como não consigo entender o mercado acionista, por mais que estude e recorra a várias ferramentas de análise de dados como uns algoritmos matemáticos e de probabilidade estatística, em tempos comecei a seduzir a “filha do mercado” quarentona (vale mais do que duas de vinte) para tentar perceber a lógica de funcionamento desta família complexa, mas começo a aperceber-me que a filha herdou a carga genética da mãe e quase nada do pai (mercado acionista). Entre mim e a filha está tudo bem e a rolar como quase todas as músicas dos Rolling Stones, sendo uma espécie de Rolling Diamonds, não sei se a nossa relação é forever, como os diamantes, mas, pelo menos, para o futuro imediato, acho que será um upside de grande intensidade.

Aliás, como prova do nosso bom relacionamento, vou fazer uma pequena confidência de uma mensagem que enviei recentemente à “filha do mercado”:

Adoro estar contigo de um modo calmo, sem brigas de bruscas e intensas volatilidades, a contemplar o teu lindo corpo desnudado, onde se podem apreciar umas bonitas montanhas arredondadas com grandes auréolas e uns bicos pronunciados “on fire”, onde os cubos de gelo derretem instantaneamente, adoro como nos amamos de um modo lento mas intenso no carinho e prazer, percorrendo vagarosamente uma boa parte dos poros da tua pele e inalando os odores corporais emanados pelos mesmos, ficando o cérebro quase embriagado com tamanhos estímulos sensoriais de luxúria, tal como acontece numa refeição gourmet completa em que começamos por uns bons aperitivos, capazes de nos abrir o apetite para uma prolongada e faustosa degustação material, corporal e mental, passando depois por saborear e mastigar lentamente um marmoreado naco grelhado de lombo de porco preto ou, em alternativa, de porco bísaro, acompanhado com feijão preto e um risoto viscoso com cogumelos selvagens, prato este que é acompanhado com um reserva tinto touriga nacional do Dão, terminando depois com uma taça de farófias coberta de doce de ovos, salpicada com pepitas de chocolate amargo e com um pau de canela no centro da taça, por onde vai escorrer um pouco de champanhe bruto, o qual vai alavancar o portfolio de sabores da taça de sobremesa, para além de ir hidratando os beijos húmidos entre os amantes.

É sempre bom terminarmos um jogo ou uma festa com uma taça de vencedor ou com uma boa sobremesa capaz de nos estimular de saudade para uma próxima degustação. Em qualquer jogo ou festa, o importante não é como se começa mas sim como se acaba. Será muito triste estar numa grande festa rodeado de gente bonita e alegre e depois terminar num quarto sozinho.

O mercado acionista é muito atraente e parece uma grande festa glamourosa, mas, para a grande parte dos participantes, o final é terminarem num quarto sozinho. O mercado acionista é um jogo aonde uma pequena minoria, com grandes investimentos de capital intensivo e com informações privilegiadas, vai, em parte, condicionar o rumo do mercado, e colher o dinheiro perdido pelos pequenos-médios investidores/especuladores de curto-médio prazo e altamente reativos na compra/venda de ativos em relação às bruscas oscilações das cotações do mercado.

Tal como não nos podemos deixar embriagar mentalmente com a dança do ventre de uma linda e misteriosa mulher, que, no seu movimento oscilatório de ancas, com uma frequência variada, nos tenta provocar impulsos altamente reativos de interação, também o swing brusco de alta frequência do mercado não nos deve levar a impulsos irracionais de compra/venda de ativos. Ou seja, o mais importante não é como começa essa sedutora dança do ventre, mas sim como pode acabar num quarto onde essa linda mulher nos pode, ou não, demonstrar todas as suas potencialidades estáticas de beleza estética e, mais importante, as suas potencialidades dinâmicas do prazer interativo, sendo que são estas últimas potencialidades que nos podem tornar apaixonados.
Assim, também devemos encarar, desse modo, o mercado acionista. Ou seja, o importante não são as cotações estáticas, localizadas no tempo, dos ativos, mas sim a dinâmica de evolução dos preços, com análise de tendências e de médias num horizonte temporal mais ou menos alargado, mas sempre com significância estatística das séries de dados.

Para terminar, posso vos dizer que começo a compreender e a prever uma boa parte dos comportamentos da “filha do mercado”, mas quanto aos comportamentos do todo poderoso mercado, seu pai, continuo a não conseguir compreende-lo minimamente, pois nem sequer é aleatório, em termos de probabilidade estatística, mas sim indefinido, imprevisível e totalmente disruptivo. Tive azar ao engatar a filha, a pensar que saía ao pai e assim tentar compreender melhor o seu progenitor, mas afinal a filha só herdou a carga genética da mãe. :lol: 8-) :twisted:
Editado pela última vez por Bedrock Plus em 27/9/2018 11:02, num total de 3 vezes.
A castração química de depravados seria evitável se tivessem seguido o princípio das reações químicas de oxidação-redução entre 2 elementos químicos: O dador de eletrões (que se oxida), que designo como elemento químico macho, só pode dar esses eletrões se houver um elemento químico recetor (que se reduz) com afinidade eletroquímica para recebê-los (elemento químico fêmea), sendo que é este último o determinante para o desencadear da reação de oxidação-redução ou redox. Conclusão: Ao contrário dos humanos, nas reações redox não há violações químicas.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 35
Registado: 21/9/2018 21:30

Re: Fundos à la carte

por Shift72 » 21/9/2018 22:13

:clap:
 
Mensagens: 7
Registado: 29/3/2018 19:44

Re: Fundos à la carte

por Bedrock Plus » 27/9/2018 14:53

Make Hay While The Sun Shines.

“Why are some physicians more financially adept than others? What are the keys to success?
There is an old adage that states, “Personal finance is both personal and finance.” That is to say, there are two components to success: behavior and math. Most experts agree that 80 percent of success in personal finance is due to optimizing your behavior and only 20 percent is due to learning the rules of the game.

But I Can Make The Payments.

Many physicians appropriately struggle with the decision of whether to direct additional income toward investments or debt reduction. This becomes particularly problematic when the debt is at a very low interest rate, such as some student loans and many mortgages. It seems mathematically obvious that, even with some additional risk, the investor is likely to outperform the guaranteed 1–3 percent return from paying off low-interest-rate debt. However, what often happens is money that would have gone toward the debt is spent rather than invested. After a while, you’re “borrowing at 2 percent” to pay for your Caribbean vacation, that ski trip, and the Tesla in the driveway. This “I can make the payments” mentality actually slows the accumulation of wealth despite being, theoretically, mathematically superior.

Climbing red rocksSnowballing vs Avalanching.

The best way to combat this natural behavioral tendency is to have a written plan for debt elimination, such as paying off student loans within three years or your mortgage within 10 years. Paying off even low-interest-rate debt early is a good idea, but you don’t want to be foolish about it. For example, it would be silly to send extra money to the mortgage lender when you are not contributing enough to your 401(k) to get the entire employer match.When trying to eliminate or reduce debt, the mathematically correct thing to do is to pay the minimum on all the debts in order to avoid additional fees and penalties, then use any extra income to pay down the debt with the highest interest rate. Despite that fact, financial coaches have advocated a different approach for years, putting the additional income toward the smallest debt regardless of interest rate. What these “soldiers in the trenches” have learned, which was recently confirmed by a Harvard study, is that people are more likely to get out of debt faster when they feel they are making progress. Behaviorally, it feels like you are making more progress when you have fewer debts and are writing fewer checks each month, even if the total debt is slightly larger. This is often called a “debt snowball” because as the number of debts decrease, borrowers feel they are gaining momentum and are more likely to complete the task simply because they stick with the task longer and put more money toward the debt rather than spending it.

Avoid Gambling With Investments.

Another area where bad behavior trips up investors is in investment selection. The psychological rush that some people get from gambling can be re-created by selecting a winning individual stock, an actively managed mutual fund, or a hedge fund. However, this is not only a losing strategy mathematically (since most stock pickers, mutual fund managers, and hedge funds underperform the market over the long run), it is a losing strategy behaviorally. By focusing on choosing investments, the investor doesn’t focus on what matters most: saving more money, using an appropriately risky asset allocation, minimizing fees, and paying less in taxes. Investing primarily in boring old index mutual funds will help the physician investor not only mathematically but also behaviorally.

Artificially Maintain a Gradually Increasing Standard of Living.

Happiness studies show that we rapidly acclimate to a higher income and higher levels of spending. The best strategy for maximizing happiness is to have a constantly increasing standard of living throughout life. However, this does not line up well with a typical emergency physician career and earnings pathway. Therefore, wise physicians will create this scenario artificially by growing into their attending income as slowly as possible after residency. Having to decrease spending in mid to late career in order to accumulate an adequate retirement nest egg is psychologically painful. Of course, that pain would be less than a dramatically decreased lifestyle in mid-retirement due to running out of money!

Prepare For An Income Drop.

Finally, it is critical for emergency physicians to realize that the future may not resemble the past. Emergency physicians currently make one of the highest hourly rates in the entire house of medicine. Over the past decade, many specialties in medicine have seen pay cuts of 25 percent or more. Emergency medicine could be next. The current and potential financial pressures on the incomes of emergency physicians cannot be ignored. Emergency physicians would be wise to “make hay while the sun shines” by maintaining a high savings rate, eliminating debt early in their careers, and investing wisely. If you expect a 25 percent drop in income halfway through your career and it doesn’t materialize, you’ll be that much better off. If you don’t plan on that increasingly likely possibility, you may find yourself working far more night shifts than you prefer in your 60s.

Personal finance is both personal and financial. Be sure you attack it from both behavioral and mathematical perspectives.
What do you think? In what ways have you ignored the mathematical ramifications in order to improve your own behavior?”


https://www.whitecoatinvestor.com/make- ... un-shines/
A castração química de depravados seria evitável se tivessem seguido o princípio das reações químicas de oxidação-redução entre 2 elementos químicos: O dador de eletrões (que se oxida), que designo como elemento químico macho, só pode dar esses eletrões se houver um elemento químico recetor (que se reduz) com afinidade eletroquímica para recebê-los (elemento químico fêmea), sendo que é este último o determinante para o desencadear da reação de oxidação-redução ou redox. Conclusão: Ao contrário dos humanos, nas reações redox não há violações químicas.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 35
Registado: 21/9/2018 21:30

Re: Fundos à la carte

por Bedrock Plus » 27/9/2018 16:05

Dumb Alpha: Trailing or Forward Earnings?

By Joachim Klement, CFA

Posted In: Drivers of Value, Quantitative Methods.

"Value investing is a form of creating dumb alpha. After all, in its simplest iteration, value investing boils down to selecting stocks with the lowest price-to-earnings (P/E) ratio or lowest price-to-book (P/B) ratio. What could be simpler than that?

But alas, the financial industry, in its eternal drive to make things more complicated than they need to be, has managed to confuse investors about this concept as well.

All too often, investment reports or the financial media maintain that a stock is attractively valued because its forward P/E ratio is such and such. These kinds of statements have become a pet peeve of mine. Why? Because very few people ever stop to check if forward P/E ratios are actually predictive of future outperformance.

All the studies on the value factor have been conducted with trailing P/B and trailing P/E ratios, not forward P/E ratios. Recognizing this difference is critical to becoming a successful value investor.

Picking Value Stocks Based on P/E.

To demonstrate how reliable P/E ratios are as a source of dumb alpha, I took the current index constituents of four major stock market indices: the S&P 500 in the United States, the FTSE 350 in the United Kingdom, the Euro StoXX 300 in the eurozone, and the Nikkei 225 in Japan. For each, I chose the 20% of stocks with the lowest P/E ratios and compared their average returns to the 20% of stocks with the highest P/E ratios going back monthly for the past 20 years. I first used trailing 12-month P/E ratios for each stock and then switched to forward 12-month P/E ratios. For the latter, I followed common practice and used the P/E ratio calculated with Institutional Brokers’ Estimates System (I/B/E/S) consensus earnings forecasts.

The results of the exercise are instructive: In the United States, the cheapest quintile of stocks based on trailing P/E outperformed the most expensive by 1.2% per year. When using forward P/E ratios, on the other hand, the most affordable stocks underperformed the priciest by 1% annually. In other words, relying on forward P/E ratios destroyed performance!

In the United Kingdom, the picture is not quite as bad. Sorting stocks based on trailing P/E led to a 10.1% annual outperformance by the cheap stocks, while sorting based on forward P/E created a 7.4% outperformance. But here again, employing forward P/E was significantly less successful than trailing P/E.

In the eurozone, based on trailing P/E, inexpensive stocks did 4.6% better per year compared to 3.5% for forward P/E. And finally, even in Japan using trailing P/E led to a 6.6% annual outperformance by the cheapest quintile of stocks compared to just a 0.6% outperformance with forward P/E.

Forward P/E Is Useless: Discuss.

These exercises demonstrate that, regardless of region, relying on forward P/E ratios as a value indicator is less effective than trailing P/E ratios and can sometimes completely destroy the value premium investors seek to harvest. The same picture emerges when risk-adjusted returns are the measure of success or if country or sector indices are employed instead of single stocks.

Why don’t forward P/E ratios work as a measure of value? The answer is rooted in analysts’ estimates of future company earnings. As I demonstrated in the second installment of this series, analysts are terrible at predicting interest rates, exchange rates, or stock market performance over the coming 12 months. And they are similarly inept at predicting company earnings. In fact, using trailing 12-month earnings is typically a better predictor than analyst-estimated forward earnings. This is why trailing P/E ratios do a better job at selecting value stocks than forward P/Es.

What explains the lack of accuracy in forward earnings estimates? Quite simply, analysts are overly optimistic. Forward earnings are, on average, about 10% higher than subsequently realized earnings. However, this excess of optimism is not stable over time or across stocks. Paul Hribar and John McInnis show that analyst overoptimism rises when investor sentiment is buoyant — particularly for growth stocks with hard-to-estimate future earnings. And recent research by Ulrike Malmendier and Devin Shanthikumar demonstrates that while analysts on average are overly optimistic, those affiliated with an underwriter of a company’s securities tend to be strategically overoptimistic and thus systematically distort their forecasts.

Of course, Ben Graham, the founder of value investing, knew this a long time ago. In The Intelligent Investor, he wrote, “While enthusiasm may be necessary for great accomplishments elsewhere, on Wall Street it almost invariably leads to disaster.”

In the spirit of dumb alpha, then, we can say that simple trailing P/E ratios are far better value indicators than forward P/E ratios. Or as I tell my colleagues at work: “Never ever use forward P/E ratios. Ever.”
A castração química de depravados seria evitável se tivessem seguido o princípio das reações químicas de oxidação-redução entre 2 elementos químicos: O dador de eletrões (que se oxida), que designo como elemento químico macho, só pode dar esses eletrões se houver um elemento químico recetor (que se reduz) com afinidade eletroquímica para recebê-los (elemento químico fêmea), sendo que é este último o determinante para o desencadear da reação de oxidação-redução ou redox. Conclusão: Ao contrário dos humanos, nas reações redox não há violações químicas.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 35
Registado: 21/9/2018 21:30

Re: Fundos à la carte

por Bedrock Plus » 28/9/2018 10:49

Fund Managers' Current Asset Allocation - September 2018

Capturar 1.PNG
Capturar 1.PNG (53.02 KiB) Visualizado 263 vezes
A castração química de depravados seria evitável se tivessem seguido o princípio das reações químicas de oxidação-redução entre 2 elementos químicos: O dador de eletrões (que se oxida), que designo como elemento químico macho, só pode dar esses eletrões se houver um elemento químico recetor (que se reduz) com afinidade eletroquímica para recebê-los (elemento químico fêmea), sendo que é este último o determinante para o desencadear da reação de oxidação-redução ou redox. Conclusão: Ao contrário dos humanos, nas reações redox não há violações químicas.
Avatar do Utilizador
 
Mensagens: 35
Registado: 21/9/2018 21:30

AnteriorPróximo

Quem está ligado:
Utilizadores a ver este Fórum: Bing [Bot], Clinico, DanielMarques196, F.Ferreira1, Google [Bot], jmatos0808, LoneWolf, migmig, Wuzzu., Àlvaro e 45 visitantes